terça-feira, 6 de maio de 2008

Gestão da equipa, teses, opiniões

Numa altura em que anda meio mundo (portistas) a discutir se Jesualdo Ferreira deve ou não fazer alterações na equipa com vista ao jogo com a Naval, eu digo, deve fazer alterações de modo a dar oportunidade a outros jogadores de se mostrarem e além disso descansar a equipa para o Jamor.
Entretanto e, para já muito simplesmente, o Profe devia pôr o Bosingwa a milhas. Quer ir-se embora, que vá. Faz cá tanta falta como uma guitarra num enterro! Ele que antes da época acabar, na minha opinião, além de se precipitar com declarações extemporâneas de pretender experimentar outros campeonatos ($), também mostrou claramente estar desconcentrado e já com a cabeça fora do FC Porto...!

Rui Moreira "Descansar para o Jamor"
"A Taça de Portugal é uma competição muito importante e a escolha do onze para a Figueira da Foz é feita com base na necessidade de a equipa descansar para a partida com o Sporting. Escolho o Ventura para a baliza para poder sagrar-se campeão. Depois, há uma série de jogadores que precisam de descansar, casos do Bosingwa, que parecia estar a pensar nas férias ou no próximo clube, Pedro Emanuel, Lucho, Meireles, Assunção e por aí fora."

Eu, não seria tão radical...mas compreendo o seu (dele)descontentamento...

Há quem defenda o lado mais racional da questão. O ponto de vista é simples: a equipa perdeu, jogou mal e, por isso, há que retirar uns jogadores e colocar outros. Desta forma, e em caso de nova derrota, evita-se gastos com psicólogos. Teses.Com a alteração da equipa, a consequência imediata seria ter jogadores mais frescos para a final, havendo nesta fase da temporada jogadores com sinais visíveis de desgaste, casos de Bosingwa, Pedro Emanuel, Raul Meireles e outros que têm feito parte das primeiras opções de Jesualdo Ferreira.

Esta é uma ideia com a qual eu não discordo totalmente...

2 comentários:

  1. Aquilo foi apenas a caricatura do campeão e não vai voltar a acontecer. As razões são várias para que tenha acontecido e a minha teoria é a seguinte;depois da conquista do título houve descompressão, mas nunca uma descompressão total: em primeiro porque havia a meia-final da taça, depois era o Benfica e contra o Benfica não pode haver facilitismos, depois, podia haver, mas aconteceram todas aquelas ininuações acerca do jeito ao Guimarâes e poupanças para a frente e para trás, até que este jogo com o Nacional, onde já não havia nada a ganhar ou a perder...foi o relaxamento total, só que ninguém esperava que tivesse consequências tão desastrosas.
    Resumindo no sábado vai voltar tudo à primeira forma e o Porto natural vai estar na Figueira da Foz.
    Concordo com tudo o que diz acerca do Zé Bosingwa.
    Um abraço
    dragaodoente.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Sinceramente, julgo k o mais importante, nesta fase, é mesmo sair do campeonato com dignidade. A rotação do plantel tem sido efectuada, e a prematura saída da Champions poupou um desgaste acentuado nas pedras basilares do conjunto portista.

    Por isso, nem que seja como forma de rectificação do descalabro perante os madeirenses, o jogo perante a Naval tem que ser levado com seriedade e profissionalismo...

    Depois, faltará uma semana para a final da Taça, tempo mais k suficiente para recuperar quem quer k seja.

    Qt a Bosingwa, subscrevo por baixo o k foi dito.

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.