quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

NES é um “cagão”!

O FC Porto joga contra equipas que se fecham (aglomeram) no seu meio-campo como se estivesse a jogar contra o Benfica ou Sporting! Contra equipas que jogam com um autocarro de dois andares em frente à sua baliza o técnico do FC Porto se fosse audaz, porque são os avançados criativos que fazem a diferença e marcam golos; escalava a linha avançada da equipa com: Brahimi, Diogo Jota, André Silva, Rui Pedro e Jesus Corona. E assim convidava os adversários a arriscarem mais e tentarem jogar ao ataque em vez de só defenderem… Neste sistema os laterais não precisariam de passar do seu meio-campo e os dois médios em conjugação com os dois centrais, preencheriam um quadrado que chegaria de sobra para anular as frágeis tentativas dos contrários…

2 comentários:

  1. Caro Dragãoatento, na táctica que sugere, para entrar Rui Pedro, o treinador teria que tirar 1 médio ou 1 defesa central, jogando num 4-1-5 ou 3-2-5. Que me lembre, não tenho conhecimento de nenhuma equipa do mundo, presente ou passada, ter adoptado um esquema táctico destes. Salvo obviamente em situações de desespero nos minutos finais. Por alguma razão será...

    ... talvez porque ao tirar jogadores de trás para colocar à frente fragiliza a defesa, dando ao adversário uma probabilidade muito maior de sucesso numa transição rápida?

    Mas isto é a minha opinião de mero treinador de bancada...

    ResponderEliminar
  2. Caríssimo Hugo Mota!
    Não é bem assim...
    1 - Não foi acrescentando o Rui Pedro que ganhamos ao Braga...?
    2 - Para quê ter quatro defesas para 1 ou 2 adversários...?
    3 - E os médios em caso de necessidade não podem recuar e ajudar a defender...?
    4 - De ter em atenção que para se ganharem jogos é preciso arriscar, mas preparar a equipa para em caso de necessidade recuava um dos médios para ajudar
    % - Depois os jogadores mais criativos são sempre os avançados que fazem a diferença e inclusivamente o processo defensivo deve começar pelos avançados...

    Cumprimentos

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.