quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Árbitro beneficia Benfica

Continuam as arbitragens favoráveis ao Benfica. Mais um jogo em que os encarnados são beneficiados!
Tribunal unânime
Fejsa devia ter visto o cartão vermelho aos 31' e ficou por assinalar uma grande penalidade de Lisandro sobre Helder Tavares aos 32'.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

FC Porto Bicampeões do Mundo

Foi há exatamente 13 anos que o FC Porto, pela segunda vez na sua história, se sagrou vencedor da Taça Intercontinental. A 12 de dezembro de 2004, os campeões da Europa defrontaram os colombianos do Once Caldas, em Yokohama, venceram por 8-7 nas grandes penalidades, após um persistente empate a zero no tempo regulamentar e no prolongamento, e sagraram-se bicampeões do mundo – um estatuto reconhecido pela FIFA este ano. O olhar matador de Pedro Emanuel, antes do pontapé decisivo, é um dos momentos mais icónicos do património imaterial azul e branco. Pode recordar tudo neste vídeo.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Os critérios do ex-árbitro Duarte Gomes

Resposta a Duarte Gomes - Opiniões
Em Alvalade contra o Setúbal era assim: “em caso de dúvida beneficia-se o ataque”. Em Setúbal já era benefício à defesa. Quem os entende…?!

 Oh Duarte Gomes, pelo teu critério o teu SLB estava sempre a ser penalizado, tal é a frequência da prática dos jogadores encarnados...!
Mas mais, segundo os critérios de Duarte Gomes, quando se decide contra o FC Porto ele aplaude, mas se por acaso é a favor, o Duarte Gomes está contra, acha mal...!


sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Pinto da Costa: “O VAR SÓ TEM SIDO NEGATIVO”

Para o Sr. Presidente do FC Porto: “O VAR SÓ TEM SIDO NEGATIVO”
As arbitragens e as críticas ao Governo pela impunidade do Benfica dominam a entrevista do Presidente a “O Jogo”
Para Jorge Nuno Pinto da Costa, o vídeoárbitro “só tem servido nos jogos do FC Porto para dar cobertura aos falhanços dos árbitros” e “trouxe alguma coisa de positivo para alguns e só negativo para outros”. E por esse motivo, “neste momento, acabava de imediato com o VAR”, defende o presidente do FC Porto na primeira parte de uma grande entrevista publicada na edição desta sexta-feira do jornal “O Jogo” e que terá um segundo capítulo na de sábado.
“Nas duas últimas jornadas, voltámos ao passado. Para mim, o VAR só tem sido negativo. Quando não há uniformidade de critérios, tem de ser negativo. É inconcebível tanto o que se passou nas Aves, com um penálti não assinalado que nem precisava de VAR, como aquele fora de jogo assinalado no FC Porto-Benfica. Esse é para o Guinness”, aponta o dirigente máximo portista, que teceu duras críticas ao árbitro do clássico, Jorge Sousa, ao assistente envolvido no lance, e também questionou algumas nomeações do Conselho de Arbitragem.
Pinto da Costa não esconde a indignação, partilhada pelos adeptos, que “têm todo o direito a ela”. “Mas sabemos que nos indignam para nos provocarem, à espera de que façamos mais e que isso se transforme numa rebelião. É preciso que a nossa massa associativa e os nossos adeptos mostrem o seu desagrado e manifestem o seu protesto das mais diversas maneiras, mas nunca recorrendo à violência”, apelou.
As críticas não se esgotaram na arbitragem, estenderam-se ao Governo que, “quando se trata de assuntos relacionados com o Benfica, assobia para o lado”, como é o caso das claques ilegais do clube lisboeta. O Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ) foi, aliás, um dos temas abordados numa recente conversa entre Pinto da Costa e o presidente da Federação Portuguesa de Futebol: “Tenho a certeza absoluta de que, pelo Dr. Fernando Gomes, aqueles senhores que estão no IPDJ tinham sido todos demitidos e tenho a certeza de que, se pudesse, o secretário de Estado do Desporto, que não se demitiu, também seria demitido. (…) Mas ele não tem poderes para isso e acaba por ser vítima da indignação geral, porque as pessoas pensam que ele pode resolver, mas tal não acontece porque o Governo não quer.”
Pinto da Costa diz também não esperar nada do Governo de António Costa no que diz respeito ao caso dos e-mails divulgados nos últimos meses no Porto Canal e que, nas palavras do líder azul e branco, “veio contribuir para a moralização do futebol português”
. Se aconteceu o que aconteceu com o país a arder, como é que vou esperar, só porque há um foco de incêndio no futebol, que o Governo faça alguma coisa? Não vai fazer nada. Não espero nada do Governo. Nada. Zero. Mas da Polícia Judiciária espero, porque sei que estão a trabalhar no assunto, pelos dados que nos têm pedido, e estão a trabalhar com seriedade e com rigor”, comentou o presidente portista.

domingo, 3 de dezembro de 2017

O clássico do plano inclinado

Ultrapassado o clássico do plano inclinado, o plantel principal regressou ao trabalho na manhã de ontem, já com a cabeça na Liga dos Campeões, prova em que o FC Porto persegue o objectivo de reservar a segunda vaga do Grupo G para os oitavos de final.

PS - Qual a actual classificação do SLB na Champions League...?!
Segundo consta os dirigentes do SLB vão passar a exigir à UEFA juízes do apito portugueses para apitar os jogos deles... Eh, eh, eh...!

sábado, 2 de dezembro de 2017

Crítica honesta e construtiva


Estádio do Dragão foi ontem palco de uma das maiores farsas de que há memória no futebol português: 48.809 espectadores pagaram bilhete para assistir a uma mentira. O zero zero final do clássico entre FC Porto e Benfica é o resultado de três erros de arbitragem tão graves quanto difíceis de compreender e de aceitar: aos 19 minutos, Jardel pisou Marega na área, mas não foi assinalado penálti; aos 45, Luisão jogou a bola com a mão na mesma área, mas também nem foi assinalado penálti nem lhe foi mostrado o segundo amarelo; aos 57, foi mal invalidado um golo a Herrera, por suposto fora de jogo – na realidade, tanto o mexicano como Aboubakar, outro interveniente na jogada, estavam vários metros em jogo.


Uma das maiores FARSAS do Futebol português

De casa - O Estádio do Dragão foi ontem palco de uma das maiores farsas de que há memória no futebol português: 48.809 espectadores pagaram bilhete para assistir a uma mentira. O zero zero final do clássico entre FC Porto e Benfica é o resultado de três erros de arbitragem tão graves quanto difíceis de compreender e de aceitar: aos 19 minutos, Jardel pisou Marega na área, mas não foi assinalado penálti; aos 45, Luisão jogou a bola com a mão na mesma área, mas também nem foi assinalado penálti nem lhe foi mostrado o segundo amarelo; aos 57, foi mal invalidado um golo a Herrera, por suposto fora de jogo – na realidade, tanto o mexicano como Aboubakar, outro interveniente na jogada, estavam vários metros em jogo.
Ao longo dos últimos meses, muitos têm perorado contra o “clima” que se vive no futebol português. Poucos têm dito é que o que destrói o futebol português são situações como as que ontem se viveram no Dragão. O árbitro Jorge Sousa, o videoárbitro Hugo Miguel, os assistentes Álvaro Mesquita e Nuno Manso e o quarto árbitro Gonçalo Martins assumiram o protagonismo de uma partida por cujo resultado são os principais responsáveis. Fosse no Estádio ou através da televisão, milhões de pessoas foram testemunhas de um atentado à verdade desportiva. Nada fere mais qualquer desporto do que a sensação generalizada de que os seus praticantes não atuam livremente nem são julgados de acordo com as regras. E não há imagem manipulada por um qualquer reles vigarista que possa subverter a realidade.
Convém não esquecer que o jogo de ontem surgiu na sequência de uma jornada em que a crítica reconheceu por unanimidade que o FC Porto foi prejudicado numa grande penalidade aos 90 minutos, frente ao Desportivo das Aves. Com verdade desportiva, os Dragões poderiam ter ganho as últimas duas partidas, teriam somado seis pontos em vez de dois e seriam líderes confortavelmente isolados, com quatro pontos de vantagem sobre o Sporting e oito sobre o Benfica - uma equipa, de resto, que se tem revelado incapaz de somar pontos quando é confrontada, na Europa, com arbitragens por norma mais zelosas em relação à execução das leis do jogo. No espaço curto de menos de uma semana, a classificação da Liga foi adulterada por fatores que ultrapassam o controlo dos jogadores e dos treinadores, e que curiosamente beneficiaram os de sempre e prejudicaram os do costume.
Para além dos casos de arbitragem, a história do jogo é fácil de contar. O Benfica entrou forte, mas a partir do momento em que o FC Porto assumiu o domínio da partida, sensivelmente a meio da primeira parte, só deu azul e branco. Para além de terem marcado um golo limpo, os Dragões criaram várias oportunidades, mas não foram eficazes. Não deixaram de mostrar, contudo, que o primeiro lugar que ocupam desde que arrancou o Campeonato é resultado de um trabalho honesto, sério, duro e de muita qualidade.
Mr. Sérgio Conceição
Como não podia deixar de ser, Sérgio Conceição sublinhou a influência da arbitragem no desfecho deste jogo: “Não podemos aceitar semanalmente lances mal analisados por parte da equipa da arbitragem e do VAR. Têm que me dizer de uma vez por todas o porquê. O lance do golo mal anulado até percebo, porque o vídeoárbitro não pode intervir depois do auxiliar levantar a bandeirola, mas o do penálti é claríssimo…E eu pergunto o porquê de não se analisar. Neste momento tenho um balneário destroçado e eu pergunto: porquê? Obviamente que poderíamos ter mais eficácia”. O técnico azul e branco não deixa de mostrar confiança absoluta no trabalho da sua equipa: “Tenho que dar uma palavra forte ao meu balneário e dizer-lhes que tenho a plena convicção que tinha há duas semanas, há uma semana ou há um dia que nós somos sérios candidatos a ser campeões. Contra tudo e contra todos”.

