sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

As arbitragens que beneficiam Benfica e Sporting

Excerto de Pedro Marques Lopes
Que chama a atenção dos dirigentes portistas para o seu inexplicável e sepulcral silêncio sobre todas as barbaridades cometidas pelo Vítor Pereira da arbitragem e pelos juízes do apito por este nomeados para beneficiar Benfica e Sporting; e prejudicar deliberadamente o FC Porto…!!!
…Outro problema que ameaça tornar-se estrutural, e que sistematicamente refiro, é a falta duma voz que assuma o combate no dia a dia. Por exemplo, a pouca vergonha das arbitragens deste e do ano passado tem de ser denunciada. Estamos a ser humilhados em campo por os senhores vestidos de preto (ou vermelho) que nos perderam o respeito e que tremem que nem varas verdes perante o Benfica e o Sporting. As últimas semanas foram chocantes: o Imbula é expulso por uma falta com menos de metade da gravidade das que João Pereira e João Mário cometeram no jogo contra o Braga. O que se passou em Alvalade foi uma vergonha sem nome, em qualquer futebol civilizado os dois jogadores do Sporting teriam sido expulsos e levado um castigo exemplar pelas entradas assassinas que fizeram. Uma vergonha parecida com a da arbitragem do jogo do Benfica com o Guimarães, uma calabotinice das antigas.
Alguém do FC Porto veio falar desses esbulhos, desses pormaiores que decidem campeonatos, dessas ofertas de pontos que fizeram a diferença no ano passado e que já estão a fazer este ano? Nada. Um silêncio mortal. E assim se vai deixando a falta de respeito instalar, e assim os jogadores se sentem desprotegidos em campo, e assim não se expulsam jogadores que agridem violentamente os adversários enquanto os nossos são pontapeados no chão (como aconteceu ao Maxi, no Bessa) e nada se passa.
Ninguém está a pedir berraria, o que se quer é estas situações denunciadas, o que se exige é que não se falte ao respeito ao FC Porto e, lá está, quem não se dá ao respeito nunca será respeitado.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.