terça-feira, 18 de abril de 2017

Arbitragem vergonhosa de Hugo Miguel no Braga-FC Porto

Começamos pelo antigo árbitro internacional Duarte Gomes, que escreveu na edição de domingo do jornal A Bola e que começa por analisar um lance em que “Pedro Santos podia ter visto amarelo, quando agarrou André André, cortando aí a sua saída para o ataque”. Mais tarde, aos 24 minutos, “na sequência de um canto batido da direita, Gamboa agarra Felipe, impedindo o central do FC Porto de jogar a bola. Difícil de ver, mas penalty por marcar contra o SC Braga”. A análise continua e Pedro Santos volta a centrar atenções porque “agarrou Soares quando este procurava escapar para a área e, após a falta que já tinha cometido antes sobre André, arriscou novamente o amarelo”. O segundo tempo começa com uma falta de Cartabia que, segundo Duarte Gomes “efetuou tackle deslizante, com muita velocidade e intensidade, sobre Alex Telles. Lance que, em campo, poderia sugerir apenas o amarelo, mas que nos pareceu ter sido praticado com força excessiva. O bracarense acertou, com a sola/pitons, no tornozelo do lateral azul e branco, colocando a sua integridade física em risco: devia ter visto o vermelho”.
Passamos para O Jogo, citando as análises do “tribunal” composto pelos ex-árbitros Jorge Coroado, José Leirós e Fortunato Azevedo. Aqui começa-se por destacar o lance aos 23 minutos na área do Braga que envolveu Felipe e Gamboa. Jorge Coroado viu que “Felipe foi efetivamente abraçado por Gamboa, em falta punível com penálti e que passou sem a devida análise por parte do árbitro”, José Leirós também viu um “grande abraço que teve Felipe de Gamboa! Ainda que tentando libertar-se, o jogador do FC Porto foi impedido disputar a bola. Penálti por assinalar”, enquanto Fortunato Azevedo observou que “Felipe é claramente abraçado, penálti por assinalar a favor do FC Porto”. Opinião unanime, portanto. Mas vejamos o que é dito sobre o lance entre o argentino Cartabia e o nosso Alex Telles, aos 58 minutos. Começamos de novo por Jorge Coroado: “Cartabia, de longe, projetou-se com a sola da bota e atingiu o artelho de Alex Telles. A punição disciplinar correta seria o cartão vermelho”. José Leirós disse que “a sanção disciplinar foi leve [viu cartão amarelo]. Entrada perigosa, deliberada de sola, violenta, atingindo e derrubando o adversário. Cartabia deveria ter sido expulso”, enquanto Fortunato Azevedo é da opinião que “Cartabia deveria ter sido expulso, teve uma conduta grosseira, decisão errada do árbitro”. Nova unanimidade nas opiniões, observamos nós.
Do jornal O Jogo concluímos esta pequena reflexão com o jornalRecord, que na página oito da edição de ontem nos mostra a análise do também ex-internacional Marco Ferreira cujo título é “Arbitragem vergonhosa”. E fomos tentar perceber porquê. O árbitro madeirense começa por analisar o lance aos 23 minutos entre Felipe e Gamboa, bem no coração da área minhota, para dizer que há uma “infração por assinalar de Gamboa sobre Felipe. Na sequência de um canto, o bracarense agarra de forma ostensiva o adversário”. E, apenas dois minutos depois, volta à área do Braga porque entende que há nova “infração por assinalar de Ricardo Ferreira sobre Soares. O jogador do FC Porto antecipa-se à bola e o defesa pontapeia-o de forma imprudente dentro da sua área. Penalti por assinalar e cartão amarelo pela jogada prometedora”. Terminamos, de novo, com Cartabia, que, segundo Marco Ferreira, “entra em salto e atinge com a sola da bota a canela de Alex Telles, sendo responsável por falta grosseira. Cartão vermelho por exibir”, concluiu o madeirense e concluímos nós também, agora já com algumas explicações para o título do texto.

Arbitragem vergonhosa de Hugo Miguel_Ver aqui

1 comentário:

  1. É partir os dentes todos a esses corruptos da arbitragem senão somos comidos por otários.

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.