Poderá o FCP continuar a ser um candidato ao titulo?

Nas condições actuais poderá o FCP continuar a ser um candidato ao titulo?

O filme das duas últimas jornadas:
Nas Aves, aos 90 minutos, o FC Porto sofre uma falta na área. Rui Costa não vê. O VAR Bruno Esteves não vê. Dois pontos perdidos.
No Dragão, o Benfica faz duas faltas na área. Jorge Sousa não vê. O VAR Hugo Miguel não vê. Um deles dava o segundo amarelo a Luisão. Ninguém viu! Herrera marcou um golo limpo. Ninguém viu. Mais dois pontos perdidos.
Com verdade desportiva de facto, nas duas últimas jornadas, o FC Porto teria somado seis pontos. Somou dois.
Com verdade desportiva de facto, nas duas últimas jornadas, o Benfica teria passado a estar a oito pontos do primeiro lugar. Está a três. Ou seja, com verdade desportiva a sério, nesta altura, o Benfica já não era candidato ao título. Com verdade desportiva, nesta altura, o Sporting estaria a quatro pontos do FC Porto.
Conversa da treta que interessa à Comunicação Social Desportiva lisboeta
É muito bonito que se continue a dizer que é no campo, onze contra onze, que os jogos se decidem. Que os directores só fazem ruído, que as redes sociais são uma treta e que os livros que se escrevem não têm valor nenhum. Que só os jogadores, em função do seu mérito ou demérito, é que definem os resultados. Este é um tipo de argumentação para adormecer incautos, pois a realidade é bem diferente, devido ao facto dos dirigentes lisboetas que ocupam os cargos do poder na FPF: ARBITRAGEM e DISCIPLINA, manipularem, instrumentalizarem, controlarem as situações, conforme as suas conveniências (fanatismo) clubistas…!!!

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Vigarice benfiquista

Ontem foi noite de Universo Porto da Bancada, que teve a manipulação de imagens pelo Benfica e a arbitragem do jogo frente ao Desportivo das Aves como pratos fortes. Francisco J. Marques não tem dúvidas de que o rival de Lisboa subverteu a realidade para tentar intoxicar a opinião pública: "São imagens falsas e manipuladas. Isto é um grau novo na vigarice de comunicação do Benfica, que não tem rosto e por isso a responsabilidade tem de ser do seu director, Luís Bernardo". Para o programa da próxima semana ficou a promessa de revelação de novos emails envolvendo Nuno Cabral.

domingo, 26 de novembro de 2017

Falha grosseira do árbitro Rui Costa

O árbitro Rui Costa não é isento e volta a asneirar de novo contra o FC Porto
Este juiz do apito só assinala lances favoráveis ao SLB

o-jogo
Constatação
Até podemos reclamar, mas é certo e sabido que certo tipo de adeptos benfiquistas vão inventar trinta por uma linha e tentar argumentar que não sr. não é penalti porque foi o Danilo que pontapeou o Amilton... O maior cego é aquele que não quer ver e por conseguinte tenta distorcer os acontecimentos (as situações) de acordo com as suas conveniências, ou seja, cegueira fanática...!
Para determinada cambada de lampeões só é penalti quando é o Jonas que se atira para a piscina...!

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Trapalhadas encarnadas

O caso dos emails na revista SábadoA revista SÁBADO teve acesso a 20GB de emails dos encarnados. Juíza que ordenou buscas este mês disse existirem “novos elementos probatórios” que “adensaram as suspeitas” de corrupção.
http://www.sabado.pt/portugal/politica/detalhe/a-rede-de-influencia-do-benfica?ref=HP_DestaqueaRasgar




sexta-feira, 27 de outubro de 2017

FC Porto campeão mundial de clubes

FC Porto vê reconhecidos títulos de campeão do Mundo
FIFA "oficializou" as Taças Intercontinentais conquistadas pelo clube azul e branco em 1987 e 2004.
O palmarés do FC Porto passa a contar com dois títulos de campeão mundial de clubes, na sequência da decisão da FIFA de reconhecer como campeãs as equipas que conquistaram a Taça Intercontinental, entre 1960 e 2004.
No comunicado final do conselho da FIFA, que decorre em Calcutá, na Índia, o organismo máximo reconhece como campeãs mundiais de clubes "todas as equipas europeias e sul-americanas que venceram a taça Intercontinental, disputada entre 1960 e 2004".
O FC Porto conquistou duas vezes o troféu, que opunha o vencedor Taça dos Clubes Campeões Europeus/Liga dos Campeões ao da Taça Libertadores da América.
Em 1987, os dragões venceram, em Tóquio, o Peñarol, por 2-1, após prolongamento, e em 2004 voltaram a conquistar a Taça Intercontinental, impondo-se aos colombianos do Once Caldas no desempate por grandes penalidades (8-7), após um empate sem golos no final de 120 minutos de jogo.
Em 43 edições da competição, que acabou por ser substituída pelo Mundial de clubes, as equipas sul-americanas conquistaram 22 títulos, enquanto as europeias alcançaram 21.

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Jorge Jesus eufórico confia na colaboração de Xistra

Jorge Jesus “De certeza que vamos vencer o FC Porto”
Jorge Jesus eufórico assegura que vai ganhar ao FC Porto porque confia na colaboração de Carlos Xistra para beneficiar o Sporting no capítulo disciplinar (dualidade de critérios), e o que é facto é que no que diz respeito aos confrontos entre Sporting e FC Porto, Xistra conta com três duelos na carreira. Os leões saíram vitoriosos de todos, com triunfos nas meias-finais da Taça da Liga em 2009 (4-1), na Supertaça de 2008 (2-0) e no campeonato de 2007/08 (2-0).

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Champions - Árbitro romeno decisivo em Alvalade

O juiz do apito romeno Ovidiu Hategan, foi relativamente decisivo no jogo entre leões e os blaugrana porque adoptou sempre uma dualidade de critérios disciplinares gritante para as duas equipas. Sempre muito rigoroso na protecção aos blaugrana, intimidando com cartões amarelos os jogadores do Sporting à mínima que eles fizessem. E por outro, em contra partida, foi muitas vezes permissivo para com os jogadores do Barça, marcando as faltas destes mas deixando ficar no bolso os respectivos cartões amarelos...!
Uma particularidade muito peculiar nos futebolistas do Barça é o facto deles serem mestres a cavar faltas. Fazem muito teatro quando se atiram para a piscina em cambalhotas espectaculares, armando-se em vítimas, e, apelando à protecção do juiz encarregado de dirigir o jogo...!


O árbitro Ovidiu Hategan é escolhido pela UEFA para dirigir o jogo entre o Barcelona e o Sporting marcado para esta terça-feira em casa dos 'leões'. O romeno vai estar em Alvalade para ajuizar todos os lances na segunda jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões.

domingo, 10 de setembro de 2017

Benfiquistas “picuinhas” ao ataque

Os actuais dirigentes benfiquistas além de picuinhas gostam de inventar, não são sérios/honestos.
Como não conseguem encontrar nos portistas jogadores faltosos, violentos, como Eliseu, Pizi, etc... Há que tentar inventar e para desviar a atenção do público publicam lances com Marcano e Soares como protagonistas...!!!
Do recente jogo FC Porto-Chaves, procuraram salientar, chamar a atenção, para as supostas cotoveladas de Marcano e Soares, esquecendo-se deliberadamente/propositadamente de denunciar, dar relevo, às faltas dos jogadores flavienses, que com a benevolência do árbitro passaram todo o tempo de jogo a agarrar os avançados portistas (puxando-os pelos braços, camisolas, calções, etc…) impedindo-os de progredir com a bola.

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Eliseu impune e Awer Bul Mabil castigado

FC Porto volta à carga e faz comparação com jogador do Paços FerreiraFC Porto não entende decisão do Conselho de Disciplina ao arquivar a queixa contra Eliseu.
O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol arquivou a queixa do Sporting contra Eliseu - em causa o lance com Diogo Viana no Benfica-Belenenses - , uma decisão que merece duras críticas por parte do FC Porto. Os dragões fazem mesmo uma comparação com o castigo de dois jogos aplicado a Mabil, do Paços de Ferreira, "A justiça desportiva portuguesa, se não existisse, teria de ser inventada. O senhor que costuma ocupar a ala esquerda defensiva do Benfica, que ao longo das primeiras quatro jornadas deste campeonato se tem notabilizado principalmente pela apetência para os desportos de combate, protagonizou na partida da 3.ª jornada frente ao Belenenses uma das mais bárbaras entradas de que há memória no futebol português. Uma jogada que foi dura ao ponto de a sua condenação ter concitado uma unanimidade que só mesmo a clivagem profunda que existe entre a personalidade de Pedro Guerra e a honestidade intelectual foi capaz de furar. Ontem, a Secção Profissional do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol optou por arquivar o processo sumário movido a Eliseu - cada vez mais conhecido popularmente como "Caceteu" -, fundamentando a sua decisão na inexistência de 'indícios claros da prática de infração disciplinar'. Um dos elementos que contribuíram para esta avaliação foram as declarações que o videoárbitro daquele jogo, Vasco Santos, prestou por escrito sobre o lance: 'Após ter visto o referido lance, através de diversas imagens que me foram disponibilizadas, entendi no momento não ter existido qualquer agressão ou prática de jogo violento por parte do jogador do Benfica naquela sua ação. Por esse motivo não comuniquei com o árbitro para lhe sugerir que visse as imagens do mesmo'. Registamos: Vasco Santos viu e reviu tudo. A eloquência das suas palavras dispensa-nos de qualquer outro comentário", apontou o FC Porto na newsletter "Dragões Diário".
"Awer Bul Mabil é um jogador do Paços de Ferreira que ontem foi suspenso por dois jogos pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol porque "pisou o adversário com força excessiva, sem estar a disputar a bola". Como? Pisar adversários com força excessiva, sem estar a disputar a bola, dá direito a dois jogos de suspensão? Em Portugal? Deve tratar-se de um equívoco...", comparou.

