sexta-feira, 28 de setembro de 2012

FC Porto- Wikipédia- A enciclopédia livre

O Futebol Clube do Porto MHIHMHM é um clube multidesportivo português da cidade do Porto. Dedica-se principalmente ao futebol.
Fundado em 1893 por António Nicolau d'Almeida, é um dos clubes mais antigos da história do futebol português. Conquistou diversos títulos nacionais e internacionais ao longo da sua história, entre eles 26 Campeonatos Portugueses, 16 Taças de Portugal, 4 Campeonatos de Portugal, 19 Supertaças, 2 Ligas dos Campeões, 2 Ligas Europa, 1 Supertaça Europeia e 2 Taças Intercontinentais,[1] o que faz do FC Porto o clube português com mais títulos no futebol.[2] O seu maior rival é o Benfica, e um jogo entre estes dois clubes diz-se de Clássico. O FC Porto joga atualmente no Estádio do Dragão, que tem uma capacidade de 52 000 lugares.[3] O hino do FC Porto foi escrito por Heitor Campos Monteiro e composto pelo maestroAntónio Figueiredo e Melo.[4]
Além do futebol, o FC Porto possui outras modalidades tais como o hóquei em patins, o andebol, entre outros.


Fundação do Foot-Ball Club do Porto
O clube foi fundado sob o nome Foot-Ball Club do Porto no dia 28 de setembro de 1893 por António Nicolau d'Almeida,[5] um comerciante de vinho do Porto que descobriu o futebol nas suas viagens a Inglaterra.[5] A fundação do Foot-Ball Club do Porto foi notícia nos jornais da época[6] e o evento mais significativo desta primeira e breve existência do clube foi uma partida contra o Club Lisbonense,[5] com o alto patrocínio do Rei D. Carlos, disputada no Porto em 1894 e na qual cada clube representou a sua cidade.[7] Em 1896, António Nicolau d'Almeida casa-se com Hilda Rumsey, e esta pede-lhe para se afastar do futebol, que considerava uma modalidade demasiado violenta.[7] António aceita o pedido e afasta-se do clube que entrou num período de letargia.[7]
[editar]Os primeiros anos: Futebol Clube do Porto
Doze anos depois, em 1906, José Monteiro da Costa regressou de Inglaterra,[8] fascinado pelo mesmo desporto que encantara o seu amigo há mais de uma década e resolveu criar uma equipa de futebol. Foi então que António Nicolau d'Almeida lhe falou do projeto que iniciara em 1893, e José Monteiro da Costa não hesitou. Membro de uma associação denominada Grupo do Destino,[9] sugeriu aos seus colegas que embarcassem com ele na aventura, ao que a maioria acedeu. Terminava o Grupo do Destino e renascia o FC Porto,[5][9] em agosto de 1906, assumindo desde logo uma faceta de clube eclético, no qual se praticavam também atletismo, boxe, ténis, halterofilismo, luta, patinagemnatação.[8][10] Decidiu que o nome do clube se mantinha e que as cores das camisolas dos atletas do FC Porto iam ser as cores da bandeira da Pátria, que era o azul e branco naquela altura.[8]
O seu primeiro campo, o Campo da Rainha (que data do ano de refundação do clube),[10] foi o primeiro relvado em Portugal.[11] O FC Porto foi também a primeira equipa portuguesa a receber um conjunto estrangeiro, o Real Fortuna de Vigo, em 1907, em que o FC Porto ganhou por 4–1.[12] Em 1911, o FC Porto vence a Taça José Monteiro da Costa, o seu primeiro título de sempre, criado em homenagem ao refundador do FC Porto,[13] que tinha saído do cargo de presidente no mesmo ano.

O antigo estádio do FC Porto - o Campo da Constituição.
Ainda que forçada pela construção de uma fábrica no espaço do antigo recinto, a mudança para o Campo da Constituição em 1913 correspondeu a uma significativa melhoria das instalações.[14] Simultaneamente, o FC Porto crescia a nível desportivo, tendo vencido a primeira prova de âmbito nacional na história do futebol português, em 1922 – o Campeonato de Portugal.[15] Nesse mesmo ano, o futebolista Simplício, também artista gráfico, conjugou o antigo símbolo do FC Porto com as armas da cidade do Porto, dando origem ao atual emblema do clube,[16] datando da mesma altura o hino do FC Porto, com letra de Heitor Campos Monteiro e música do maestro António Figueiredo e Melo.[4]
Em meados dos anos 30, o FC Porto conhecia uma dimensão tal que o Campo da Constituição já parecia pequeno demais. Começaram então os planos para a construção de um novo estádio.[14] Como este demoraria década e meia a surgir, foi necessário procurar uma solução temporária, passando o FC Porto a jogar alguns jogos no campo emprestado doSport Progresso (Campo do Ameal) ou do Académico (Estádio do Lima).[17]
Entretanto, a equipa passava 15 anos sem títulos, entre 1941 e 1955, chegando mesmo a ficar em 7° lugar no Campeonato, na época de 1942/43.[18] Porém, mesmo não vencendo competições oficiais, foi responsável pela mais significativa adição à sala de troféus do FC Porto na altura – em 1948 venceu o Arsenal, considerada a melhor equipa do mundo, no Estádio do Lima.[5] Apesar de ter sido apenas um amigável, sócios ofereceram ao clube um troféu com mais de 300 quilos, 130 dos quais em prata maciça.[19]

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.