segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Ter ou não ter um bom treinador (competência)

Ora bem meus amigos. É evidente que se tivermos grandes artistas na equipa, tudo se torna mais fácil. Mas não é tudo, até porque por vezes é muito difícil lidar com vedetas sem espírito de sacrifício e sem humildade.
Um treinador se for competente em áreas como processos (técnicos) de treino, se tiver um assessor competente para a área da preparação física, se tiver arte e engenho para adoptar as melhores estratégias, se souber motivar devidamente o Plantel, então os resultados forçosamente acabarão por aparecer.

3 comentários:

  1. Totalmente de acordo.
    Eu quando era um jovenzito e andava estudar de noite no Infante D.Henrique, quando saía das aulas, passava na Petúlia - quando o tempo aquecia, fins de Maio, início de Junho, já tinha umas mesas cá fora - e como não conhecia ninguém, colocava-me de lado a ouvir o Pedroto a falar.
    Eram autênticas aulas de psicologia. O Mestre mostrava uma confiança, uma convicção, uma certeza...que eu saía dali, certo do que ele dizia ia acontecer.
    Fez do Lima Pereira lembraste?, que era um tosco, um dos melhores centrais da Europa.
    Fez do Boavista com Trindade, Carolino, F. Mário, Mané, jogadores de segunda categoria - o único grande jogador era o J.Alves - uma grande equipa de futebol.
    Mourinho, com Marco Ferreira, C.Peixoto, Maniche - 2 anos parado no Benfica - Costinha - não dava uma para a caixa antes de Mourinho - N.Valente, Tiago e Derlei, ex-Leiria, uma equipa fantástica.
    Meu caro Monteiro isto tudo para te dizer que um bom treinador faz toda a diferença.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Não poderia estar mais de acordo... . Um bom treinador/líder/chefe é meio caminho andado para o sucesso de uma equipa.

    Um Abraço

    ResponderEliminar
  3. Meus Caros!
    Enche-me de satisfação que estejamos de acordo,porem só é pena por vezes os ses levantados não se verificarem,e depois acontecem os fiascos.

    Abraço

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.