quarta-feira, 9 de maio de 2018

Desmascarar o Benfica de Vieira


Quando questionado acerca das alegadas escutas reveladas entre Luís Filipe Vieira e Jorge Barroso, Francisco J. Marques salientou que as práticas do clube encarnado já ultrapassam a vertente desportiva.

 "O que fica muito claro e evidente é que Luís Filipe Vieira utiliza o Benfica em beneficio próprio. Isso deve preocupar muito os adeptos do Benfica, que não acham que este tipo de práticas seja razoável. Tudo isto se insere no grande polvo que o Benfica procurou montar para controlar. E isto já ultrapassa muito o futebol. Constatamos uma série de entidades que estavam capturadas a favor do Benfica e temos de tirar uma conclusão: o Benfica está capturado no interesse das entidades. Não sei como estes casos vão terminar, mas há muita coisa ainda para se continuar a investigar", começou por dizer.

Francisco J. Marques deu ainda razão ao Benfica.
Os encarnados, no final do encontro com o Sporting, queixaram-se da arbitragem e consideraram este campeonato "sujo".

 "O caso e-toupeira é terrível para o Paulo Gonçalves. O caso Lex para Luís Filipe Vieira, o caso dos e-mails é muito complicado para o Benfica. Há também o caso dos jogos comprados, que estará numa fase mais inicial da investigação, mas já se sabe alguma coisa sobre isso. Temos de ter paciência, esperar que a investigação decorra no prazo que precisar para apurar a verdade, sendo certo que da nossa parte continuaremos no escrutínio e a desempenhar a nossa função. O futebol português tem de ser o mais limpo possível. Este campeonato não foi limpo, o Benfica tem razão. O F. C. Porto podia ter sido campeão mais cedo e todos os analistas independentes concordam com isso", atirou, antes de fazer um apelo aos adeptos encarnados.

 "Os benfiquistas precisam de se juntar a esta revolução do futebol português. As atitudes do Benfica vão trazer consequências mais graves do que na era do Vale e Azevedo".

 
Desmascarar o Benfica de L.F. Vieira_Ver aqui

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.