terça-feira, 31 de janeiro de 2017

"Joguem à bola e parem com a choradeira"

Chegou a vez dos adeptos portistas devolverem o slogan aos benfiquistas:"joguem à bola e parem com a choradeira" em vez de reclamarem dos juizes do apito...
Que dizer da imprensa desportiva (lisboeta) benfiquista que hoje, ao invés do que fizeram com o F.C.Porto - que tem resmas de razões para reclamar: já são 20 as grandes penalidades escamoteadas pelos árbitros... -, toma as dores do "clube da Águia" e aponta o dedo ao árbitro? Estes são os tais que têm dois pesos e duas medidas: são facciosos, sectários e intelectualmente desonestos.
"Joguem à bola e parem com a choradeira" - não era o que diziam ao F.C.Porto?
E no entanto, a nosso favor está o facto de ao contrário dos benfiquistas fanáticos, não colocarmos todo o enfoque nos erros dos árbitros, sabermos reconhecer as nossas falhas e que se quisermos ganhar tem de ser sempre contra tudo e contra todos -, deixem portanto de se queixar dos juizes do apito. Depois do que aconteceu nas últimas épocas, ver o clube do regime justificar-se com arbitragens... é uma anedota... Só pode...!

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

As habilidades dos dirigentes benfiquistas

O facto dos benfas estarem a adormecer os dirigentes do Vitória de Setúbal para colher dividendos, é um "déjà vu" pois tem acontecido muitas outras vezes e claro sempre pelo protagonista encarnado lisboeta...
Se este procedimento fosse protagonizado pelo FC Porto, a Imprensa desportiva lisboeta transformaria o facto num escândalo de lesa pátria... Mas infelizmente não há volta a dar é o facciosismo e a inclinação elevada ao cubo...

domingo, 29 de janeiro de 2017

RTP3_360_Desporto, fervor sportinguista

RTP3 Desporto de fervor sportinguista_Ver aqui
RTP3_360_Desporto_Mesa redonda de preponderância sportinguista, constituída pelos comentadores:
José Nunes – benfiquista
António Tadeia – sportinguista
José Dominguez - sportinguista

Foi um chorrilho de criticas facciosas a favor do Sporting, com a ténue excepção de José Nunes benfiquista; uma mesa redonda no essencial muito parecida com as da Sporting TV, e, a falar de motivação para o próximo jogo no Dragão…!
O sportinguista António Tadeia teve até o descaramento de referir que dado que a FIFA/UEFA concede aos árbitros uma certa amplitude nos critérios a adoptar pelos juizes do apito, o árbitro que mostrou o cartão amarelo que retira o jogador sportinguista William do clássico FC Porto vs Sporting, não o deveria ter feito… E esta hein…?!
Pelos vistos o só o Sporting merece respeito, ao FC Porto os juízes do apito podem continuar a decidir contra à vontade e já são 20 grandes penalidades escamoteadas aos portistas…!!!

Identificação de comentadores:
António Tadeia - sportinguista
João Querido Manha - benfiquista
José Manuel Freitas - sportinguista
João Marcelino – sportinguista
João Gobern – benfiquista

Jorge Jesus é um treinador indisciplinado

Um mau exemplo de falta de disciplina para os colegas treinadores dos outros clubes...
Ontém em Alvalade, no jogo Sporting 4 Paços Ferreira 2 saiu constantemente da sua área técnica. Com uma equipa de arbitragem mais exigente da UEFA o 4º árbitro seria obrigado a reprendê-lo, e, em caso de reincidência, até de expulsá-lo da área técnica.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Caso Assis, desfeito o enredo

Após comportamento deplorável do futebolista Assis
“Pinto da Costa telefonou hoje [ontem-segunda-feira] à tarde ao presidente do Chaves a desobrigá-lo do compromisso que tinha com o FC Porto em relação ao Assis, tendo em conta o comportamento do jogador e do empresário, ou melhor, da pessoa com que se fez acompanhar [Marcelo Lipatin]” na reunião que teve no Estádio do Dragão na passada sexta-feira.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Pinto da Costa afrontado

…por Salvador presidente do Sporting de Braga! Como é possível…?!

Há vinte anos atrás esta seria uma situação impossível de se constatar; um qualquer presidentezeco de clube pequeno: ultrapassar, superar, Pinto da Costa, em negócios de contratações de jogadores.
O Presidente do FC Porto, actualmente denuncia cada vez mais, a perda das suas normais faculdades; revelando falta de acuidade (que em sentido figurado, significa: agudeza de percepção, sutileza de espírito, habilidade, perspicácia), acutilancia…ect…etc…!


Assis o médio do Chaves

Volte-face no negócio do médio brasileiro de 26 anos.
Assis vai mesmo ser jogador do Braga.

Depois de alguns avanços e recuos, o Braga garantiu a contratação do médio por quatro anos e meio. O jogador esteve muito perto de assinar pelo FC Porto mas acabou por chegar a acordo com os arsenalistas.
Ao que O JOGO apurou, o negócio ficou fechado com o Chaves a troco de um milhão de euros mais a cedência de jogadores.

domingo, 22 de janeiro de 2017

Tribunal de OJogo escamoteia foras-de-jogo mal assinalados

No FC Porto 4 Rio Ave 2
Porque é que o Tribunal de OJogo, composto por três ex-árbitros, analisa dois lances contra o FC Porto e escamoteia os fora-de-jogo mal assinalados aos portistas...!!!

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

As façanhas do Calabote

Hoje recuamos 59 anos, até àquele domingo 19 de janeiro, dia da jornada 19 do Campeonato de 1957/58. O FC Porto joga no Estádio da Luz e vence por 3-2, com golos de Teixeira, Carlos Duarte e Hernâni, apesar de uma arbitragem infeliz de... Inocêncio Calabote. O juiz de Évora esteve na mira da crítica ao expulsar Teixeira, um dos melhores do plantel dos Dragões, aos 20 minutos de jogo, por uma suposta agressão a um adversário que só ele viu. Ninguém percebeu porquê, nem os insuspeitos “A Bola” e “Record”, nem o próprio Teixeira, nem a Federação que, face ao recurso apresentado pelo FC Porto, despenalizou o avançado do castigo de três partidas de suspensão anteriormente aplicado. Calabote foi o mesmo árbitro que na época seguinte ficou famoso por ter tentado, a todo o custo, que os portistas não fossem campeões nacionais em Torres Vedras. Em vão, como todos sabemos.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

O cancro da arbitragem

FC Porto considera que "a diferença de critérios tem sido um cancro"
"Alguns árbitros aplicam de forma diferente as universais regras do futebol", pode ler-se na newsletter Dragões Diário.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Rui Vitória, eminência parva

A capa de A Bola d'hoje é cómica. Rui Vitória dá um murro na mesa – treme, Portugal! – porque não admite “que ponham em causa o mérito” dos coisinhos.

Oh Rui Vitória, a questão não é definir se a equipa do Benfica tem mérito ou não!
O problema é os jogadores do Benfica serem sistematicamente protegidos, no capítulo disciplinar, pelos juízes do apito que punem severamente, com as cartolinas, as entradas mais duras aos jogadores encarnados, quando por outro lado os jogadores portistas são permanentemente flagelados por entradas a varrer dos contrários com a permissão dos árbitros: permissivos contra e muito rigorosos a favor dos portistas…!
Mas há mais: golos limpos anulados e já são 19 as grandes penalidades escamoteadas aos Dragões…

domingo, 8 de janeiro de 2017

Penalti, Coats volta a fazer das suas

Feirense reclama penálti em Alvalade ao minuto 29
Luís Machado cai na área empurrado por Coats e fica a pedir penálti, mas o árbitro manda jogar.
http://www.ojogo.pt/futebol/1a-liga/feirense/noticias/interior/feirense-reclama-penalti-em-alvalade-ao-minuto-29-5593969.html