"Coação são conversas e informações passadas ao Benfica"

O director de comunicação e informação do FC Porto, Francisco J. Marques reage ao comunicado do Benfica após o empate encarnado com o Rio Ave
"O Benfica pode falar à vontade, mas o FC Porto não fez coacção: comparou lances do jogo de Braga, do jogo com o Estoril e de Vila do Conde, todos arbitrados por Hugo Miguel", afirmou Francisco J. Marques, director de comunicação e de informação do FC Porto. Comentando o comunicado do Benfica, publicado no site do clube ao início da madrugada de domingo - depois do empate encarnado com o Rio Ave -, o director portista prosseguiu: "Quando falamos de coacção, convém termos a noção do que estamos a falar. Isso é o que o Benfica faz aos árbitros. Fazer coacção é obter informações sobre a vida íntima e privada dos árbitros. E o Benfica faz isso. Não revelámos quem para preservar a identidade e intimidade, mas foi entregue à PJ, que está a investigar. Não somos nós que estamos a ser investigados, é o Benfica, por monitorizar SMS do presidente da FPF. Porque se faz isso? Coacção são conversas e informações passadas pelo Nuno Cabral ao Benfica, a Paulo Gonçalves e Luís Filipe Vieira. É o que o Ferreira Nunes fez durante muito tempo sobre os árbitros ao serviço de quem se sabe. Exemplos de coacção há muitos e todos ligados ao Benfica. Acusar o FC Porto é ridículo", afirmou no programa Universo Porto, transmitido no Porto Canal.
"Nós só queremos que aos 18 competidores sejam dadas as mesmas condições. Convém não esquecer que foi o presidente do Benfica que quis dar cabo da nota a um árbitro e que essa foi a maior descida de sempre de uma nota. Isso aconteceu depois de Luís Filipe Vieira ter dito que 'temos de lhe dar cabo da nota'", concluiu Francisco J. Marques.
"Se Vasco Santos não vê o lance de Eliseu é incompetente e não pode arbitrar"
O director de comunicação e informação do FC Porto, apontou o dedo ao videoárbitro do Benfica-Belenenses, em que ocorreu o lance entre Eliseu e Diogo Viana.
O director de informação e comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, classificou Vasco Santos de "incompetente", esta terça-feira, depois de o Conselho de Disciplina (CD) ter arquivado a queixa do Sporting contra Eliseu, referente ao lance com Diogo Viana, no Benfica-Belenenses da terceira jornada da I Liga.
"Se o árbitro Vasco Santos, coordenado em tempos por Adão Mendes, não consegue avaliar o lance de Eliseu, é demasiada incompetência. É um lance tão evidente, tão visível, que nenhuma equipa se pode sentir tranquila. Acho que é incompetência absoluta evidente. Não pode arbitrar jogos. Se ele não vê aquilo, como é que vê algum tipo de lance? O árbitro de campo não viu, pronto, lamenta. Todos nós compreendemos isso. O videoárbitro, se não vê é por manifesta incompetência. Se não viu este lance, não presta", afirmou o dirigente dos azuis e brancos, colocando em xeque a credibilidade do futebol português: "O que há de pensar um adepto inglês que esteja em Portugal e vê na televisão a entrada do Eliseu e, depois, sabe que o jogador foi ilibado? Apetece atirar-se ao chão a rir. No futebol português não se tiram consequências. Parece-me que é bem pior o que o Eliseu fez do que outras coisas que são alvo do CD. É gravíssimo que não tenha sido castigado. Na justiça desportiva em Portugal, dois mais dois não são quatro. Qualquer jogador das 18 equipas do campeonato devia ter tratamento igual. Infelizmente, há uma equipa que não tem um tratamento desigual", acrescentou Francisco J. Marques, vaticinando o fim dos casos de flagrante delito.
"Acabaram os casos de flagrante delito. Se este caso evidente não pode ser julgado, se o CD se acha capaz de se sobrepor ao próprio Conselho de Arbitragem [CA], que se presume que entenda... O CA assumiu que tinha sido uma má decisão e que o Eliseu devia ter sido expulso. Para que é que servem os casos de flagrante delito?", questionou, prosseguindo, com ironia: "Quem primeiro veio com esta argumentação foi o treinador Rui Vitória, um emérito jurista e advogado. Isto é um incentivo à violência. Não só no caso do Eliseu. Uma profusão de casos ligados ao Benfica, que se sentem à vontade para jogar acima das regras, utilizando uma conduta inapropriada", rematou o director de comunicação e informação do FC Porto.
Francisco J. Marques insiste na ideia de que o Conselho de Disciplina foi benevolente para com o defesa do Benfica. "O Conselho de Disciplina, que é sempre tão avesso a abrir procedimentos disciplinares, abriu um ao árbitro Jorge Sousa e castigou-o rapidamente. Esse caso foi posterior ao do Eliseu. Eles agiram primeiro em relação ao de domingo. O caso do Jorge Sousa foi por palavras e do Eliseu por violência. O que é isto? Que brincadeira é esta? Isto não é fazer justiça. Costuma dizer-se que a justiça é cega, surda e muda e neste caso foi mesmo. É incompreensível que um ato daqueles seja criticado e condenado pelo CA e ilibado pelo CD", concluiu.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Anedotas benfiquistas

Ó lampeões ressabiados…! Confundir as entradas a varrer, para lesionar, intimidar, os contrários, do Eliseu do Benfica, com o estilo de jogo de Brahimi…?! Brahimi, um avançado que é constantemente castigado por profissionais da estirpe dos Eliseu deste país…?!
Apresentar queixa ao Conselho de Disciplina, contra Brahimi um avançado que é constantemente atropelado pelos defensores adversários…?!
Parece um anedota de mau gosto encarnada, só pode, mas não é. Pelos vistos para os lados do clube da águia (Luz), há dois tipos de regras disciplinares: as convenientes (permissivas) para os jogadores do Benfica e regras rigorosas que devem ser aplicadas aos profissionais dos outros clubes…!!!

terça-feira, 18 de julho de 2017

Justiça histórica

Esta história começou bem antes da sua data oficial, quando, em Outubro de 2006, Ricardo Costa foi designado presidente da Comissão Disciplinar da Liga. Desdobrando-se em entrevistas, Costa procurava reforçar a sua distância em relação ao mundo do futebol - era nadador, pianista, docente “prestigiado” e ex-aluno “brilhante” de direito em Coimbra (era assim que se anunciava). O seu discurso, em conferências de imprensa longas e auto-elogiosas, quase confrangedoras, denunciava o perfil de justiceiro alienado que mais tarde viria a confirmar-se. O seu surgimento no mundo do futebol ocorre num momento muito particular e, certamente, nada inocente: a reabertura programada do processo Apito Dourado, após um primeiro arquivamento que ilibava todos os responsáveis do FC Porto.
Sim, dissemos “reabertura programada.” São muitíssimos os elementos que ao longo da última década nos permitem dizer que o processo Apito Dourado foi reaberto intencionalmente por força de pessoas ligadas ao Benfica e que a sua reabertura tinha um objectivo muito claro: condenar o FC Porto e manchar o seu período de sucessivas glórias nacionais e internacionais. Promoveram o lançamento do livro assinado por Carolina Salgado e redigido por Leonor Pinhão. Aconselharam falsos testemunhos e histórias inventadas. Estiveram na origem dos leaks cirúrgicos das escutas telefónicas do processo criminal (em mais de 15.000 que envolviam dirigentes de quase todos os clubes, apenas poucas dezenas de excertos vieram a público). Apoiaram a nomeação de pessoas-chave para lugares-chave. Encaminharam o processo para uma “equipa especial”, no DIAP de Lisboa, que conduziu uma investigação sobre alegados ilícitos que ocorreram fora da sua jurisdição territorial.
A nomeação de Ricardo Costa parecia vir com uma missão apensa: fazer correr no âmbito desportivo aquilo que se pretendeu, sem sucesso, fazer correr através do processo criminal. E foi isso mesmo que se passou. Chamaram-lhe Apito Final e, a 9 de Maio de 2008, a decisão já estava a ser anunciada pela Comissão Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional: o FC Porto é punido com a perda de 6 pontos e 150 mil euros. Pinto da Costa é condenado ao pagamento de 10 mil euros e suspenso por 20 meses. Os factos alegados? Segundo Ricardo Costa, a equipa que, em 2004, venceu a Liga dos Campeões teria beneficiado da ajuda de um árbitro para empatar com o Beira-Mar, último classificado da Liga, num momento em que liderava o campeonato e se preparava para o vencer de forma contundente. Faz sentido?
A data do anúncio não tinha nada de inocente. Com o campeonato 2007/2008 a aproximar-se do fim, qualquer recurso do nosso clube iria atirar para a competição seguinte todas as punições. E, obviamente, era muito diferente perder 6 pontos num campeonato ganho por 20 de diferença do que começar uma época com 6 pontos a menos. Além disso, nada garantia que estivessem reunidas condições para que o recurso fosse analisado com independência e seriedade. Seguiu-se a decisão mais difícil e, provavelmente, das mais arriscadas da história do nosso clube: não recorrer da condenação ao FC Porto SAD e recorrer apenas da decisão sobre o Presidente. Logo na altura, foi defendido que o recurso interposto pelo Presidente Pinto da Costa obrigava, por si só, à análise de todo o processo e permitiria, caso fosse admitido, anular a decisão sobre o clube.
Entretanto, no processo criminal, todas as acusações iam sendo progressivamente destruídas. Não com a anulação de escutas - que, ao contrário do que o terrorismo comunicacional do nacional-benfiquismo procura espalhar, foram sempre validadas -, não com a anulação de provas, não através de artimanhas processuais, mas sim com base num processo normal e através de todas as provas recolhidas. Sim, foram as escutas telefónicas e os factos que serviram para ilibar os dirigentes do FC Porto.
O recurso de Pinto da Costa (tal como o de outros condenados do “Apito Final”) chegou ao Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol e, a 4 Julho de 2008, numa reunião clandestinamente reaberta por um vogal, depois de encerrada pelo seu presidente e vice-presidente, foi rejeitado. Esse vogal era Álvaro Baptista, actual vice-presidente do Conselho de Disciplina, e deputado do PSD. Foi um dos autores da proposta recentemente discutida, que tinha como objectivo o esvaziamento de poderes da Liga, de acordo com os interesses do Benfica.
O anúncio era feito de madrugada, às 3 da manhã, na ausência do presidente e vice-presidente do Conselho de Justiça, por um bando de falsos “juízes” que acabavam de usurpar funções, de tomar de assalto o edifício jurídico da Federação, e de adoptar padrões comportamentais próprios da justiça do Zimbabwe.
Obviamente, a reunião foi decretada ilegal e todas as suas decisões foram anuladas pela justiça civil. A 6 de Maio de 2011, o Tribunal Administrativo de Lisboa decidia e, a 15 de Dezembro de 2016, o Tribunal Central Administrativo do Sul confirmava. O Conselho de Justiça tinha de reabrir o processo e reapreciar os recursos.
Foi isso mesmo que aconteceu. Ao longo dos últimos meses, o Conselho de Justiça reabriu todo o processo Apito Final e encontrou nele inconsistências e ilegalidades de tal forma graves que só havia uma solução: conceder provimento aos recursos e absolver os envolvidos de todas as penas e sanções. Como consequência da absolvição de Pinto da Costa, tal como previsto logo em 2008, o FC Porto foi também absolvido.
Fez-se justiça? Ainda não. Exigimos saber o que esteve por trás deste processo kafkiano. Exigimos justiça completa e total. Ao longo de muitos anos, foram permanentes as tentativas de humilhação do Futebol Clube do Porto e dos seus dirigentes e adeptos. Este é um dia histórico para todos os portistas. É o dia do fim, definitivo e concludente, do Apito Dourado e de todos os seus resíduos. É o dia em que os dobramos pela força da nossa razão.
O resto já todos sabemos…
“Quando alguém se atrever a sufocar
O grito audaz da tua ardente voz
Oh, Oh, Porto, então verás vibrar
A multidão num grito só de todos nós.”
in Baluarte do dragão

segunda-feira, 17 de julho de 2017

O "POLVO" benfiquista

O Benfica corrupto de Luís Filipe Vieira não se conforma com a justa decisão do actual Conselho de Justiça. E porquê?
a) Porque pretende fazer esquecer a existência do “POLVO” benfiquista denunciado no Porto Canal (cartilha, emails, missas, padres e 1º ministro), continuar a lançar “lama” ao FC Porto a fim de retirar mérito e colocar em cheque todos os títulos conquistados até à data.
b) Porque razão o processo Apito Dourado não passou de Leiria para baixo?
É simples, porque se iria descobrir que Luís Filipe Vieira escolhia os árbitros convenientes para dirigir os jogos do Benfica (apanhado ao telefone: o João, pode ser o João Ferreira)
c) No âmbito do Apito Dourado o presidente do CD da FPF na altura, o fanático benfiquista Ricardo Costa, mais conhecido por “o pavão vermelho”; deturpou, determinou e condenou o FC Porto a seu bel prazer; de modo a satisfazer as teses que agradavam ao Benfica.
d) O FC Porto apesar de ter sido ilibado depois de analisados pelos peritos especializados em arbitragem os dois jogos do Apito Dourado em causa (Beira-Mar e Estrela da Amadora) foi, não obstante, condenado pelo “pavão vermelho”, o tal benfiquista fanático Ricardo Costa que pretendia a todo custo lançar “lama” para cima dos portistas retirando-lhes o mérito dos títulos conquistados até então. De notar que na altura os Dragões ganhavam em Portugal e na UEFA!
e) Mas mais, os benfiquistas baseiam-se em pseudo telefonemas de Pinto da Costa e nos depoimentos de Carolina Salgado; uma personagem sem credibilidade paga e instrumentalizada por Leonor Pinhão outra benfiquista fanática que recorria a métodos execráveis para conseguir atingir os seus (dela) fins; tudo isto a fim de denegrir Pinto da Costa e o FC Porto.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Vieira é corrupto- Mais provas


Luís Filipe Vieira: Vamos ganhar o pentacampeonato…!
Pois, controlando as estruturas do futebol português é muito mais fácil…!
O presidente do 5LB é corrupto porque controla as estruturas do futebol português: Conselho de arbitragem, Conselho de Disciplina, FPF… etc…etc.
E a prova do que afirmo está no facto do futebol dos benfiquistas, SLB, só conseguir conquistar títulos em Portugal. Com juízes do apito estrangeiros a dirigir os jogos, o futebol encarnado (Benfica) não se consegue impor…!

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Luís Filipe Vieira é corrupto

É corrupto porque controla as estruturas do futebol português: Conselho de arbitragem, Conselho de Disciplina, FPF... etc...etc.
E a prova do que afirmo está no facto do futebol dos benfiquistas, SLB, só conseguir conquistar títulos em Portugal. Com juízes do apito estrangeiros a dirigir os jogos, o futebol encarnado (Benfica) não se consegue impor...!

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Benvindo Aboubakar

O regresso de Aboubakar
É na minha opinião uma grande notícia, caso se confirme a renovação do contrato do Aboubakar pelo FC Porto.
Aboubakar é mesmo craque: dada a sua morfologia física, grande capacidade de choque, boa técnica e um poderoso pontapé, potente e de grande precisão...!

domingo, 25 de junho de 2017

"Modus operandi" benfiquista

Agora temos também o Expresso

Já sabíamos, pelo Porto Canal e por Adão Mendes, que quem prejudica o Benfica é castigado. Agora sabemos, pelo Expresso e por Paulo Gonçalves e Luís Filipe Vieira, que quem beneficia o Benfica é premiado. E o recebimento de um benefício em troca de uma vantagem material é… corrupção.
Vamos primeiro aos factos. O que nos revela hoje o Expresso
1. Em 2014, um funcionário da Federação Portuguesa de Futebol pediu 10 convites para cinco elementos do Conselho de Disciplina assistirem ao Benfica-Juventus, para a Liga Europa. Paulo Gonçalves recomendou que os convites fossem concedidos, tendo em conta uma decisão recente do CD relativa a Jorge Jesus: na sequência de uma expulsão, optaram por lhe aplicar apenas uma multa, em detrimento de uma pena de suspensão.
2. Poucas semanas depois, Paulo Gonçalves sugere a Luís Filipe Vieira que sejam convidadas para a final da Liga Europa, em Turim, quatro pessoas que tinham “de alguma maneira ajudado o Benfica a atingir este objectivo”: Andreia Couto, directora executiva da Liga; Nuno Cabral, delegado da Liga e candidato a menino querido do Benfica; Rodolfo Vaz, um sócio que “sempre tratou do Oblak”; e Emídio Fidalgo “responsável pela nomeação dos delegados da Liga e decisivo nos pareceres que emitiu”.
3. Em abril de 2015, Paulo Gonçalves informa Vieira que precisa de convites para um Benfica-Nacional, dois deles para Ferreira Nunes, o vice-presidente do Conselho de Arbitragem da FPF responsável pela classificação dos árbitros. Vieira responde que os convites de Ferreira Nunes devem ser para o camarote presidencial.
Confrontados pelo Expresso, o que têm a dizer os envolvidos neste caso?
1. Paulo Gonçalves: o Benfica endereçou vários convites institucionais para a final de Turim. “As pessoas referidas em nada contribuíram para ajudar o Benfica”. Pois não… Por isso é que no email diz que todos tinham “de alguma maneira ajudado a alcançar este objectivo ou ajudado o SLB no passado”.
2. Luís Filipe Vieira: a oferta de convites para jogos do Benfica a membros das instituições do futebol português é uma prática normal, inclusivamente para o camarote presidencial. De resto, vários colunistas do Expresso podem atestá-lo (presumimos que se refira ao cartilheiro Pedro Adão e Silva).
3. Fonte da FPF: os membros dos órgãos sociais da FPF têm direito a assistir a todos os jogos organizados por clubes portugueses.
4. Emídio Fidalgo, à data responsável pela nomeação dos delegados da Liga: “Não confirmo nem desminto se recebi bilhetes.” Será que não queria antes dizer que não tem memória disso, como o outro?
5. Nuno Cabral: “Apague o meu número. Não tenho mais nada a dizer.” O “AGORA APAGUE TUDO” de Adão Mendes, afinal, é um padrão na actuação das figuras que controlam árbitros e delegados e para o Benfica.
6. Ferreira Nunes: “Não faço quaisquer comentários”.
7. Andreia Couto, à data directora executiva da Liga: foi à final da Liga Europa, mas não a convite do Benfica.
Quais os potenciais significados destas novidades avançadas pelo Expresso?
1. A oferta de convites para jogos do Benfica, por si só, não nos parece algo relevante.
2. Quando essa oferta surge na sequência de favores prestados ao Benfica, o caso já muda de figura.
3. Quando essa oferta pode ser acompanhada de viagens e alojamento, que no seu conjunto atingem um valor material significativo, como é verosímil que tenha acontecido em relação aos convidados para a final de Turim, já estamos a falar de coisas diferentes.
Tendo em conta estes pressupostos, parece legítimo considerar-se que as ofertas de bilhetes para o Benfica-Juventus e o Benfica-Nacional a membros do CD e do CA da FPF é, acima de tudo, uma manifestação do clima de proximidade existente entre estes organismos e o Benfica. A oferta material, em si, não é relevante. No entanto, espelha uma relação entre a turma de Carnide e os responsáveis pela arbitragem e a disciplina que está na origem dos benefícios que sustentaram o tetracampeonato. A referência ao favor prestado pelos membros do CD que apenas multaram Jorge Jesus quando lhe poderiam ter aplicado um castigo mais pesado é por demais elucidativa.
A questão dos convidados para a final da Liga Europa é muito diferente e muito mais grave. Por um lado, porque estamos a falar de uma vantagem material potencialmente muito mais relevante. Uma viagem a Turim para assistir a uma final europeia com tudo incluído não é comparável com um bilhete para um Benfica-Nacional. Por outro lado, porque Paulo Gonçalves assume explicitamente que os convidados que sugere beneficiaram o Benfica no passado. E a verdade é que pelo menos três das sugestões do assessor jurídico da SAD de Carnide, pelas funções que ocupavam, pura e simplesmente não poderiam, em momento ou circunstância alguns, beneficiar o Benfica. Falamos de um delegado da Liga, de um responsável pelos delegados da Liga e de uma directora executiva da Liga. Estamos, portanto, perante um caso em que uma das mais relevantes figuras da estrutura do Benfica assume que o clube foi beneficiado por certas figuras e propõe, na sequência disso, que o clube lhes atribua uma vantagem material. O que é que isto pode significar? A resposta é dada pelo jurista Paulo Sá e Cunha no Expresso: “à partida, pode haver indícios de um crime de corrupção no desporto (… ) porque pode ter havido a atribuição de uma vantagem a troco de uma contrapartida. O essencial é perceber que vantagem foi essa”.
Três terças-feiras e dois sábados depois, fica cada vez mais evidente que o futebol português é uma mentira e que essa mentira só tem um nome: Benfica
in Baluarte do dragão

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Querem reabrir o Apito Dourado? Eu também

Querem reabrir o Apito Dourado? Eu também.
Começamos então por isto Luís Filipe Vieira.
Quando decidirem reabrir o processo, tenham encarecidamente o favor de explicar - à Justiça e ao público em geral, não só aos cordeiros de sempre - o seguinte:

- Que fazem na candidatura de honra de Luís Filipe Vieira 12 agentes e inspectores da Polícia Judiciária, alguns dos quais envolvidos directamente no processo de investigação do Apito Dourado?

- Porque não se constituiu como arguido o seu amigo António Salvador, que numa das escutas aparece a exigir que não quer três árbitros dos nomes propostos por Pinto de Sousa - Pinto da Costa não quer um deles na mesma sequência de escutas - e que desde então parece ter florescido como dirigente, sendo que uma das suas empresas de construção, Britalar, foi também responsável pela obra desse maravilhoso centro de formação do Seixal?

- Porque não se constitui arguido José Veiga, amigo da alma de Luís Filipe Vieira e seu braço direito desportivo então, que também surge em escutas a pedir árbitros para determinados jogos e, árbitros que favorecessem o Benfica, com quem aliás o presidente do Benfica jantou em diversas ocasiões e cenários, do sul ao norte do país, com o Presidente e vogais do Conselho de Arbitragem em Lisboa antes da nomeação de vários árbitros para jogos decisivos, tanto próprios como dos dois rivais na luta pelo título de 2004/05?

- O celebre "Estorilgate" e os comentários de técnicos do clube da Linha sobre como o processo foi conduzido, incluindo uma promessa falhada de contratação de um jogador que se revelou fundamental nessa derrota do seu clube.

- Quem pagou um adiantamento a Carolina Salgado, e ao progenitor da mesma, depositado num banco espanhol da fronteira para não levantar suspeitas, antes do lançamentos das acusações que acabaram em livro, filme e novela?

- Será que as escutas completas nos vão permitir comprovar quem, como presidente do Alverca, andou duas temporadas envolvidas em compra de jogos envolvendo o Beira-Mar, Salgueiros, Vitória de Setúbal, Marítimo e Campomaiorense, através do aliciamento de jogadores, técnicos, árbitros ou dirigentes dos distintos clubes em modo de pagamento de promessas de favores, um esquema aparentemente agora repetido a maior escala. Seria curioso não seria?

Se quiserem começar por estes míseros pontos de investigação, bastante mais profundos e complexos do que os supostos favores, nunca confirmados, para que uma equipa que em dois anos venceu dois troféus continentais - o tipo de títulos que Luís Filipe Vieira anda há quinze anos a prometer sem êxito aos seus - disputasse dois jogos irrelevantes na sua corrida a dois títulos conquistados com enorme facilidade face à sua imensa superioridade sobre os rivais, sou totalmente a favor da reabertura do processo Apito Dourado.
Pode ser que com as escutas completas, sem serem editadas em programas de software e divulgadas a membros da imprensa amiga que por sua vez ajudaram a dar eco através de redes sociais, tudo isso venha à tona e se saiba um pouco mais do que se passou nesses anos "infames", onde o Porto era "Palermo", sobre o dia a dia da vida do Benfica e dos seus dirigentes. A não ser que, como os emails, se lembrem de dizer agora que essas escutas também eram "ilegais" e portanto já não valem como prova. Não surpreenderia ninguém pois não?

Em caso de dúvidas, se não souberem que fazer, pensem sempre que Luis Filipe Vieira é um homem decidido e determinado e que em momentos de aperto tem sempre resposta na ponta da língua, do estilo... "o João, sim...pode vir o João"!

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Reabertura do Apito Dourado?

A realizar-se, pode ser que desta vez passe de Leiria para baixo e se descubra Luís Filipe Vieira ao telefone com Pinto de Sousa, ex-presidente do Conselho de Arbitragem da FPF, a escolher/exigir um árbitro: "o João, pode ser o João Ferreira"...
Quem não o conhecer que o compre...!!!

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Apito encarnado: Sujidade no futebol

Agora é a sério by Jorge Maia
Os emails revelados ontem pelo FC Porto dão conta de uma rede de influências que, a existir, coloca em causa todo o edifício do futebol português
Além de envolverem nomes com ligações irrefutáveis ao Benfica e à respectiva estrutura, os emails revelados ontem pelo FC Porto aprofundam e concretizam as suspeitas levantadas na semana anterior. A confirmar-se a veracidade dos mesmos, está em causa, não apenas a influência de um clube sobre o sector da arbitragem considerada de forma genérica, mas também através de intervenções concretas e definidas. Desde logo no sistema de avaliação dos árbitros, que foi definindo o quadro de juízes actualmente sob a alçada do Conselho de Arbitragem, promovendo uns e despromovendo outros, melhorando algumas notas e, inevitavelmente, prejudicando outras. A ideia de que uma avaliação pode ser modificada através da mobilização das influências certas descredibiliza todo o sistema que vigorou nas últimas épocas e acentua as suspeitas levantadas por casos como os de Marco Ferreira. Tanto como a revelação de que haveria delegados que solicitavam a intervenção de dirigentes encarnados junto do presidente da Liga, no sentido de garantirem a respectiva nomeação para jogos da I Divisão. Ora, todos sabemos que não há almoços grátis, que uma mão lava a outra e que cada um colhe o que semeou. Até por isso, mas sobretudo porque as revelações feitas ontem pelo FC Porto levantam suspeitas que colocam todo o edifício do futebol português em causa, convém que as autoridades judiciais, mas sobretudo a Federação Portuguesa de Futebol intervenha rápida e decisivamente no sentido de esclarecer exactamente o que aconteceu nos últimos anos.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Futebol - Benfica controla árbitros

As missas negras de Adão Mendes by José Manuel Ribeiro
O apuramento da raça e a confiança ilimitada do Benfica na arbitragem
O FC Porto divulgou, ontem, um pingue-pongue de e-mails entre o ex-árbitro Adão Mendes e o director da Benfica TV, e comentador, Pedro Guerra. Esses e-mails falam, sobretudo, de uma confiança sem limites na arbitragem, especialmente bem traduzida por uma frase que vem ao encontro de um diagnóstico feito, desde há alguns anos, por muita gente ligada aos apitos e que (não duvido) esteve na origem do afastamento do anterior presidente do Conselho de Arbitragem: "Vamos ter os padres que escolhemos e ordenámos nas missas que celebramos." (Aqui devemos marcar um limite: nas conversas reveladas pelo FC Porto, são mencionados oito árbitros, mas isso não faz deles culpados.) A tese de que houve uma espécie de apuramento cuidadoso da raça nos últimos anos, levando à constituição de um lote de árbitros de acordo com gostos muito específicos, não é estranha a ninguém, nem à FPF, nem ao actual Conselho de Arbitragem, que enfrenta esse problema a cada nomeação. Eu próprio escrevi sobre o tema várias vezes, até para explicar a prisão de movimentos do CA de Fontelas Gomes, e nunca recebi reclamações. O diálogo de Adão Mendes com Pedro Guerra, datado de 2013/14, vem apenas tornar mais desconfortável a posição de quem não quer explicar como acabou o futebol profissional nesta camisa de forças, manietado ao ponto de ser irrelevante quem preside ao CA. A conversa está ali, existe (como existem as escutas do Apito Dourado, sim, e essas foram julgadas), provavelmente passará em claro na Imprensa de Lisboa, porque é assim a vida, mas era bom, num mundo perfeito, que esclarecêssemos bem esclarecida essa confiança tão grande de Adão Mendes na arbitragem e também, se não for já muito incómodo, quem castiga, afinal, os incautos que ainda se atrevem a prejudicar o Benfica.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Campeonato da Farsa ou Liga Salazar

O programa do Porto Canal Universo Porto da Bancada divulga as imagens de erros grosseiros da arbitragem que espoliaram o FC Porto de 8 pontos, e, não só, também revela as imagens em que a equipa de futebol do Benfica foi beneficiada com os critérios disciplinares inconcebíveis dos árbitros convenientes para o clube da águia...!
Divulgação de imagens de jogos do Campeonato da Farsa_Ver aqui

quarta-feira, 10 de maio de 2017

"FC Porto barbaramente prejudicado e arbitragem a tomar partido pelo Benfica"

