quinta-feira, 12 de março de 2009

FC Porto 0 Atlético de Madrid 0

As oito equipas (7 tubarões,exclusão do FCP) que passaram aos quartos de final:

Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester United (Inglaterra), Bayern de Munique (Alemanha), Barcelona e Villa Real (Espanha), FC Porto (Portugal)

Analisando o potêncial económico destas equipas fàcilmente se chega à conclusão que financeiramente (orçamento) o FC Porto é a par talvez com o Villa Real, o clube mais débil .

No capítulo do futebol puramente técnico o Plantel do FC Porto pelo seu enorme potêncial estará muito próximo do nível técnico das melhores equipas. 

Já no aspecto da condição física a equipa do FC Porto está situada num nível abaixo das equipas inglesas, do Bayern e do Barcelona pelo menos. Isto quanto ao ritmo do futebol praticado.

Equipa técnica: A Jesualdo Ferreira para estar ao nível dos dez melhores treinadores do mundo falta-lhe a matreirice (psicologia) dum Bella Gutman e (50 % da dureza) a firmesa, exigência do Yustrich.

Relativamente ao Plantel: o Helton será o elo mais fraco da equipa. O FC Porto para ser campeão europeu, precisa dum "Keeper" do nível do Baía dos bons velhos tempos.

Defesa: os dois defesas centrais, Bruno Alves e Rolando, assim como o defesa lateral Fucile, têm lugar em qualquer equipa do mundo. Já os laterais Sapunaru (falta-lhe velocidade de pernas) e Cissokho (precisa de ganhar mais experiência), são atletas com potêncial, mas que precisam de evoluir (melhorar).

Meio-campo: Fernando está próximo de se tornar num "trinco" de nível internacional. Lucho e Raul Meireles, estando bem fìsicamente tambem estarão ao nível dos melhores médios que actuam na Europa.

Avançados: Hulk, Lisandro e Rodriguez, com boa condição física, também são dos melhores avançados que actuam na Europa. Farias: ainda poderá vir a ser um dos goleadores  da equipa.

11/03/2009 - Futebol - Champions League (oitavos de final)

Cinco anos depois de termos ganho a Champions League (Gelsenkirchen), a equipa azul e branca volta a integrar o lote das oito melhores equipas da Europa.

Em menos de dois minutos, Rolando de cabeça, dava indícios da intenção portista. Pelo contrário, a equipa do Atlético de Madrid que precisava da vitória neste jogo para seguir em frente, gastou um quarto de hora para chegar à baliza do FC Porto através de Aguero, completamente só entre os centrais azuis e brancos. Entretanto na marcação dum livre Bruno Alves, voltou a assustar a defensiva espanhola. Depois de alguns períodos de equilíbrio, em que os espanhóis pareciam querer discutir a eliminatória, o Dragão outra vez decidido volta a sobrepor-se ao adversário. A seguir numa das várias jogadas de envolvimento da equipa, o Lisandro chutou de ângulo apertado acertando no poste, já depois de ter ultrapassado o guarda-redes do Atlético, falhando por um triz a inauguração do marcador. Um minuto depois de falhar a emenda a trabalho fantástico de Hulk.

Como em Madrid, a haver um vencedor teria de ser o F.C. Porto porque foi a equipa que mais fez por ganhar o jogo.  De salientar as marcações duríssimas a Hulk e Rodríguez como estratégia defensiva, facilitadas por um juiz do apito que pelos vistos não gosta dos portugueses, pois foi deveras permissivo para com os colchoneros. Só o Hulk e o Rodriguez, sofreram 12 faltas, as que foram assinaladas, porque houve muitas outras que ficaram por marcar. Tendo o Hulk sido substituido, devido à pancada que levou, a um minuto do final. Estes dois têm ainda de comum o facto de terem visto a cartolina amarela imerecidamente, se tivermos em conta que tanto Paulo Assunção como Pablo Ibáñez e Perea, os quais exageraram nas faltas cometidas, deveriam ter visto o segundo amarelo e não viram. Se o critério do árbitro fosse uniforme teriam ido tomar banho mais cedo.

FICHA DE JOGO

UEFA Champions League, oitavos-de-final, 2ª mão
11 de Março de 2009
Estádio do Dragão, no Porto
Assistência: 46.509 espectadores

Árbitro: Pieter Vink (Holanda)
Assistentes: Arie Brink e Wilco Lobbert
4º Árbitro: Hendrikus Nijhuis

F.C. PORTO: Helton; Sapunaru, Rolando, Bruno Alves e Cissokho; Lucho «cap», Fernando e Raul Meireles; Lisandro, Hulk e Rodríguez
Substituições: Sapunaru por Tomás Costa (83m), Hulk por Mariano (89m) e Lisandro por Farías (90m)
Não utilizados: Nuno, Stepanov, Sektioui e Andrés Madrid
Treinador: Jesualdo Ferreira

ATLÉTICO DE MADRID: Leo Franco; Perea, Pablo Ibáñez, Ujfalusi e Antonio López; Maxi Rodríguez «cap», Paulo Assunção, Raul Garcia e Simão; Pongolle e Aguero
Substituições: Maxi Rodríguez por Diego Forlán (54m), Raúl García por Maniche (72m) e Pongolle por De las Cuevas (79m)
Não utilizados: Coupet, Pernía, Heitinga e Camacho
Treinador: Abel Resino

Disciplina: cartão amarelo a Rodríguez (25m), Hulk (67m), Perea (71m), Ujfalusi (75m)

 Destaques: declarações de Jesualdo Ferreira

"Esta equipa do FC Porto é capaz de tudo", afirmou, feliz, após 90 minutos que confirmaram isso mesmo, porque ela foi "sempre melhor" do que a do "excelente" Atlético de Madrid. "Mostrámos estofo para estar aqui" entre as "oito melhores equipas da Europa". Por isso, e apesar das "diferenças, em termos financeiros" ou de estatuto para os possíveis adversários da ronda seguinte, Jesualdo acredita que é possível "discutir" a qualificação: "O FC Porto habituou-se a fazer milagres. Esta equipa, cada vez mais confiante, melhorando aspectos tácticos, sem lesões, acho que podemos discutir com qualquer equipa a passagem."

Comentário às declarações do Abel Resino (treinador dos colchoneros)

Este Abel Resino é um dos que tb só vê dum olho. O fulano tem cá uma lata! Claro que não lhe convinha falar na sanduiche que os dois centrais colchoneros fizeram ao Lisandro e muito menos na mão na bola do central checo. E agora um reparo. A obrigação dos nossos jornalistas presentes na flash interview, se reagissem como portugueses era lembrar a esse tal de Abel Resino os tais lances duvidosos na área deles para que ele comentasse, porem não o fizeram porque reagiram como Mouros que são. Outra questão que gostaria de colocar, é o facto deste juiz do apito holandês pelos vistos não gostar dos portugueses. Numa situação em que quase todos os árbitros tendem para facilitar a vida aos da casa, ele foi bastante permissivo mas para os colchoneros. Paulo Assunção, Perea e Pablo Ibañez, pelo menos estes, se o critério do holandês Pieter Vink tivesse sido uniforme, estes três teriam ido tomar banho mais cedo. Pois fartaram-se de distribuir lenha pelo Hulk, Rodriguez e Lisandro, impunemente.


2 comentários:

  1. Monteiro,
    concordo com a tua análise, mas temos de ter consciência das nossas capacidades, que são limitadas, perto de todos os clubes que se qualificram para a fase seguinte. Agora, sonhar não paga imposto e nós podemos e devemos sonhar, porque o futebol é fertil em surpresas e como disse A.Jorge na RR, também ninguém nos exígia nada e também não eramos considerados favoritos, quer em 1987, quer em 2004.

    É com esse espírito, que temos de encarar o próximo adversário e não ter medo de nada, porque já chegamos mais longe do que estavamos a contar.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Estimado Vila Pouca!

    Pelos vistos não leste com atenção (ou na totalidade) as minhas considerações, que poderias comentar ...

    Abraço

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.