quinta-feira, 21 de abril de 2016

A nova corrupção do Benfica

A ligação umbilical entre árbitros e o Benfica
A questão dos vouchers trouxe à baila a promiscuidade que existe entre o os árbitros e o Benfica.
O proteccionismo que se viu e a maneira como tudo foi silenciado mostrou bem a podridão. Mas, tal como qualquer “sistema”, isto tudo não é uma árvore que apareceu este ano do nada. Isto é um processo que tem vindo a ser semeado e do qual o Benfica começa agora a colher os seus frutos.
Há quase 5 anos o Benfica, através da sua fundação, associou-se ao Inatel e ao ACIDI num projecto chamado “Tu Decides Bem” onde participa directamente na formação de árbitros de futebol.
A actividade vem descrita no seu Relatório e Contas de 2011 que pode ser consultado aqui. O essencial está na seguinte imagem (não assimilada):
Ou seja, o Benfica (através da sua fundação) tem decisão directa sobre candidatos a árbitros de futebol e participa na sua formação! Influenciando, desde o inicio, a sua tomada de decisão e alavanca o seu capital de simpatia em futuras tomadas de decisão.
A técnica é semelhante às utilizadas pelos ditadores na subida ao poder. Pegam num conjunto de pessoas em situação de risco e dão-lhes um poder relativo que suporta o poder totalitário do ditador.Em 2013 o protocolo foi estendido e vai-se mantendo em vigor de forma a continuar a formar árbitros que mantenham o tal manto protector que permite ao Benfica passear nas competições nacionais.Esta é a nova corrupção! A manipulação da verdade desportiva que começa numa “inception” (beginning, princípio) e que toma conta do futebol.

1 comentário:

  1. O pormenor do nome é fantástico: "Tu decides bem" ...
    se fizeres isso, o teu futuro está assegurado.

    é pá... a maldade na organização disto é muito goebeliana, mas o que me confunde mais é a lata destes gajos ! Tinha-me parecido que vivíamos em democracia...
    E a falta de investigação jornalística ? - Que tristeza triste!
    (Até o" anti-lampião" saiu do ar ...)

    Obrigada Dragão por estar atento!

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.