terça-feira, 30 de setembro de 2008

Arsenal vs FC Porto - Fase de grupos - Época 2008/09










29-09-2008 FUTEBOL
Jesualdo Ferreira: «A nossa preocupação é discutir o jogo»

Rigor e humildade. É esta a mistura que Jesualdo Ferreira quer ver no F.C. Porto que amanhã subirá ao relvado do Emirates Stadium, para discutir a segunda jornada do Grupo G da UEFA Champions League. Só assim, o Dragão poderá discutir o jogo e, claro, vencer, objectivo que persegue em Londres como em qualquer ponto do planeta futebol.
FCP: Será neste jogo que o F.C. Porto vencerá pela primeira vez em Inglaterra?
Jesualdo Ferreira: O histórico do F.C. Porto em Inglaterra não é positivo, se encararmos o positivo pelo facto de se ganhar mais vezes… O F.C. Porto nunca ganhou em Inglaterra e isso prova o grau de dificuldade dos jogos realizados e a dificuldade do jogo de amanhã, mas em qualquer momento o F.C. Porto tem uma equipa que quer ganhar e vai partir amanhã com essa ideia clara.
FCP: Quais as probabilidades de alcançar um resultado positivo?
JF: As probabilidades do F.C. Porto num jogo deste tipo, especialmente quando se joga o segundo jogo da fase de grupos da UEFA Champions League, são difíceis de contabilizar. O que sabemos é que o Arsenal é uma grande equipa. Joga sempre com a ideia de ganhar. O F.C. Porto também. O Arsenal joga no seu estádio, num momento em que parece bem, por isso será a equipa que seguramente exercerá um domínio, se o F.C. Porto consentir. E nós não vamos consentir. Definir margens de favoritismo não tem sentido. Será um jogo com grau de dificuldade elevado. Vamos tentar jogar claramente para ganhar. Um bom resultado é sempre qualquer coisa que se possa avaliar depois do jogo acontecer. Há empates que são positivos, outros que não. Há vitórias que ficam como resultado e não fica o que se produziu. Tudo isso deve ser avaliado no fim.

FCP: A vinda do Lucho significa que não há dúvidas quanto à sua utilização?
JF: O Lucho veio porque apresenta sinais de que pode jogar. Em nenhum momento convoco um jogador se não der indicativos de que pode jogar. Se vai estar ou não em condições, analisaremos hoje ainda e, especialmente, amanhã.

FCP: O facto de o F.C. Porto ter um clássico na próxima jornada do campeonato condiciona de alguma forma ou mexe com as suas opções?
JF: Não mexe nada. O jogo é importante para o crescimento destes jogadores. As equipas crescem quando interpretam os jogos e os resultados. O jogo com o Sporting não vai condicionar este jogo.

FCP: O último resultado do Arsenal terá alguma influência?
JF: Acho que não. São dois jogos completamente diferentes. Nos jogos da Champions as equipas têm comportamentos distintos. Não é por menos interesse, é porque são diferentes e os adversários são diferentes. Para além do dinheiro que pode oferecer, a Champions é muito importante para a evolução dos jogadores e isso é muito importante para qualquer clube.

FCP: O Arsenal tem sofrido muitos golos de bola parada. Este foi um facto importante na preparação deste desafio?
JF: Todas as acções da preparação são importantes, mas se pensássemos apenas que podíamos marcar de bola parada, estaríamos a limitar o nosso jogo. Este é apenas um dos aspectos do jogo. Só influencia o quadro psicológico.

FCP: Exige hoje o mesmo que exigia há dois anos, quando cá esteve com o F.C. Porto?
JF: Tinha pouco mais de um mês no F.C. Porto... Perdemos e bem. O Arsenal tem muitos jogadores dessa altura. Saiu o Henry e o Hleb, de resto estão cá todos, mais maduros. Claro que isso influencia os jogos. Naquela altura o F.C. Porto não foi capaz de acompanhar o ritmo, mas depois organizou-se e apurou-se com um fim de grupo muito bom. No momento a única coisa que podemos afirmar é que há mais jogadores do Arsenal com mais experiência e menos jogadores do F.C. Porto com essa experiência. Não é determinante, mas é factor importante.

FCP: Que Porto quer ver neste estádio?
JF: Quero ver aquilo que o F.C. Porto é capaz de fazer, transcendendo-se em todos os aspectos. Estes jogos exigem imensa concentração, o que até é um lugar comum. Quero um Porto que tenha rigor e grande humilde. Temos de ser uma equipa humilde para fazer um bom jogo. A nossa preocupação é discutir o jogo. Temos confiança no que somos capazes de fazer.

FCP: O optimismo que apresenta é por convicção ou advém da confiança que tem na equipa?
JF: É as duas coisas, pois foi esse o trajecto que fizemos em conjunto. Há dois anos o F.C. Porto vinha de uma remodelação grande, mas tentámos preparar os jogadores para jogarem sempre para ganhar. E isso foi visível na época passada e este ano está a dar os primeiros passos. Os princípios e os conceitos não mudaram. Não podia ter outra postura.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.