Francisco J. Marques, diretor de comunicação e informação do FC Porto, teceu duras críticas à arbitragem, considerando que o Benfica "é sistematicamente beneficiado".
Rio Ave-Benfica: "O jogo de Vila do Conde acaba por sintetizar o que tem sido o campeonato. A arbitragem toma partido e tem uma influência decisiva nos jogos. Há um penálti claro que podia dar o 1-0 ao Rio Ave. Aí, íamos ter o Benfica a jogar contra o relógio na segunda parte".
Regime de excepção: "Depois há o lance com o Cervi, um lance para amarelo, que seria o terceiro amarelo. É o regime de excepção de que gozam os jogadores do Benfica. Mas na semana anterior também tinha sido beneficiados
FC Porto prejudicado: "Na jornada anterior, tinha sido o FC Porto barbaramente prejudicado contra o Feirense. É difícil haver uma jornada limpa. Estas arbitragens têm de ter consequências no final da época".
Amarelos de Pizzi, jogador do Benfica: "Qualquer que seja a perspectiva encontra-se sempre um pormenor em que o Benfica não é o prejudicado. O Cervi dá uma cacetada no último jogo e não vê nada. Só o Nélson Semedo cumpriu castigo por ver cinco amarelos. O Pizzi viu quatro amarelos nas primeiras 10 jornadas e depois deixou de ver. Isto merece reflexão, trata-se de constatar que há uma realidade e, seja por isto ou por aquilo, tudo beneficia o Benfica. Isso adultera o campeonato. As outras equipas jogam contra o adversário e contra este Adamastor que tem de terminar".
Cartilha: "Tudo está bem expresso na cartilha de 21 de Agosto. Há uma frase demasiado importante, que escreveu Carlos Janela após o empate com o V. Setúbal em casa: "Não podemos reagir ao empate contra o V. Setúbal dando a impressão de que do Benfica está a perder poder". Isto é o assumir de que o Benfica tem o poder de controlo sobre o futebol e isto é especialmente grave e merece a atenção da Federação, do Conselho de Disciplina... das entidades que têm obrigação de supervisionar".
Vídeo-árbitro: "Vai ser possível o escrutínio público, porque grande parte das pessoas ".
quererá uma competição com mérito. Só lamento que o vídeo-árbitro chegue com um ano de atraso. O FC Porto seria líder destacadíssimo

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Árbitros decidem por preconceito

Coincidência ou não, o que é facto é que depois que o José Eduardo (José dos tachos como é conhecido em determinado meio/ambiente) reivindicou a atenção dos juízes do apito para as ( pseudo na minha opinião) faltas atacantes do Soares, os árbitros passaram a marcar ao citado avançado dos Dragões faltas atacantes a torto e a direito...!
E por conseguinte deixo aqui uma questão:
Nas disputas de bola em que o Soares pretende recepcionar a bola e o adversário impedi-lo de o fazer; uma situação em que na maioria dos casos os futebolistas se agarram mutuamente; como é que se pode decidir se é falta atacante ou falta defensiva…?
É que cheira-me que actualmente os árbitros estão a decidir influenciados por preconceitos criados por comentadores tendenciosos… Não será assim…?
Tal como as coisas estão, claro está que o Soares nunca poderá beneficiar de impunidade equivalente à do Mitroglou…

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Denúncia - O CD da FPF e as "cunhas"

Etiqueta
Excelentíssimos conselheiros do douto Conselho de Disciplina da digníssima Federação Portuguesa de Futebol mais uma vez este singelo diário foi castigado em mais de mil euros por vossas excelências, desagradadas com o nosso vocabulário, certamente um pouco duro para tão erudita gente, como se percebe pelo acórdão que assinam e que com a devida vénia a seguir se transcreve: “Ainda que não consideremos tais expressões como verdadeiramente ofensivas da honra e consideração dos visados por injuriosas ou difamatórias, torna-se muito difícil afastar o cunho, no mínimo, desrespeitoso, desadequado e incorreto das mesmas, assim se invadindo os domínios do ilícito disciplinar”. Para vossas excelências o problema está no cunho, o que afinal nos aproxima imenso, pois apenas nos separa uma letrinha, uma simples vogal. Sim, desde o início deste campeonato que nos queixamos, alertamos e denunciamos que o problema é a cunha, irmã desse, para os eméritos conselheiros, odioso cunho, mas muito mais perniciosa e danosa ao futebol e à verdade. E como certamente sabem, se acompanham o fenómeno futebolístico com um mínimo de atenção, não é o FC Porto que funciona na base da cunha, antes sendo dela vítima, como tem ficado evidente semana após semana. Rogamos, por isso, aos excelentíssimos conselheiros que se juntem nesta luta contra a cunha, ser multifacetado e de muitas caras, também conhecido como polvo. O cunho pode ficar para depois, até porque isso tem muito mais a ver com a opinião de cada um. Ou será que na Liga Salazar já nem isso é permitido?
Denúncia
Os amigos são para as ocasiões

Por falar em cunha, aqui estão dois belos exemplos. Depois de amanhã o Benfica defronta o Rio Ave e nada como algumas notícias cirúrgicas, escritas por um qualquer amigo, com recados bem evidentes. Ora vejamos, ontem “A Bola” noticiava o interesse do Benfica em Gil Dias, que curiosamente joga no Rio Ave, e o interesse do Manchester City em Ederson, guarda-redes cujo passe é partilhado com o Rio Ave. Em “O Jogo”, era o Manchester United interessado em Ederson. E assim se condicionam adversários em Portugal, um filme repetido à exaustão, sempre com os mesmos protagonistas. Como ator principal o Benfica, como ator secundário o próximo adversário.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Futebol: Campeonato inquinado

Jorge Nuno Pinto da Costa não hesita em apontar o dedo aos "adamastores do futebol português". O presidente do FC Porto assina o editorial da revista Dragões deste mês e depois de fazer um breve balanço sobre os 35 anos à frente dos azuis e brancos, lamenta os "assaltos" que têm acontecido no Dragão.

"A nossa equipa de futebol continua a lutar contra os adversários em, muito mais difícil, contra os adamastores do futebol português", começou por dizer, antes de prosseguir mais adiante.

"Todos nós sabemos muito bem qual tem sido o tratamento que temos tido. (...) Quem julgava que não podia piorar enganou-se, como se viu nestes últimos jogos. Os assaltos no Dragão, frente ao Setúbal e ao Feirense, a péssima arbitragem de Braga, culminada com aquela expulsão falsa como Judas de Brahimi, mostram bem como em cada jogo o FC Porto tem de lutar contra muitos adversários", criticou o presidente dos dragões.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Especialista em arbitragem informa

Tiago Antunes, o quarto árbitro do jogo em Braga não é isento...!!!
Na edição desta quinta-feira, Jorge Coroado, ex-árbitro e actual comentador de arbitragem d' O JOGO, refere-se a tudo o que tem envolvido Tiago Antunes o quarto árbitro do jogo em Braga, desde a noite do Braga-FC Porto.
"Se for verdade, terá carreira curta""Não há regulamento que proíba o uso de redes sociais. Mas há aconselhamento nesse sentido. Mas qualquer árbitro deveria ter maturidade suficiente para não entrar em determinados campos. A APAF não tem autoridade a esse nível, mas o Conselho de Arbitragem deve chamar o árbitro, se se confirmar ter sido ele o autor, e fazer-lhe sentir a inconveniência. Com comportamentos destes, como diria outra pessoa, terá carreira curta. O CA tem condições para agir e pode até participar do árbitro ao Conselho de Disciplina, que o pode suspender."

Dragaoatento
Suspender?
Mas Caro Jorge Coroado acha mesmo que com o Benfica a controlar o CA há possibilidades disso acontecer...?

terça-feira, 18 de abril de 2017

Arbitragem vergonhosa de Hugo Miguel no Braga-FC Porto

Começamos pelo antigo árbitro internacional Duarte Gomes, que escreveu na edição de domingo do jornal A Bola e que começa por analisar um lance em que “Pedro Santos podia ter visto amarelo, quando agarrou André André, cortando aí a sua saída para o ataque”. Mais tarde, aos 24 minutos, “na sequência de um canto batido da direita, Gamboa agarra Felipe, impedindo o central do FC Porto de jogar a bola. Difícil de ver, mas penalty por marcar contra o SC Braga”. A análise continua e Pedro Santos volta a centrar atenções porque “agarrou Soares quando este procurava escapar para a área e, após a falta que já tinha cometido antes sobre André, arriscou novamente o amarelo”. O segundo tempo começa com uma falta de Cartabia que, segundo Duarte Gomes “efetuou tackle deslizante, com muita velocidade e intensidade, sobre Alex Telles. Lance que, em campo, poderia sugerir apenas o amarelo, mas que nos pareceu ter sido praticado com força excessiva. O bracarense acertou, com a sola/pitons, no tornozelo do lateral azul e branco, colocando a sua integridade física em risco: devia ter visto o vermelho”.
Passamos para O Jogo, citando as análises do “tribunal” composto pelos ex-árbitros Jorge Coroado, José Leirós e Fortunato Azevedo. Aqui começa-se por destacar o lance aos 23 minutos na área do Braga que envolveu Felipe e Gamboa. Jorge Coroado viu que “Felipe foi efetivamente abraçado por Gamboa, em falta punível com penálti e que passou sem a devida análise por parte do árbitro”, José Leirós também viu um “grande abraço que teve Felipe de Gamboa! Ainda que tentando libertar-se, o jogador do FC Porto foi impedido disputar a bola. Penálti por assinalar”, enquanto Fortunato Azevedo observou que “Felipe é claramente abraçado, penálti por assinalar a favor do FC Porto”. Opinião unanime, portanto. Mas vejamos o que é dito sobre o lance entre o argentino Cartabia e o nosso Alex Telles, aos 58 minutos. Começamos de novo por Jorge Coroado: “Cartabia, de longe, projetou-se com a sola da bota e atingiu o artelho de Alex Telles. A punição disciplinar correta seria o cartão vermelho”. José Leirós disse que “a sanção disciplinar foi leve [viu cartão amarelo]. Entrada perigosa, deliberada de sola, violenta, atingindo e derrubando o adversário. Cartabia deveria ter sido expulso”, enquanto Fortunato Azevedo é da opinião que “Cartabia deveria ter sido expulso, teve uma conduta grosseira, decisão errada do árbitro”. Nova unanimidade nas opiniões, observamos nós.
Do jornal O Jogo concluímos esta pequena reflexão com o jornalRecord, que na página oito da edição de ontem nos mostra a análise do também ex-internacional Marco Ferreira cujo título é “Arbitragem vergonhosa”. E fomos tentar perceber porquê. O árbitro madeirense começa por analisar o lance aos 23 minutos entre Felipe e Gamboa, bem no coração da área minhota, para dizer que há uma “infração por assinalar de Gamboa sobre Felipe. Na sequência de um canto, o bracarense agarra de forma ostensiva o adversário”. E, apenas dois minutos depois, volta à área do Braga porque entende que há nova “infração por assinalar de Ricardo Ferreira sobre Soares. O jogador do FC Porto antecipa-se à bola e o defesa pontapeia-o de forma imprudente dentro da sua área. Penalti por assinalar e cartão amarelo pela jogada prometedora”. Terminamos, de novo, com Cartabia, que, segundo Marco Ferreira, “entra em salto e atinge com a sola da bota a canela de Alex Telles, sendo responsável por falta grosseira. Cartão vermelho por exibir”, concluiu o madeirense e concluímos nós também, agora já com algumas explicações para o título do texto.

