domingo, 12 de agosto de 2012

Escândalo: Benfica dá bronca na Alemanha

O SLB em jogo particular na Alemanha dá uma bronca monumental !
O Fortuna de Dusseldorf exige a devolução de 200 mil euros - O clube alemão ameaça recorrer à Justiça e recusa encontro de repetição. "Não temos vontade de ir a Lisboa, nem de voltar a convidar o Benfica", afirmou o diretor-executivo Paul Jager
O Fortuna de Dusseldorf exige ao Benfica a devolução do cachê pago pelo jogo particular de sábado, interrompido aos 39' após o choque entre Luisão e o árbitro Christian Fischer. "Queremos que nos sejam devolvidos os 200 mil euros pagos. Se isso não acontecer, entregaremos o caso a um advogado", anunciou o diretor-executivo do clube alemão, Paul Jager.
Não obstante os encarnados terem-se disponibilizado para repetir a partida, fosse em Dusseldorf ou em Lisboa, o Fortuna recusa essa possibilidade. "Não temos vontade de ir a Lisboa nem de voltar a convidar o Benfica", afirmou o dirigente do Fortuna de Dusseldorf. Declarações atribuídas a Christian Fischer surgem hoje em diversos órgãos de comunicação social alemães, com o árbitro do Fortuna de Dusseldorf-Benfica a revelar que apresentará queixa-crime contra Luisão, ainda que sem explicar como o fará.
"Nem o jogador, nem o clube pediram desculpa. Pelo contrário", pode ler-se na edição online do jornal Bild, que remata a peça com a seguinte frase do site do Benfica. "O jogo entre o Fortuna Düsseldorf e o Sport Lisboa e Benfica foi interrompido e posteriormente cancelado devido a uma lamentável cena de teatro do árbitro alemão, Christian Fischer".
O árbitro, de 42 anos, revela a dado momento que nem se apercebeu que jogador encarnado o derrubara. "Nem percebi que jogador foi. Ia mostrar o segundo cartão amarelo a outro jogador e há ainda dois outros jogadores do Benfica que se colocam no meu caminho. Foi como se tivesse ido contra uma parede", refere. "Estou chocado. Nunca me acontecera nada do género em 20 anos de arbitragem".

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.