sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

FC Porto vence Tondela pela margem mínima

Arbitragem ao microscópio/A dualidade de critério disciplinar de Luís Godinho

Pelo que se pôde ver nos primeiros 45' de jogo, Luís Godinho sofre do com plexo anti-portista. Sempre que um jogador do Tondela cai ( se atire para a piscina) é falta contra a equipa portista. Pelo contrário, Brahimi a cada passo vai ao tapete e Luís Godinho manda seguir!
Mas mais, o videoárbitro anulou mal porque o avançado do FC Porto está em linha, um golo aos dragões. Por aquilo que se está a passar o VAR só intervém quando é para prejudicar o FC Porto

Fim dos primeiros 45' - FC Porto 1 Tondela 0

Exibição da equipa portista
José Sá é um goalkeeper mediano, e, por conseguinte ainda me não convenceu ser o guardião certo para a baliza do FC Porto (alguém que dê confiança à equipa). Os centrais dão sinais de intranquilidade (muita precipitação a defender). As faixas laterais (defesa lateral e médio) também não funcionam bem, mostram dificuldades a defender e atacam mal; o último passe (assistências) sai normalmente sem a precisão necessária. No meio campo os esforços de Danilo e Herrera são inglórios (falta clarividência aos seus passes para os avançados). O ataque está a viver da velocidade de pernas de Marega, porque Aboubakar parece atravessar um mau momento. Brahimi e Corona são avançados macios: a defender mostram dificuldades e a atacar são presas fáceis para os defesas contrários. A Soares faltam-lhe minutos de jogo. Já aqui fiz referência e volto a insistir: Hernâni e Sérgio Oliveira parecem não querer aproveitar as oportunidades que lhes dão.

Sexta-feira, 19 Janeiro 2018 • 21:00 - Estádio: Dragão, Porto - Assistência: 32.711
FC PORTO                               19.ª Jornada                                               TONDELA









Árbitro: Luís Godinho (Évora)
Assistentes: José Braga e Valter Rufo
4º Árbitro: 
Manuel Mota
VAR: 
Artur Soares Dias, assistido por Rui Licínio.

Equipa do FC Porto: 
12 José Sá
21 Ricardo, 
28 Felipe, 5 Marcano, 13 Alex Telles

22 Danilo, 16 Herrera (c), 17 Corona , 8 Brahimi
11 Marega , 9 Aboubakar

Suplentes: 1 Casillas
2 Maxi, 23 Reyes, 27 Sérgio Oliveira , (77' Corona)
10 Óliver Torres, 7 Hernâni , (77' Aboubakar)
29 Soares , (88' Brahimi)

Treinador: Sérgio Conceição

Equipa do Tondela: 1 Cláudio Ramos
22 David Bruno, 24 Osório, 20 Ricardo Costa (c), 23 Joãozinho
14 Sulley , 8 Hélder Tavares, 10 Pedro Nuno (62'), 11 Miguel Cardoso
77 Murilo , 19 Tomané

Suplentes: 13 Ricardo Moura, 5 Pité, 9 Tyler Boyd , (66' Sulley)
17 Joca, 28 Wagner, 32 Ícaro Silva , (78' Pedro Nuno), 99 Heliardo
(87' Murilo)

Treinador: Pepa

Análise ao jogo (resumo)
Mesmo com um jogo a menos, o FC Porto está novamente a liderança da Liga NOS depois de bater o Tondela, por 1-0, no Estádio do Dragão, em partida da 19.ª jornada da prova. Marega (13m) foi o marcador de serviço dos Dragões, detentores do melhor ataque (46) e da melhor defesa (9) do Campeonato.
Com Marcano, Brahimi e Corona de regresso ao onze, desde o início que o FC Porto procurou controlar o jogo, mas o Tondela mostrou-se uma equipa difícil de desmontar ao longo dos primeiros 45 minutos. Herrera deu o primeiro aviso (2m) e Brahimi seguiu-lhe o exemplo (13m), mas à terceira foi mesmo de vez. Sulley fez mal os cálculos e deixou Marega frente-a-frente com Cláudio Ramos. O avançado maliano não se fez rogado e atirou a contar para o 15.º golo da conta pessoal no Campeonato (13m), dando vantagem aos azuis e brancos.
O intervalo chegou com vantagem mínima para os Dragões, mas a diferença era indiscutivelmente escassa para as oportunidades criadas pela equipa de Sérgio Conceição. O segundo tempo mostrou um FC Porto a procurar controlar melhor o jogo, mas o ímpeto portista esbarrou quase sempre na inspiração de Cláudio Ramos. O guarda-redes do Tondela foi o principal responsável por os azuis e brancos não terem logrado mais do que um golo, mas quando o 2-0 pareceu um dado adquirido, o videoárbitro anulou o festejo de Brahimi e companhia (65m).
De qualquer forma, o mais importante foi alcançado: mais três pontos somados e o regresso à liderança isolada da Liga NOS, mesmo com 45 minutos por disputar no Estoril.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.