Arbitragem vergonhosa de Hugo Miguel_Ver aqui

domingo, 16 de abril de 2017

António Salvador um deplorável provocador

"Um comportamento irrepreensível" António Salvador...?!!!
Só espero que na próxima época quando o Braga for jogar ao Dragão, o Sr. Presidente do FC Porto convide uma personalidade importante do governo em vigor na altura para aplaudir com entusiasmo os eventuais golos dos portistas.
Oh, António Salvador:
"Quem com ferros mata com ferros morre"
Desde que se amigou com os lampiões António Salvador passou a ter uma conduta deplorável e provocadora em relação ao FC Porto...!!!

O Braga emitiu este domingo em comunicado, saindo em defesa do secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes. Recorde-se que no decorrer da partida de sábado entre os minhotos e o FC Porto (1-1), o presidente dos dragões, Pinto da Costa, deixou a bancada presidencial, descontente com os festejos do político aquando do golo do Braga, logo aos seis minutos, na recepção ao FC Porto.
Um dia depois os bracarenses defendem que estão no "direito de convidar, para a tribuna presidencial, as entidades e personalidades que a sua Direcção por bem entenda, impondo às mesmas uma conduta assente no respeito e na sobriedade", acrescentando que José Mendes teve "um comportamento irrepreensível".

Jorge Simão é Camões

Jorge Simão, és intelectualmente desonesto, caso contrário terias admitido que os teus jogadores exorbitaram na agressividade (nítidas agressões a adversários) com a benevolência do árbitro Hugo Miguel...!!!

Pois, Jorge Simão, se o juíz do apito que apitou no Dragão aquando da recepção ao Braga tivesse utilizado a dualidade de critérios em benefício do FC Porto que o Hugo Miguel teve em benefício do Braga, na altura o que tu não terias dito; não te terias insurgido...!

"Se o Braga tivesse desaparecido não tinha empatado 1-1... Tem a ver com as dificuldades que o adversário nos cria. A oposição era grande. Temos de admitir que a equipa adversária tem outra tarimba a nível competitivo. Tivemos mais dificuldades na segunda parte", afirmou o técnico arsenalista, destacando e elogiando a prestação de alguns jogadores:

Isso mesmo, Jorge Simão, elogiar aplaudir a acção dos caceteiros!!!
Passo a citar os caceteiros que ficaram impunes disciplinarmente pelo critério vergonhoso do Hugo Miguel: Matheus, Ricardo Ferreira, Gamboa, Battaglia, Pedro Santos, Rui Fonte...etc...!!!

"Há que destacar o número de jogadores que fizeram uma exibição fantástica: o Matheus, o Ricardo Ferreira, o Gamboa, o Battaglia também... É isso que me apraz registar, acho importante", rematou Simão.

Armadilhas que favorecem o clube da águia (SLB)

O campeonato português está cheio de armadilhas. Ontem, Brahimi foi expulso quando já estava no banco, após ser substituído. E porquê? "Porque disse qualquer coisa em francês que não percebi", disse no final o responsável pelo vermelho ao nosso jogador. E quem é essa pessoa? O quarto árbitro Tiago Antunes, que mesmo sem perceber o que disse Brahimi entendeu expulsá-lo. Pode parecer estranho, mas quem conhece a proximidade entre o árbitro de Coimbra e o célebre Ferreira Nunes entende tudo melhor. E de repente o lugar de quarto árbitro assume protagonismo, isto depois de na semana passada, em Moreira de Cónegos, o livre que fez o resultado ter sido mal assinalado por indicação do quarto árbitro... Quanto ao trabalho de Hugo Miguel, se merece o benefício da dúvida do ponto de vista técnico, apesar de ter parecido penálti um lance sobre Soares aos 25 minutos, de Felipe e André Silva terem sido agarrados na área, tudo lances para os especialistas analisarem, teve um critério disciplinar inaceitável, com sucessivos cartões poupados aos jogadores do Braga - Pedro Santos não ter visto amarelo na primeira parte foi uma proeza de Hugo Miguel, que lhe devia ter mostrado vermelho numa entrada violenta sobre Alex Telles, já na segunda.

Dualidade de critérios do árbitro Hugo Miguel poupa futebolistas bracarenses

Tribunal unânime:
Penálti e expulsão perdoados a jogadores do Braga

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Rui Vitória apoia Samaris até no ilicito

Rui Vitória perdeu a noção do (ridículo) licito e do ilícito ao mandar às favas os regulamentos do futebol para defender o (indefensável) Samaris...!
Atendendo ao discurso de Rui Vitória; os fins justificam os meios; ele é que faz as regras; põe e dispõe a seu bel prazer; determina o que é certo ou errado; para ele vale tudo que seja evidentemente conveniente para o clube por si treinado, ou seja, para que o clube por ele liderado/treinado (Benfica) ganhe...!  

quarta-feira, 12 de abril de 2017

António Salvador ajoelha perante o Benfica

António Salvador presidente do Braga privilegia as boas relações com o clube da águia em detrimento com o Porto
Convidou os dirigentes encarnados para a festa anual do seu clube
Preferiu vender o Rafa aos benfiquistas... etc...etc...!


António Salvador sabota pedido de bilhetes do FC Porto_Ver aqui

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Árbitro proveta benfiquista

Pornografia à hora do jantar
Em pleno Domingo de Ramos, foi pouco católica a noite de ontem em Moreira de Cónegos, tantos foram os pecados que o internacional proveta Tiago Martins cometeu no Moreirense-Benfica. Salvou Luisão de um cartão vermelho, depois de uma entrada violenta sobre Boateng aos 31 minutos. Perdoou o quinto amarelo a Pizzi, pela enésima vez – em termos católicos diz que se deve perdoar 70 vezes 7… Benzeu o golo que decidiu o jogo com uma falta inexistente de Dramé sobre Nelson Semedo. E para acabar a missa, nenhum dos concelebrantes do apito foi capaz de ver o murro de Samaris no ventre de Diego Ivo. Faltou a bolinha vermelha no canto superior direito na transmissão da SportTV, porque o que ali se passou foi, de facto, pornográfico.

Fábio Martins o árbitro "proveta" proporcionou um #Colinho# à patrão ao Benfica
Luisão e Samaris deviam ter visto o vermelho directo e Dramé devia ter visto o segundo amarelo...!

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Enredos benfiquistas

O filósofo (vermelho)
"As únicas cartilhas bem conhecidas são a cartilha da fruta, do Apito Dourado, do Canelas e agora da Operação Fénix em que arguidos e dirigentes se acusam entre si de serem responsáveis por darem ordens a alegados casos de seguranças ilegais". Esta fuga para a frente é de Luís Bernardo, diretor de comunicação do Benfica que cai no ridículo de negar a existência da cartilha com esta manobra de diversão à mr. Burns. E quem é Luís Bernardo? É um saltitão que tem um especial jeito para escolher patrões com problemas com a justiça. O atual todos sabem quem é, depois de anos ao serviço de José Sócrates. Deve ser karma.

Edição os selvagens do Porto

Ontem ao fim da tarde o ex-ministro do PSD lá foi com o discurso bem ensaiado dizer na SIC que a cartilha é um sinal de profissionalismo, de capacidade, rebebéu pardais ao ninho. Sabem de onde vieram essas palavras? De uma nova e desta vez curta edição de quatro páginas da cartilha distribuida pouco antes a todos os comentadores benfiquistas - e um portista, não há como negar - e que começa assim: "A existência e partilha de notas informativas entre os comentadores do Benfica representa apenas Organização, Profissionalismo e Competência". Francamente, de um ex-ministro esperava-se mais "salero" - fica a obediência. Mas o melhor desta nova edição é a caracterização das gentes do FC Porto, uns perigosos delinquentes, que nada têm a ver com "os meninos de coro de Alvalade". "A Comunicação do Porto é muito mais agressiva e capaz de recorrer aos meios ilícitos para tentar destabilizar, provocar, ofender e descredibilizar o Benfica". Agradecemos o respeitinho e os elogios chegam a comover, mas não recorremos a meios ilícitos. Basta deixar-vos brilhar, como se diz, a uma só voz, numa singela homenagem ao lema E pluribus unum - vá lá, aproveitem a dica, que afinal até somos uns selvagens simpáticos.

