segunda-feira, 19 de junho de 2017

Querem reabrir o Apito Dourado? Eu também

Querem reabrir o Apito Dourado? Eu também.
Começamos então por isto Luís Filipe Vieira.
Quando decidirem reabrir o processo, tenham encarecidamente o favor de explicar - à Justiça e ao público em geral, não só aos cordeiros de sempre - o seguinte:

- Que fazem na candidatura de honra de Luís Filipe Vieira 12 agentes e inspectores da Polícia Judiciária, alguns dos quais envolvidos directamente no processo de investigação do Apito Dourado?

- Porque não se constituiu como arguido o seu amigo António Salvador, que numa das escutas aparece a exigir que não quer três árbitros dos nomes propostos por Pinto de Sousa - Pinto da Costa não quer um deles na mesma sequência de escutas - e que desde então parece ter florescido como dirigente, sendo que uma das suas empresas de construção, Britalar, foi também responsável pela obra desse maravilhoso centro de formação do Seixal?

- Porque não se constitui arguido José Veiga, amigo da alma de Luís Filipe Vieira e seu braço direito desportivo então, que também surge em escutas a pedir árbitros para determinados jogos e, árbitros que favorecessem o Benfica, com quem aliás o presidente do Benfica jantou em diversas ocasiões e cenários, do sul ao norte do país, com o Presidente e vogais do Conselho de Arbitragem em Lisboa antes da nomeação de vários árbitros para jogos decisivos, tanto próprios como dos dois rivais na luta pelo título de 2004/05?

- O celebre "Estorilgate" e os comentários de técnicos do clube da Linha sobre como o processo foi conduzido, incluindo uma promessa falhada de contratação de um jogador que se revelou fundamental nessa derrota do seu clube.

- Quem pagou um adiantamento a Carolina Salgado, e ao progenitor da mesma, depositado num banco espanhol da fronteira para não levantar suspeitas, antes do lançamentos das acusações que acabaram em livro, filme e novela?

- Será que as escutas completas nos vão permitir comprovar quem, como presidente do Alverca, andou duas temporadas envolvidas em compra de jogos envolvendo o Beira-Mar, Salgueiros, Vitória de Setúbal, Marítimo e Campomaiorense, através do aliciamento de jogadores, técnicos, árbitros ou dirigentes dos distintos clubes em modo de pagamento de promessas de favores, um esquema aparentemente agora repetido a maior escala. Seria curioso não seria?

Se quiserem começar por estes míseros pontos de investigação, bastante mais profundos e complexos do que os supostos favores, nunca confirmados, para que uma equipa que em dois anos venceu dois troféus continentais - o tipo de títulos que Luís Filipe Vieira anda há quinze anos a prometer sem êxito aos seus - disputasse dois jogos irrelevantes na sua corrida a dois títulos conquistados com enorme facilidade face à sua imensa superioridade sobre os rivais, sou totalmente a favor da reabertura do processo Apito Dourado.
Pode ser que com as escutas completas, sem serem editadas em programas de software e divulgadas a membros da imprensa amiga que por sua vez ajudaram a dar eco através de redes sociais, tudo isso venha à tona e se saiba um pouco mais do que se passou nesses anos "infames", onde o Porto era "Palermo", sobre o dia a dia da vida do Benfica e dos seus dirigentes. A não ser que, como os emails, se lembrem de dizer agora que essas escutas também eram "ilegais" e portanto já não valem como prova. Não surpreenderia ninguém pois não?

Em caso de dúvidas, se não souberem que fazer, pensem sempre que Luis Filipe Vieira é um homem decidido e determinado e que em momentos de aperto tem sempre resposta na ponta da língua, do estilo... "o João, sim...pode vir o João"!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.