terça-feira, 25 de novembro de 2008

FC Porto vence o Fenerbahçe por 2 a 1

Bom jogo da equipa do FC Porto. Grande entre-ajuda entre todos os elementos da equipa. Esta vitória premeia o grande esforço colectivo da equipa. A equipa está pois de parabens.

Liga Campeões FC Porto vence Fenerbahçe e está nos oitavos-de-final

Mesmo sem Lucho, o FC Porto tem uma equipa de luxo. Os portistas venceram esta noite o Fenerbahçe, por 2-1, no Estádio Sukro Saraçoglu, em Istambul, garantindo um lugar nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, conjugada esta vitória com o triunfo do Arsenal sobre o Dínamo de Kiev, também por 1-0. Os campeões nacionais entraram muitos fortes no encontro, num ambiente adverso (estádio completamente cheio e público muito ruidoso), e cedo inauguraram o marcador. Por Lisandro, que marcou o seu nono golo na “Champions”. Fernando desmarcou muito bem Bruno Alves na direita, este cruzou de imediato e Lisandro facturou. Estavam decorridos 18 minutos de jogo. Dez minutos depois 2-0, novamente por Lisandro. Lançamento lateral de Fucile e o argentino e rematar para defesa de Volkan, mas a marcar o décimo tento na Liga dos Campeões na recarga. Aos 34’, Raul Meireles fez um belo passe longo para Tomás Costa, que fez um “chapéu” ao guarda-redes turco, mas a bolas foi ao poste. Tudo isto perante uma equipa turca completamente atarantada e impossibilitada de contrariar o brilhante futebol da formação de Jesualdo Ferreira. Na segunda parte, o Fenerbahçe pressionou mais, como aliás lhe competia, e o FC Porto apostou no contra-ataque. Nada fazia prever o golo de Kazim Kazim, que entrara no início deste segundo tempo. Até porque a bola embateu em Bruno Alves, traindo Helton. Mas o FC Porto não se descontrolou, bem pelo contrário. Hulk teve hipótese de repor a vantagem, mas, sozinho diante de Volkan, atirou à malha lateral. Este foi só um exemplo, porque houve mais. Vitória inteiramente justa da melhor equipa, face a uma equipa cujos melhores elementos foram Guiza e Kazim Kazim. Os oitavos-de-final estão assim garantidos. O jogo com o Arsenal, no Dragão, servirá, no entanto, para discutir o primeiro lugar no Grupo G…

OJOGO - FC PORTO UM A UM
Pedro Marques Costa em Instambul

Helton 6
A primeira defesa surgiu apenas em cima do intervalo; antes disso, limitou-se a ver passar algumas bolas pelas imediações da sua baliza. Na segunda parte, teve mais trabalho e respondeu sempre com segurança.
Fucile 6
Regressou ao lado direito da defesa, tendo realizado uma exibição pouco fulgurante em termos ofensivos, mas praticamente irrepreensível nas acções defensivas - e tinha adversários de respeito (Boral e Roberto Carlos). Foi das suas mãos que saiu o lançamento lateral para o segundo golo portista.
Rolando 8
Sempre no caminho da bola: pelo ar, pelo chão e a interceptar remates. Esteve simplesmente intransponível e terá realizado, muito provavelmente, a melhor exibição desde que chegou ao FC Porto. Na memória visual ficou um corte fantástico nos minutos inicial do jogo (11'), na emenda a um erro de Bruno Alves.
Bruno Alves 7
Teve um erro nos minutos iniciais - deixou passar a bola em plena área (11') -, mas foi o único que se lhe viu cometer em todo o jogo. Formou, com Rolando, uma dupla exemplar.
Pedro Emanuel 5
Teve uma missão ingrata no jogo de ontem, sobretudo na segunda parte, quando teve de lidar com a velocidade de Kazim Kazim. Sentiu algumas dificuldades, naturais, até porque esteve parado durante boa parte da semana.
Fernando 6
Deu início à jogada do primeiro golo, com um passe a encontrar Bruno Alves na área, e eliminou Alex do jogo, naquela que podia ser a principal arma do Fenerbahçe. Mas teve um erro: perdeu uma bola infantil no arranque da jogada do golo turco.
Tomás Costa 6
Foi o escolhido para colmatar a ausência de Lucho e acusou a pressão nos minutos iniciais do jogo, com duas perdas de bola em pleno meio-campo defensivo. Depois, com o decorrer do tempo, subiu de produção e demonstrou ser importante no equilíbrio táctico. Num dos muitos contra-ataques da equipa, merecia o golo, mas o chapéu a Demirel foi ter com o poste. Saiu, inexplicavelmente, aos 62 minutos.
Raul Meireles 7
Foi o médio que mais conseguiu esticar o jogo da equipa, surgindo envolvido com frequência nas acções ofensivas. Para além disso, assumiu a importância habitual na ocupação de espaços defensivos. Não houve Lucho, mas Meireles ajudou a fazer esquecer o argentino.
Rodríguez 5
A exibição de ontem de Rodríguez tem de ser analisada em dois momentos distintos no jogo: quando teve a bola nos pés e quando não a teve. Sem bola, foi perfeito, mostrou trabalho, cultura táctica e uma enorme capacidade de luta; com a bola nos pés, limitou-se a somar disparates, alguns deles ridículos. Saiu na altura em que lhe começou a faltar a força.
Hulk 6
Não precisou mais do que dois minutos para mostrar qual era a sua missão no jogo: arrancar com a bola nos pés para desequilibrar a frágil defesa do Fenerbahçe. E conseguiu-o. Foi sempre um perigo, mesmo quando, na segunda parte, começou a acusar algum desgaste físico. Só lhe faltou mesmo o golo, que falhou infantilmente aos 60'.
Guarín 4
Foi a primeira aposta de Jesualdo Ferreira, mas não entrou bem no jogo.
Mariano 5
Entrou com a missão de ajudar Pedro Emanuel e conseguiu atenuar os problemas causados por Kazim Kazim.
Pelé 4
Jogou os últimos minutos, numa altura em que o FC Porto procurava segurar a vitória.