O defenestrado (afastar, livrar-se de alguém)
Para saber o autor desta nova edição da cartilha basta seguir os seguintes passos. Depois de clicar neste link carregue na opção “download” na JANELA do browser, no canto superior direito, o que faz abrir uma JANELA pequenina e aí escolhe a opção “doc”. Depois abra a JANELA de “transferências” e com o documento fechado com o botão do lado direito do rato escolha a opção “propriedades” e abre-se uma nova JANELA. Aí, escolha a opção “detalhes”, o que faz mudar de JANELA. Então aí pode analisar quem interveio no texto, quem fez a última gravação, a data de criação, etc. Se ficou com um sorriso amarelo feche a JANELA. Se não é desses, delicie-se com o vício em cartilhas mal amanhadas do Benfica. Assim ruiu mais uma ficção, mas fica o conselho para a Madraça da Luz, não neguem à partida uma ciência que desconhecem. E pronto, façam lá a caça às bruxas com discrição mas desconfiem uns dos outros. O mais que puderem. Da minha parte podem contar com o máximo sigilo.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Cartilha benfiquista

Cartilha benfiquista da autoria de Carlos Janela
Os excrementos literários distribuidos aos comentadores afectos ao clube da águia de modo a sincronizarem...!

Cartilha vermelha por Carlos Janela_Ver aqui

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Os benquistas são verdadeiros artistas a cavar faltas

Os benquistas são peritos, verdadeiros artistas a cavar faltas...
No p.p. recente Benfica 1 FC Porto 1, os avançados encarnados deram lição de como se deve sensibilizar os árbitros para as supostas faltas disciplinares dos adversários, ou seja, da técnica de cavar faltas a seu favor...!

A actuação de Carlos Xistra
1 – Não hesitou em assinalar uma grande penalidade contra os portistas por uma falta muito duvidosa sobre Jonas na área dos Dragões, mas fechou os olhos a um evidente/descarado posterior mergulho para a piscina do citado Jonas que noutra jogada voltou novamente a tentar enganar Carlos Xistra e como tal devia ter sido advertido com a respectiva cartolina amarela…
2 – Mas mais, Carlos Xistra teve atitudes semelhantes, ao assinalar a favor do Benfica todos os mergulhos dos encarnados para a piscina, ou seja, todas as faltas cavadas pelos benfiquistas contra os azuis e brancos e em contra partida ter fechado os olhos a muitas das faltas cometidas pelos encarnados sobre os avançados portistas.
3 – Então na exibição dos cartões amarelos, a dualidade de critérios de Carlos Xistra, foi gritante: sempre muito lesto a mostrar/intimidar os portistas com os amarelos e exageradamente benevolente/condescendente para com os encarnados…!!!


Da Dragões Diário
O árbitro Carlos Xistra não teve qualquer dúvida a assinalar penálti logo aos cinco minutos, numa jogada entre Jonas e Felipe, bem fabricado pelo avançado do Benfica, mas em que há um toque de Felipe. É uma pena que penáltis muito mais evidentes, como por exemplo ainda na semana passada com o Setúbal, e foram três, não tenham sido assinalados - e bastaria converter um para o FC Porto já ser líder. De resto, da arbitragem ressaltam dois lances de dúvida na área do Benfica, sobre Soares e Otávio, e um erro grave, quando o árbitro assistente assinalou fora de jogo inexistente quando Diogo Jota corria isolado para a baliza em posição legal. Isto para além de algumas faltas por assinalar, como disse Nuno Espírito Santo.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Ardis benfiquistas (Comunicado)

Em conclusão, os encarnados dizem que são "o futuro, a transparência e a sã convivência do futebol português que estão em causa".
O comunicado do Benfica é uma anedota e seria para rir se não fosse (trágicamente) uma tentativa de falsear (escamotear) a seu favor a verdade dos factos...!
Com o actual comunicado os dirigentes do SLB fazem-me lembrar a cena do ladrão que ao ser perseguido pela multidão desata também a gritar: "agarra que é ladrão" a fim de ser confundido com os perseguidores"...!

Vigarices benfiquistas

Tal como há 88 anos atrás...
Vigarices benfiquistas_Ver aqui

quarta-feira, 15 de março de 2017

Anti fair play da Juventus

Equipas como o Barça e a Juve têm por hábito (anti fair play/cavar faltas) fazer teatro e pedirem amarelos para os adversários de modo a condicionarem (intimidarem) os adversários para poderem jogar à vontade. Mas eles quando é caso disso, entram a varrer sobre os contrários, inclusivamente entradas faltosas sobre: Layún, André André, Danilo, Soares…etc… Que com um critério igual ao utilizado contra os portistas, deviam ter sido sancionadas com os respectivos amarelos contra os jogadores da Juventus…
Enfim, pequenas (grandes detalhes) protecções (dualidade de critérios: benvolência/permissão para uns e excessivo rigor para outros) que parecendo que não influenciam (moralizam, dão confiança aos beneficiados) e de que maneira os resultados dos jogos.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Barça - Um dejá-vu

Unai Emery: "Dois penáltis duvidosos e um por marcar..."
"O juiz do jogo arbitrou sempre a favor do Barcelona. Há dois penáltis a favor do Barça que são muito duvidosos e um claro a nosso favor que não foi assinalado."
Mesmo a perder logo aos 3', o técnico acreditou na passagem aos quartos de final. "Estava tranquilo porque via a equipa melhor, mas os penáltis meteu-os sempre no jogo e na eliminatória. Podíamos ter feito o 3-2, mas fomos sempre prejudicados pelas decisões da arbitragem. Na nossa área era penálti, na deles não. E no final do jogo deitámos fora tudo aquilo que havíamos trabalhado. Não há explicação para o que aconteceu. Temos de assumir o que se passou e é uma oportunidade para crescermos. Foi uma experiência negativa para os jogadores, para mim, para o staff."
Tal como há trinta e tal anos atrás o Barça vence um jogo com acção decisiva do juiz do apito, no Barcelona 6 Paris Saint-Germain 1
Com a diferença que na altura os dirigentes do Barça contrataram uma relações públicas Loira para andar a mostrar Barcelona a 
um árbitro belga encarregado de dirigir um jogo Barcelona vs FC Porto para a Champions League, o qual sensibilizado pelas amabilidades prestadas pela "Loira", não assinalou duas grandes penalidades cometidas sobre o portista Frasco...!
E ainda, tal como há trinta e tal anos atrás um árbitro belga, no caso Bart Vertenten, resolveu fechar os olhos a um penálti favorável à equipa sub-19 do FC Porto quase a acabar o jogo…!!!

Constatação
Os futebolistas do Barça são uns artistas a cavar faltas (entenda-se mergulhar para a piscina) e os juizes do apito, pelos vistos, belgas e alemães, são muito sensíveis a este tipo de actuação dos blaugrana...!

terça-feira, 7 de março de 2017

Feirense - Penalti por marcar contra o Benfica

Etebo do Feirense cai na área do Benfica ao minuto 87, rasteirado por Samaris... Soares Dias não marcou com receio de ir para a "Jarra", pois os dirigentes benfiquistas mais a Comunicação Social afecta aos encarnados não lhe perdoaria tal desempenho...!
Feirense vs Benfica-Penálti perdoado aos encarnados

domingo, 5 de março de 2017

Benfiquistas semeiam o caos em Vila da Feira

O aniversário dos No Name Boys, claque do Benfica, resultou em cânticos de parabéns, mas também em dezenas de tochas e petardos atirados para o relvado.
Também de incidentes se conta a vitória do Benfica em Santa Maria da Feira. Entre tochas, petardos, cadeiras arrancadas e a queda de uma vedação que feriu o repórter fotográfico, vários foram os incidentes que, segundo foi possível apurar, deixam os encarnados na expectativa de um eventual castigo mais grave do que as já habituais pesadas multas que têm pago por causa do mau comportamento dos seus adeptos.

sábado, 4 de março de 2017

C.A. nomeia Bruno Paixão a pedido do Vieira para o Dragão

O conselho de arbitragem liderado por José Fontelas Gomes decidiu perder definitivamente a vergonha e mostrar de quem está ao serviço.
Por mais inacreditável que seja, o árbitro nomeado para o FC Porto – Nacional , árbitro que regressa 9 anos depois ao Dragão é nada mais, nada menos do que … Bruno Paixão! Sim, parece inacreditável, mas é verdade. O Conselho de arbitragem decidiu nomear um árbitro que prejudica sistematicamente o FC Porto para mais um jogo decisivo no que diz respeito á corrida ao titulo Nacional. Para apitar o jogo do Benfica em Santa Maria da Feira, foi nomeado o árbitro actualmente com maior currículo Internacional em Portugal … Artur Soares Dias.
Agora convençam-nos com muito jeitinho de que o Polvo não está a brilhar no maximo do seu esplendor

R. a João Gabriel

Durante décadas...?!
Devem estar a ver-se ao espelho... O clube do regime de Salazar que com a ajuda da Comunicação Social afecta ao clube da águia centrada na capital, sempre controlou a arbitragem...! Estão a ver-se ao espelho, só pode... E que dizer dos Vouchers (jantares oferecidos a: árbitros, assistentes e observadores...? E ainda, porque é que o apito dourado não passou de Leiria para baixo? Porque Maria José Morgado mulher dum conhecido benfiquista descobriu um telefonema de Luís Filipe Vieira a escolher árbitros: o João, pode ser o João Ferreira...! E ainda o célebre caso do Calabote...! Queres mais? As falcatruas para beneficiar o Benfica  já vêm de longe. Na temporada de 1940/41 o presidente portista Ângelo César foi irradiado pela FPF por reclamar contra os poderes instituidos em Lisboa, contra as arbitragens que prejudicavam constantemente as equipas do Norte, favorecendo por outro lado, as do Sul... O grito de revolta ecoava nessa altura por toda a cidade do Porto. 

Por agora é tudo. Mas se quiseres que continue há um longo historial dos benefícios concedidos aos dois grandes de Lisboa que poderei divulgar... Vê lá se ganhas juízo.... Os antecedentes (telhados de vidro) são inumeros...