segunda-feira, 20 de maio de 2013

Na hora da vitória

É evidente que estou muito contente com a conquista do tricampeonato, e registo que esta época houve jogos bem conseguidos pela equipa portista, direi mesmo empolgantes, mas também houve outros que me desiludiram bastante levando-me a pensar no porquê destes acontecimentos! É que a partir do momento em que a equipa começou a jogar bem, o seu futebol até chegou a ser considerado muito parecido com o futebol da melhor equipa do mundo, que na altura era o Barcelona, cheguei a interrogar-me como é que uma equipa pode passar do excelente ao medíocre num curto espaço de tempo?!
Estou a recordar-me de exibições em que a equipa deixou os seus créditos por mãos alheias, como por exemplo: o empate com o Olhanense no Dragão, a eliminação da Champions pelo Málaga, etc...etc...! É por isso que apesar de tudo não acredito que a actual equipa técnica seja a indicada para continuar a treinar o FC Porto. E a razão é simples, é que para a SAD do FC Porto, não basta ganhar o campeonato português, a fim de equilibrar as contas e resolver os problemas financeiros do clube é necessário: vender todos os anos 1 ou 2 dos nossos talentos (joias da coroa), assim como, pelo menos, ultrapassar os oitavos da Champions e se possível passar os quartos de final de modo a realizar a maior quantia de capital, que ajude a manter um plantel de qualidade.

2 comentários:

Daniel Santos disse...

Quantas vezes achas que chegamos aos quartos de final da campions nos ultimos 15 anos?toda a gente acha que foi uma prestação fraca do vitor pereira quando o normal e ficarmos nos oitavos...

Daniel Santos

Dragaoatento disse...

Também eu sou adepto do Vítor Pereira desde que o FC Porto não encontre outro treinador melhor.
O problema é a irregularidade das exibições da equipa portista, pois a par de algumas prestações fantásticas da equipa aconteceram outras decepcionantes!
E volto a afirmar a FC Porto-Futebol, SAD precisa que o clube facture de modo a poder manter um plantel de qualidade, portanto temos obrigatoriamente de chegar o mais o mais longe possível na Champions a fim de viabilizar financeiramente um plantel bom, com um mínimo de prejuízo, ou até dar lucro aos accionistas da SAD.