segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Bolatti : "El Gringo" de Cordoba. Que é feito de ti?

*
A sua simples presença no meio-campo chama a atenção. Alto e louro, Mario Bolatti procura, sempre que pega na bola, colocar ordem no jogo. Com a passada larga, antecipa-se, corta e sai a jogar. Nas alturas, o seu jogo de cabeça marca a diferença. Falta-lhe velocidade, mas, tacticamente, o jogo não tem segredos para ele.
Na Bombonera, perante um Boca Juniores meio adormecido, a pensar na final da Copa Libertadores que se joga quarta-feira, El Gringo Mario Bolatti confirmou os traços que fazem dele um dos melhores médios defensivos do actual campeonato argentino. Fez um jogo a dois ritmos. O primeiro, mais lento e pausado. O segundo, com maior velocidade. No corredor central, partindo da frente da defesa até meio do meio-campo adversário, ocupa os espaços com perfeita disciplina táctica. Em posse, cabeça levantada, joga simples, fazendo girar a bola em um-dois toques. Com isso, a equipa avança de forma apoiada. Perdida a bola, logo recua para fechar em antecipação, interceptando linhas de passe. Parece algo lento, mas, com a sua passada larga, consegue acelerar o jogo com facilidade. É o chamado falso-lento. Nunca chega atrasado ás bolas divididas e, quando tem espaço, sabe avançar com a bola dominada. Isto é, se o jogo aumentar de ritmo, ele acompanha-o. Mas raramente é ele, por si só, que lhe mete uma segunda velocidade. Poderá, por isso, sentir, no início, o impacto com o ritmo mais alto do futebol europeu. Será uma questão de dar maior intensidade de jogo aos seus movimentos.
Em 4x4x2 ou 4x1x3x2: Recuperador e transportador
Em termos de posição, Bolatti é o clássico nº5 argentino, o volante que joga à frente da defesa. Nessa zona, pode jogar como pivot-defensivo único ou acompanhado. Contra o Boca Juniores, alinhou nas duas situações. Como não é daqueles trincos que se encostam aos centrais, parece mais confortável com outro médio de contenção ao lado que o liberte para sair na transição defesa-ataque. Foi assim que iniciou o jogo, em 4x4x2, ao lado de Yllana, mais recuado. Frente aos dois fortes médios-centro do Boca (Battaglia-Orteman), Bolatti preocupou-se sobretudo em pressionar na recuperação da bola. Nunca fez, no entanto, um tackle. Revelou, até, pouca agressividade nos lances de choque, mas a verdade é que basta esticar as suas longas pernas para ganhar uma bola dividida. No segundo tempo, a perder, o técnico fez sair Yllana e meteu um médio mais ofensivo (Suarez), passando a jogar em 4x1x3x2, com Bolatti a pivot-defensivo único. Teve, no entanto, liberdade para subir. Foi então que aumentou a sua velocidade e emergiu como transportador de jogo. Pegava na bola à entrada da área e, depois, já no meio-campo, adversário, organizava jogo, ora metia a bola na direita, ora abria na esquerda, mas sem nunca tentar o remate. Nas bolas paradas surgiu sempre na área para explorar o seu forte jogo de cabeça.Em suma, Bolatti é, de facto, o tal médio robusto que Jesualdo procura, capaz de unir o momento defensivo e ofensivo da equipa. Fisicamente e no estilo é até parecido com Kaszmierczak. Também é muito forte no jogo aéreo, mas precisa, claramente, de aumentar a intensidade do seu jogo para triunfar na Europa.

Onde encaixa no actual FC Porto?
Pensando no 4x3x3 preferencial do FC Porto de Jesualdo, Bolatti pode alinhar como pivot-defensivo único (o lugar habitual de P. Assunção). É a posição ideal para exibir a sua capacidade de recuperação de bolas, marcando à zona nesse espaço e, depois, em posse, jogar simples para os outros médios assumirem a transição. Também poderia jogar como interior direito, um pouco mais adiantado, num dos vértices do triângulo, aproveitando a sua capacidade de defender e atacar, mas para jogar nessa posição ainda lhe falta velocidade. Por isso, é arriscado jogar nessa posição logo após a sua chegada. Em 4x4x2, parece ser mais problemático de encaixar, pois, nesse sistema, Jesualdo joga em losango e não com duplo-pivot como fazem na Argentina. Descaído sobre uma das alas do losango, o futebol de Bolatti seria ideal para fechar em recuperação, mas sentiria algumas dificuldades, depois, no momento de dar profundidade à posição. Com um jogador da sua inteligência táctica, o FC Porto ganha, no entanto, um médio capaz de dar maior consistência defesa-ataque-defesa ao seu meio-campo, algo que faltou na época passada (sobrecarregando Lucho). Ou seja, Bolatti é robusto e tem potencial. Agora, caberá a Jesualdo incutir intensidade europeia ao seu ritmo de jogo.

Técnica
Domina, na perfeição, os conceitos de recepção e passe. Controla a bola, levanta a cabeça e faz o passe, quase sempre curto.
Raramente joga longo. Prefere quase sempre uma linha de passe lateralizada, jogando apoiado. Tem de ganhar mais confiança para executar também passes verticais.
Táctica
Perfeita a ocupação dos espaços. Nunca perde o sentido posicional quando sobe no terreno, mantendo uma consistência defensiva impecável. