sábado, 11 de agosto de 2012

Supertaça - FC Porto Académica

Ao intervalo 0 - 0 ! A Académica com um orçamento muito inferior ao do FC Porto está a bater-se galhardamente com os portistas comandados por Vítor Pereira um treinador de meia tigela que não tem gabarito para treinar os azuis e brancos. Em contra partida Pedro Emanuel um treinador competente e de fibra, salvaguardadas as devidas proporções do plantel estudantil, está a demonstrar que tem um futuro brilhante pela frente como treinador de futebol!
Resultado Final : FC Porto 1 Académica 0
Não obstante a vitória, o rendimento da equipa portista não foi de molde a deixar descansados os seus adeptos. E o principal problema da equipa é jogar mal ao ataque devido: à falta de velocidade dos seus avançados, à falta de precisão no último passe e à ausência de desmarcações para os espaços vazios por não existirem lances devidamente ensaiados, jogadas mecanizadas. Finalmente, o jogo valeu pelo excelente golo da autoria do Jackson Martinez quase a acabar o desafio.

FICHA DE JOGO
Supertaça Cândido de Oliveira 2012 - 11 de Agosto de 2012
Estádio Municipal de Aveiro - Assistência: 26.825 espectadores
 Árbitro: Olegário Benquerença (Leiria)
Assistentes: João Santos e Luís Marcelino
Quarto árbitro: Jorge Tavares
FC PORTO: Helton; Miguel Lopes, Maicon, Otamendi e Mangala; Fernando, Lucho (cap.) e Defour; James, Jackson Martínez e Atsu
Substituições: Defour por João Moutinho (57m), Atsu por Djalma (57m) e Lucho por Varela (86m)
Não utilizados: Fabiano, Rolando, Castro e Kleber
Treinador: Vítor Pereira
ACADÉMICA: Ricardo; Rodrigo Galo, João Real, Reiner Ferreira e Hélder Cabral; Flávio Ferreira (cap.), Makelele e Cleyton; Marinho, Cissé e Afonso
Substituições: Afonso por Ogu (71m), Marinho por Magique (86m) e Makelele por Edinho (91m)
Não utilizados: Peiser, João Dias, Henrique e Bruno China
Treinador: Pedro Emanuel
Ao intervalo: 0-0
Marcadores: Jackson Martínez (90m)
Cartões amarelos: Defour (53m), Hélder Cabral (61m), Otamendi (88m) e Jackson (91m)

5 comentários:

  1. Mais uma vez de acordo. E se vierem defender este pseudónimo de treinador, porque o tipo é mesmo mauzinho para Glorioso Porto, ou não são do Porto ou não percebem nada de futebol. O V.P. que de I. nada tem, dê corda aos sapatos e se "pire" do Porto à velocidade da Curiosity. Este é bem pior que o vinheiro de Palmela.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. Também eu acho que o VP tem um único mérito que é o facto de ser portista. Como treinador de futebol está a começar a carreira e se não fosse o Presidente a apoiá-lo, já tinha ido dar uma volta ao bilhar grande.
      Agora a sério, parece-me um treinador para equipas do meio da tabela classificativa. Melhores do que ele são por exemplo: o Jorge Costa e o Domingos Paciência, só para citar dois afectos ao FC Porto. Isto já para não falar no Pedro Emanuel...

      Eliminar
  2. Bom dia,

    Ontem não fizemos um jogo brilhante e conseguido.

    Tivemos a capacidade de controlar o adversário, que apenas teve bola junto da nossa área nos minutos finais do primeiro tempo, e que nada vez em termos atacantes, remetendo-se a defender atrás da linha da bola.

    Dominamos o adversário sem contudo ser objectivos. O nosso trio de meio campo mostrou-se muito estático e sem ideias. James ia tentando encontrar espaços,e Atsu tentava desequilibrar sem sucesso.

    Desta forma Jackson era obrigado a sair da área e procurar jogo sem sucesso, pois apesar de ter boa técnica e combinar bem, pela sua fisionomia não tem capacidade de explosão para a baliza.

    Continuo sem perceber VP que coloca Lucho demasiado adiantado no miolo. Lucho é uma mais valia a partir uns metros à frente de Fernando e a construir e lançar longo.

    Miguel Lopes ontem não foi o lateral que precisávamos, não deu profundidade ao corredor e quando deu resultou em golo. Tem de ganhar confiança e assumir o corredor.

    Maicon, Otamendi e Helton foram seguros e tiveram bem.

    Mangala na minha opinião foi o melhor em campo. Tinha Marinho pela frente e marcou-o bem, dobrou muitas vezes ao meio e ainda atacou.

    A partir da entrada de Moutinho, a equipa ganhou mais ritmo e dinâmica e o golo surgiu justamente, pois não merecíamos o prolongamento.

    Foi bonita a festa da família Portista nas bancadas e o fairplay dentro e fora de campo.

    Foi o 72º. titulo para o melhor clube português, aqui e além mar.

    Abraço e bom domingo

    Paulo

    pronunciadodragao.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde, Paulo!
      Gostei da tua análise.
      Eu acrescentaria porem o seguinte:falta de fluidez no jogo atacante dos Dragões, devido à falta de velocidade nos médios e avançados, falta de precisão no último passe e de jogadas mecanizadas ao primeiro toque, com solicitações para os espaços vazios e jogadores desmarcados a aparecer para receber a bola.

      Abraço,
      AMonteiro

      Eliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.