sábado, 25 de outubro de 2008

FC Porto 2 Leixões 3

*
À atenção da FC Porto-Futebol-SAD.
Está mais que visto que a dupla Jesualdo Ferreira José Gomes, não funcionou em lado nenhum nem funciona agora. Atrevo-me mesmo a admitir que os êxitos alcançados no passado recente se devem à dupla: Jesualdo Carlos Azenha.

Desde cedo a equipa do FC Porto deu uma pálida imagem de si parecendo uma equipa cansada. Desgarrada, sem velocidade, desorganizada, muito individualista, enfim uma tristeza para os adeptos.
Contra certas opiniões que vão de certeza crucificar o Nuno, eu afirmo: A não ser no golo do Lisandro quando é que os jogadores do Leixões permitiram aos avançados do FC Porto chutar à baliza sem oposição?! Nunca com excepção do tal golo. Em contra partida os jogadores do Leixões puderam rematar quase sempre livremente( a seu bel prazer) sem que algum dos adversários estorvasse. Conclusão: neste jogo o meio campo da equipa do FC Porto não funcionou e com a falta dele aconteceu o descalabro ao resto da equipa.

Por outro lado os adversários, a equipa do Leixões, chegaram quase sempre primeiro à bola. Fecharam-se muito bem a defender posicionando a equipa toda atrás da linha da bola, para a seguir quando a conquistava, então de posse dela, destender-se como um autentico armónio bem elaborado. A defender esta equipa do Leixões fez-me lembrar o Dinamo de Kiev, pela forma como pressionou e pelo modo como tapou as faixas laterais. A atacar, em determinadas alturas, o Leixões conseguiu desenvolver autenticas jogadas de mestre ao primeiro toque. Muito bem!

PS - A equipa técnica precisa de ser reciclada, pois tem demonstrado incompetência.
Acho uma autentica estupidez atribuirem os desaires da equipa aos jogadores. Os jogadores fazem o melhor que podem e sabem. Quem deve ser responsabilizado é a actual equipa técnica por incompetência. Os êxitos passados recentes dos últimos 2 anos devem ser atribuidos quase na sua totalidade ao Carlos Azenha e não ao Jesualdo Ferreira. Eventualmente já a precisar de ser reciclado. Quando o Carlos Azenha saíu, saíu o melhor dos dois técnicos.
O técnico Mota do Leixões tambem iniciou a época tendo que construir uma equipa e neste momento a equipa do Leixões já está a jogar como "gente grande"!!!

FICHA DO JOGO
Liga Portuguesa 2008/09 – 6ª Jornada25 de Outubro de 2008Estádio do Dragão, no Porto Assistência: 37.408
Árbitro: Paulo Baptista (AF Portalegre) Assistentes: José Braga e Carlos Pereira4º Árbitro: Pedro Vilaça

F.C. PORTO: Nuno; Sapunaru, Rolando, Bruno Alves e Lino; Raul Meireles, Tomás Costa e Lucho «cap.»; Hulk, Lisandro e RodríguezSubstituições: Lino por Candeias (32m), Sapunaru por Mariano (64m) e Rodríguez por Farías (75m)Não utilizados: Ventura, Pedro Emanuel, Guarin e FernandoTreinador: Jesualdo Ferreira

LEIXÕES SC: Beto; Vasco Fernandes, Joel, Elvis e Laranjeiro; Bruno China «cap.», Hugo Morais, Roberto Sousa e Braga; Diogo Valente e MarquesSubstituições: Diogo Valente por Zé Manel (62m), Marques por Roberto (72m) e Braga por Sandro (88m)Não utilizados: Berger, Ruben, Diogo Luís e NwokoTreinador: José Mota

Ao intervalo: 1-2Marcadores: Bruno China (3m), Braga (29m), Lucho (36m g.p.), Lisandro (61m) e Braga (79m)Disciplina: Cartão amarelo a Joel (35m), Lisandro (37m), Sapunaru (64m), Braga (76m), Elvis (77m) e Beto (90m).

2 comentários:

  1. Monbteiro, concordo com muito do que dizes, mas ontem, mesmo jogando mal, mesmo o Leixões fazendo um grande jogo, só não demos a volta porque o treinador fez uma coisa absolutamente inacreditável e que ninguém, mas mesmo, ninguém, entendeu que foi a ida do Mariano para o lado esquerdo da defesa.
    Mais depois de ver que o Leixões estava a criar perigo por aquele lado - golo mal invalidado - não mexeu.
    Uma tristeza!
    Quandto ao Nuno, é agora aos trinta e quatro anos que lhe descobriram tantas qualidades?
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Não chega apenas TENTAR Vencer...foi o que a equipa portista fez neste jogo, apenas TENTOU..!!

    Abraço, http://varanda-do-dragrao.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.