sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Futebol-Campeonato inquinado

A roubalheira na arbitragem do futebol tem um nome: José Fontelas Gomes
Nas últimas três épocas 
(passadas) imperou o "NOMEAÇÕES" afecto ao Benfica.
Depois de na época passada ter incendiado o ambiente, os dirigentes do Sporting lá conseguiram, esta época, colocar na presidência do Conselho de Arbitragem da FPF um dos seus 
(fanáticos) homens a controlar a arbitragem...!
Excerto da crónica de Pedro Marques Lopes 

…Mas, claro, não terá sido por erros de arbitragem que o FC Porto estará atrás na classificação. Será não por não conseguirmos jogar contra catorze, mas por não marcarmos cinco golos por jogo. Basta que continuemos a assistir como se nada fosse ao que se vai passando e vai ser este o filme.
Mas o até quando que mais me preocupa é o nosso. Até quando vamos ficar impávidos e serenos a assistir a tudo isto? Até quando os nossos dirigentes vão fingir que nada se passa?
É preciso reagir. Se não invertemos o estado de coisas, se não conseguirmos fazer com que os erros contra nós tenham o mesmo significado dos cometidos contra os nossos rivais, se deixamos que seja normal sermos prejudicados e os outros beneficiados, podemos nos sentar e chamar o título Gogot.
A queda da máscara
NÃO é que me espantem as risadinhas mal disfarçadas de quem rasgava as vestes de cada vez que não eram marcados cinco penalties a favor do seu clube e que agora se diverte muito a ver as roubalheiras descaradas contra o FC Porto. Também não me surpreende constatar que os lutos por um futebol limpo e transparente não passavam de tácticas para que o clube de que se é adepto fosse beneficiado, mesmo que escandalosamente.
É um triste espectáculo ver a queda da máscara, mas agora fica à vista de todos o rosto da hipocrisia. in A Bola

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.