quarta-feira, 14 de abril de 2010

Taça de Portugal meias-finais - FC Porto 4 Rio Ave 0

14/04/2010 - Após uma primeira parte (exasperante) jogada ao ralenti pela equipa Azul e Branca, sucedeu uma segunda parte jogada em bom ritmo, já muito próximo da velocidade de cruzeiro.
Destaques: Addy, um jovem com larga margem de progressão e Orlando Sá um avançado que demonstra ter boa técnica, ser rápido a executar, enfim um dianteiro que com um pouco mais de ritmo e experiência poderá vir a ser muito importante na equipa dos Dragões!


FINAL DA TAÇA CONFIRMADA COM GOLOS DE BANDEIRA
O FC Porto «carimbou» o passaporte para a sua 27.ª presença numa final da Taça de Portugal, ao bater o Rio Ave, na segunda mão da meia-final, por 4-0. Depois de terem vencido no terreno do adversário por 3-1, os Dragões quiseram sublinhar a diferença de qualidade entre as duas equipas, garantindo que esta seria uma eliminatória «sem espinhas». Mas, acima de tudo, o encontro desta quarta-feira valeu pela beleza dos tentos apontados por Belluschi, Guarín, Ruben Micael e Falcao.
Apesar dos dois golos de vantagem trazidos de Vila do Conde, o FC Porto entrou no jogo com uma postura dominadora, não proporcionando ao adversário qualquer expectativa dum volte-face «milagroso». Aos 12 minutos, Bruno Alves deixou o aviso, com um cabeceamento por cima da baliza, após canto cobrado por Valeri. O primeiro grande momento surgiu oito minutos depois: Belluschi cobrou um livre directo em jeito de «folha seca», com a bola a sobrevoar a barreira e Carlos a ficar pregado ao relvado.
Até ao intervalo, a equipa do FC Porto teve várias oportunidades para dilatar a vantagem, a mais flagrante das quais foi uma grande penalidade desperdiçada por Farías, que Carlos defendeu com mérito, aos 33 minutos. Orlando Sá também esteve, em duas ocasiões, perto de marcar. Do outro lado, refira-se uma excelente defesa de Beto, com um golpe de rins que conseguiu evitar que um cabeceamento traiçoeiro de Ricardo Chaves resultasse em golo, aos 38 minutos.
Com 1-0 ao intervalo, poderia esperar-se uma etapa complementar com poucos motivos de interesse, mas, face à beleza dos golos portistas, por certo que os espectadores não deram o seu tempo por mal empregue. O ataque portista ganhou novo fôlego com as entradas de Hulk e Falcao, mas seria Guarín a fazer o 2-0, na primeira vez em que tocou na bola. O colombiano ajeitou com o pé esquerdo e largou uma «bomba» com o pé direito, aos 79 minutos.
Mas o festival de bom futebol não se ficou por aqui. Aos 86 minutos, Hulk rompeu na direita e o ressalto foi parar aos pés de Ruben Micael, que, à entrada da área, colocou a bola no ângulo da baliza de Carlos. O guardião ainda ficaria uma última vez no jogo sem reacção: dois minutos depois dos 90, Valeri executou um cruzamento perfeito na esquerda, a que Falcao (quem mais?) correspondeu com um cabeceamento eficaz. Pode não ter sido o tento mais espectacular da noite, mas valeu pela sua simplicidade. Em Maio, a final da Taça será por certo um momento de grande festa, com FC Porto e Desportivo de Chaves a partilharem um encontro de sabor nortenho.
FICHA DE JOGO - Taça de Portugal, VII eliminatória, segunda-mão

Estádio do Dragão, no Porto
Árbitro: Hugo Miguel (Lisboa) - Assistentes: Ricardo Santos e Hernâni Fernandes Quarto árbitro: Luís Estrela


FC PORTO: Beto; Fucile, Maicon, Bruno Alves e Addy; Fernando, Belluschi, Valeri e Ruben Micael; Farías e Orlando SáSubstituições: Farías por Falcao (63m), Orlando Sá por Hulk (63m) e Fernando por Guarín (79m)Não utilizados: Nuno, Alvaro Pereira, Nuno André Coelho e Tomás CostaTreinador: Jesualdo Ferreira

RIO AVE: Carlos; Zé Gomes, André Vilas Boas, Fábio Faria e Sílvio; Wires, Ricardo Chaves e Adriano; Bruno Gama, Nélson Oliveira e SidneiSubstituições: Adriano por Tarantini (46m), Sidnei por Evandro (68m) e Ricardo Chaves por Tiago Terroso (84m)Não utilizados: Mora, Gaspar, Bruno Fogaça e ChidiTreinador: Carlos Brito

Ao intervalo: 1-0Marcadores: Belluschi (20m), Guarín (79m), Ruben Micael (86m) e Falcao (92m)Disciplina: cartão amarelo para Fucile (52m)
JESUALDO FERREIRA: «PODÍAMOS TER FEITO MAIS GOLOS»
A vitória convincente sobre o Rio Ave, Por isso, Jesualdo Ferreira preferiu acentuar o desempenho dos jogadores, sublinhando o seu crescimento. Falou de quatro golos bonitos e, na qualidade de transmontano, mostrou-se agradado por disputar uma final inédita frente ao Desportivo de Chaves.Inédito
«É uma final inédita, que queremos ganhar. Fica aqui um acento de simpatia e de parabéns ao Desportivo de Chaves, que, no seu percurso, eliminou duas equipas da Liga, aos flavienses e ao nordeste transmontano.
Fechar a ganhar
«Nós, FC Porto, habituados a ganhar, queremos conquistar títulos. Não me parece que seja um jogo de grau de dificuldade menor por se tratar do Desportivo de Chaves e queremos encerrar a época com a conquista de mais um título.»
Quatro golos bonitos
«Na primeira parte, faltou-nos algum jogo exterior para podermos ser mais agressivos, mas as alterações acrescentaram mais eficácia. Fizemos quatro golos bonitos, podíamos ter feito outros.»
Bons momentos
«Defendemos bem e a vitória por números claros expressa aquilo que foi o jogo. Creio que tivemos momentos bons. Fica o registo de bons apontamentos de jogadores que têm jogado pouco.»
Jogadores a crescer
«O FC Porto vem de uma séria de vitórias, a jogar bem, marcando muitos golos e pretendemos continuar assim. Para nós, todos os jogos são para ganhar. Há uma série de jogadores que cresceram muito e a equipa beneficia com isso.»

1 comentário:

  1. Mais uma vitória, mais uma entrada lenta com ascendente do adversário. Não havia necessidade da marcação da falta que dá o primeiro golo, porque não existiu, porque não fazia falta, porque era muito melhor que não fosse marcada.
    Quatro grandes golos, 3 grandes pontapés e mais uma grande cabeçada de um grande jogador - tanta letra de slbs e acho que o jogador que tem mais mercado, assim quisesemos, era Falcão. O regresso de Fucile e do sossego e o regresso à liga contra o Guimarães deve ser bem mais complicado. GRANDE, GRANDE SÓ A CLAQUE SEMPRE DE PÉ NA TÁBUA. Saudações Portistas

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.