segunda-feira, 7 de março de 2016

Paulo Fonseca só vê dum olho

Dragões Diário – De casa
Não foi preciso esperar mais do que dez segundos para ver ao que ia Carlos Xistra, ontem em Braga, quando Danilo sofreu uma falta duríssima e o árbitro não agiu disciplinarmente. Mais uns minutos (oito) e nova falta duríssima, sobre Layún, e mais uma vez o senhor Xistra esqueceu-se (fechou deliberadamente os olhos digo eu) da ação disciplinar. Aos 15 minutos Suk é claramente derrubado na área, mas o apito de Xistra estava entupido. Segundos mais tarde, na primeira falta um bocadinho mais dura, amarelo para André André.
Foi assim que o senhor Carlos Xistra adulterou completamente o jogo em Braga, que terminou com a derrota por 1-3 do FC Porto, num jogo extraordinariamente mal arbitrado, com os erros relevantes sempre em desfavor do FC Porto – com o resultado em branco voltaria a não assinalar uma grande penalidade, novamente sobre Suk.
Os lances na área do Braga não são sequer daqueles difíceis de ver, bastava ter atenção à bola, que em qualquer das jogadas nunca foi tocada pelo defesa do Braga, e aos jogadores, para poder ver os dois claros derrubes. Pelo meio, expulsou ainda na primeira parte José Peseiro, que sim senhor, saiu da área técnica, o que outros treinadores fazem todos os jogos e às vezes até entram dentro do campo.

Assim se adultera a verdade duma competição. O senhor Xistra já tinha tido uma nefasta interferência nos pontos das equipas quando não assinalou pelo menos duas grandes penalidades
(contra os encarnados) no jogo Guimarães-Benfica.
O senhor Carlos Xistra está ao nível dos senhores
(famigerados digo eu) Rui Costa e Jorge Ferreira, numa perspectiva benevolente são muito maus árbitros e têm a infelicidade – ou, se calhar, a felicidade – do denominador comum do lucro dos erros ser sempre o mesmo.
Lutar contra a qualidade do adversário – e o Braga tem-na – e ainda contra as sucessivas más decisões do árbitro não é fácil e a verdade é que a equipa acabou se intranquilizar na segunda parte e acabou por ceder e cometer erros. Só que isso não pode apagar quem antes tanto prejudicou o trabalho da equipa e esse tem um nome, Carlos Xistra.
José Peseiro, que foi expulso por estar a dar indicações aos jogadores, apontou naturalmente o dedo à arbitragem e lamentou a “falta de maturidade” da equipa nos últimos minutos, que permitiram ao Braga dois golos “muito penalizantes”. O treinador reconheceu que as contas do título se complicaram:“É uma evidência que a nossa situação está muito mais difícil, mas vamos procurar vencer os nossos jogos”.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.