segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

FC Porto - Onze definido e retocado

*
Se é verdade que Jesualdo Ferreira nunca repetiu uma equipa desde o início da época, por variadas razões, também é certo que nos últimos oito jogos deu mais minutos a onze jogadores. Ora, isso também está intimamente ligado à subida de forma e ao aumento de entrosamento entre os sectores. Nas palavras do treinador, a equipa está a crescer.
Com Helton, Bruno Alves e Rolando intactos, Fucile jogou mais vezes à direita e Pedro Emanuel actuou mais vezes à esquerda. No meio-campo, o tridente formado por Fernando, Lucho e Raul Meireles só foi mexido por necessidade de gestão num ou noutro jogo. Aqui houve algumas correcções de posicionamento. Lucho apoia o ataque pela direita e Rodríguez está mais recuado no relvado com liberdade para aparecer ao meio. No ataque, Lisandro foi desviado do centro para a entrada de Hulk. Isto não quer dizer que o goleador argentino não apareça na posição nove. O sistema está mais maleável e por vezes parece-se com um 4-4-2. Para já, está a dar frutos.

Lições do melhor aluno
CARLOS GOUVEIA
A atitude, pressão, recuperações de bola, qualidade de passe e golos. Assim se resume a exibição de Guarín em Cinfães, onde foi dos melhores em campo. Um pontapé no marasmo geral que até mereceu rasgados elogios de Jesualdo Ferreira, um técnico que gosta pouco de particularizar ou destacar as prestações dos seus atletas. No sábado, o FC Porto carimbou o acesso aos quartos-de-final da Taça de Portugal - cumpriu o objectivo traçado - mas a exibição não acompanhou os números do resultado. E Jesualdo admitiu-o.
Escaparam à crítica Farías, Candeias e Guarín. O colombiano está a atravessar um bom momento de forma - é o segundo jogo seguido que marca - e no sábado deu uma autêntica lição aos companheiros. Não só provou que é um aluno aplicado, cumprindo na íntegra aquilo que o professor lhe pediu, como confirmou que a sua atitude não muda consoante o nome do adversário. Um reparo: as perdas de bola resultantes de passes curtos errados foram altas.
O JOGO reviu o jogo da Taça para acompanhar ao pormenor as movimentações de Guarín, destacando-se nas recuperações de bola, nos passes longos e nos remates. Por partes, embora tenha actuado numa zona um pouco mais avançada do que o habitual, o colombiano pressionou bastante os adversários, tendo conseguido recuperar a bola 17 vezes, muitas das quais ainda no meio-campo contrário. A visão de jogo e qualidade de passe ficaram vincadas nos cinco passes longos e de ruptura, acrescentando-lhes 30 passes curtos correctos, a maioria ao primeiro toque. Depois, a eficácia na finalização: dois remates, dois golos. Um dos quais de cabeça, uma estreia na sua carreira, conforme revelou no final da partida.

Jesualdo Ferreira com mais jogos na Champions
Ponto interessante na caminhada portista na Champions, e obviamente com ligações directas no rendimento exibicional e de resultados, é o facto de Jesualdo Ferreira estar prestes a tornar-se no treinador com mais jogos naquela competição. Com o Arsenal somou o 22º jogo e igualou Fernando Santos. Com o regresso da Liga dos Campeões em Fevereiro, o recorde passará a ser do professor. Comparando os dois percursos dos treinadores com mais jogos na Liga dos Campeões (apenas nesta competição), o de Jesualdo Ferreira é melhor. Tem 11 vitórias, cinco empates e seis derrotas, ao passo que os números de Fernando Santos indicam nove vitórias, quatro empates e nove derrotas.

Potencial inexplorado
JORGE MAIA
Há dois meses, numa altura em que já toda a gente se entretinha a tirar as medidas ao FC Porto para lhe encomendar o respectivo caixão, escrevi aqui que as notícias da morte do tricampeão nacional eram bastante exageradas. Hoje, confirma-se que a equipa de Jesualdo Ferreira está bem viva e aos pontapés. É verdade que ainda nem todos os pontapés têm a melhor direcção e que aos excelentes resultados conseguidos nos últimos tempos nem sempre corresponderam exibições do mesmo calibre, mas ganhar também pode ser uma questão de hábito e oito vitórias consecutivas não acontecem por acaso. O FC Porto cresceu nos últimos dois meses. Ainda tem alguns problemas de coordenação, como acontece naqueles adolescentes que crescem muito e muito depressa, mas, como eles, tem um potencial quase ilimitado ainda por explorar. Certo é que, às portas do Natal, mesmo este FC Porto às vezes desengonçado já garantiu um lugar entre as melhores 16 equipas europeias, está apurado para os quartos-de-final da Taça de Portugal e mantém intactas as aspirações à revalidação do título. Quem pode dizer o mesmo?

1 comentário:

  1. Só faltam dois jogos até à paragem do Natal e depois abrem-se outras perspectivas.
    Um abraço

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.