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

A APAF de Luciano Gonçalves

O presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), Luciano Gonçalves, lamenta o actual ambiente de tensão na arbitragem e defende que é preciso acabar com a ideia de que o sector "está ao serviço de algum clube".
Pergunta-se :
Porque é que os Observadores que classificam as actuações dos árbitros têm de ser todos benfiquistas...?!
Mas é evidente!
Para garantirem ao Benfica que os árbitros convenientes estarão sempre no "TOP" e nunca na "JARRA"...!
Para já, os Observadores deviam ser entidades independentes ou então estarem todos os clubes representados nos: Conselho de Arbitragem, Conselho de Disciplina e Observadores das actuações dos juizes do apito.

Mentirosos compulsivos

O menu foi aliciante, águia Vitória à la plancha em cama de papoilas saltitantes, bem regado por um Vilarinho reserva. Os comensais saíram satisfeitos mas tudo não passou de pura fantasia. Outra das facetas do polvo benfiquista é a propaganda ao melhor estilo nazi, utilizando todos os métodos, exceto a verdade. A página Hugo Gil e Benfica "noticiou" um almoço num hotel lisboeta entre o autor destas linhas e o diretor de comunicação do Sporting Nuno Saraiva, para concertarem posições. Acontece que o autor destas linhas não conhece Nuno Saraiva, nunca esteve com ele, em almoço, jantar, ou em qualquer outra situação e jamais faria alianças espúrias, como seria sempre uma aliança entre clubes rivais como são o FC Porto e o Sporting. Há gente mesmo sem escrúpulos e convém não esquecer que a página em causa é um panfleto oficioso controlado bem de dentro do Estádio da Luz. Só escolhe a mentira quem se incomoda com a verdade.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Sporting não tem razão para reclamar

Sportinguistas (calimeros) só enxergam dum olho…!
É até possível que os sportinguistas tenham razão em reclamar da grande penalidade que sofreram, mas deliberadamente, esqueceram-se de que já antes do penálti assinalado contra eles, Coates tinha cometido falta passível para grande penalidade ao puxar um jogador do vitória para trás desequilibrando-o na grande área leonina.
Digno de nota
Os juizes do apito devem estar atentos ao jogo subterrâneo de Coates, pois este comete muitas faltas devido a ser um central pesadão e pouco ágil, que precisa de recorrer a processos ilicitos para se impor…

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

"Basta, é tempo de desmascarar o polvo"

FC Porto deixa duras críticas à arbitragem em Portugal depois do jogo de Moreira de Cónegos, que ditou o adeus à Taça da Liga.
Através da newsletter "Dragões Diário", o FC Porto deixa críticas duríssimas ao árbitro Luís Godinho e à arbitragem portuguesa.
"O jogo correu normalmente até aos últimos minutos da primeira parte, até que surgiu Luís Godinho, que ontem à noite interpretou mal o papel de árbitro. Um penálti claro sobre André André não foi assinalado, elevando para 19 as grandes penalidades por apitar a favor da nossa equipa esta temporada, e que poderia ter permitido chegar à vantagem", começou por escrever o FC Porto.
"Mas o pior estava para vir, quando Luís Godinho atropelou Danilo e, por causa disso, lhe mostrou o segundo cartão amarelo. O lance caricato até daria para rir, não fosse ter deixado a nossa equipa com menos um jogador e sem o mesmo atleta para a próxima jornada. Luís Godinho interferiu claramente com a verdade desportiva. Luís Godinho retirou o FC Porto de uma competição, como já tinha feito João Capela. Luís Godinho interferiu até na próxima jornada, por expulsar um jogador que teve a infelicidade de não ver que o árbitro caminhava na sua direção. E não, isto não é um azar a seguir ao outro, porque Luís Godinho conseguiu mostrar um amarelo aos jogadores do FC Porto a cada 2,29 faltas cometidas", acrescenta a newsletter.
"Definitivamente, não há vergonha no futebol português e quem menos vergonha tem é quem é responsável por este estado de coisas, com o Conselho de Arbitragem à cabeça, com nomeações sempre a piorar. E sabem porquê? Porque o até ontem desconhecido Luís Godinho é a partir deste mesmo mês de janeiro árbitro internacional, indicado pelo Conselho de Arbitragem. Pelas boas arbitragens não é certamente. Pelos bons desempenhos em jogos de grau de dificuldade elevado não é, porque não os fez, pelo menos em quantidade aceitável. Então por que será? É tempo de gritar basta, de desmascarar todo este polvo que criou um monstro em que árbitros sem experiência, sem provas dadas, são transformados em internacionais proveta. O FC Porto vai lutar todos os dias e os dias todos que forem preciso para acabar com estas situações. Esse é o compromisso que manteremos sempre com os sócios e adeptos. E ficamos à espera de esclarecimentos públicos das autoridades da arbitragem sobre esta pouca vergonha. Que explicação têm para que em quase todos os jogos fiquem penáltis por marcar a favor do FC Porto? Que motivo pode levar um árbitro a expulsar um jogador depois de o atropelar? O que acham que deve acontecer a um árbitro que tem este género de comportamento? A elevadíssima, para não dizer inaceitável, percentagem de erros em prejuízo do FC Porto explica-se como? E o presidente da APAF mantém que a culpa é dos dirigentes? Se sim, pode nomear o dirigente responsável por um jogador ser expulso por um árbitro lhe dar um encontrão? Finalmente, acham que a verdade das competições está salvaguardada?", questiona o clube.

O poder do futebol sediado em Lisboa

O poder do futebol, o famoso sistema, (conselho de Arbitragem, Observadores, Conselho de Disciplina e FPF) sediado em Lisboa, está cada vez mais obstinado em derrubar (apear) Pinto da Costa o dirigente mais títulado em Portugal; da presidência do FC Porto e do futebol português.
Por outro lado, Lourenço Pinto presidente da Associação de Futebol do Porto deixou-se ultrapassar por Nuno Lobo presidente da Associação de Futebol de Lisboa, e, a partir daqui, passaram a ser os dirigentes de Lisboa a controlar o poder do futebol nacional, e, a contribuirem para falsear a verdade desportiva das mais importantes competições do futebol português...!!!

Foi vergonhosa a actuação do juiz do apito Luís Godinho, de Évora! Pela dualidade de critérios que utilizou. Adoptou um critério largo para deixar jogar, favorável ao Moreirense. Os jogadores de Moreira de Cónegos fartaram-se de distruir lenha, dar pancada, (agarrões, empurrões, rasteiras, entradas a varrer, e, ainda por cima fez vista grossa a uma grande penalidade em que o André André foi nitidamente impedido de jogar a bola dentro da grande área do Moreirense, na 1ª parte) nos jogadores portistas, mas à mais pequena falta dos portistas era certo e sabido que lhes seria exibido o cartão amarelo.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

O árbitro proveta João Pinheiro

A mudança que se anunciou com o novo Conselho de Arbitragem, que garantia que as competições se voltavam a decidir exclusivamente pelo valor das equipas, está a resultar em mais do mesmo, com estes juízes do apito que foram internacionais antes de serem árbitros a terem um peso inaceitável na classificação.
Se o pecado de João Pinheiro tivesse sido a grande penalidade não assinalada ainda se podia achar que tinha sido um caso sem exemplo, mas quem viu o jogo sabe bem a tendência do sr. árbitro, tanto a marcar faltas a todo o contacto dos jogadores do FC Porto e a aplicar um "critério largo" quando era o contacto era provocado pelo adversário. E depois temos os descontos, um assunto que por si só merecia um estudo, que neste jogo ficaram muito longe do tempo efectivamente perdido, tanto na primeira como na segunda parte.