PS - Fenerbahçe-F.C. Porto, 1-2A "equipa" está de parabens pelo resultado alcançado. Notável!Não este ou aquele jogador. Tinha sugerido o Lino a apoiar o PEmanuel, mas o Jesualdo colocou o Rodriguez. É o mesmo. O que era preciso era alguém com velocidade para apoiar o Pedro.

PS 1 - Não estou de acordo com a pontuação atribuida ao Rodriguez. O Rodriguez foi muito importante a ajudar o PEmanuel enquanto permaneceu em jogo.
Guarin! Não consigo perceber porque o Guarin que até é bom jogador,rende tão pouco quando entra na equipa! Dado o tempo que está com a equipa, já era tempo de demonstrar mais entendimento com os colegas.Será um caso de abaixamento de forma?!
Na minha opinião o futuro "Trinco" desta equipa vai ser o Pele. Entretanto,admito que jogue o Fernando nessa posição enquanto o Pélé não estiver completamente adaptado à equipa.O Pele é outro jogador,mais técnico,mais autoritário e mais possante.

PS 2 - Na Europa sim, Jesualdo tem razão: é quase o FC Porto ideal. Melhor, só quando houver defesa-esquerdo e Hulk for crescido.

2 comentários:

  1. Monteiro bem regressado.

    A crónica da morte do F.C.Porto, era, como se viu, manifestamente exagerada.
    Passado o período de crise, com origem, no alfaiate de Mirandela, que pareceu desorientado, a equipa portista conseguiu encontrar-se e em dois jogos decisivos, ainda por cima, fora de casa, ganhou e atingiu o objectivo de chegar aos oitavos-de-final.
    Ontem, como em Kiev, o F.C.Porto conseguiu um bom jogo, com uma exibição globalmente, muito conseguida, melhor na 1ª parte que na 2ª, mas e porque mais uma vez - isso tem que ser melhorado -, não soubemos matar o jogo e mais uma vez, sofremos um golo esquesito.
    Também acho que já podemos concluir: esta equipa tem carácter, tem crença, tem alma e ao contrário do que muitos apregoavam, tem qualidade.
    Agora que as coisas parecem encaminhas, vamos atacar a Liga portuguesa, pois queremos e temos capacidade para isso, ganhar o tetra.
    UM abraço

    ResponderEliminar
  2. ontem conseguimos uma vitória muito importante que nos deu a passagem a próxima fase da champions league. tivemos muito bem na primeira parte em que pussemos em campo toda a qualidade e uma enorme personalidade com um caracter de encher o campo contra uma equipa que considero que está acima da média. na segunda parte entramos com a lição bem estudada e esperamos pelo adversário porque eram eles que tinham que atrás do prejuizo. grande jogo do FC Porto e voltamos a mostrar que temos mais do que qualidade para passar á próxima fase e efectuar melhores prestações na liga sagres. parabens dragões!
    Abraço

    a nação azul e branca

    http://anacaoazulebranca.blogspot.com

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.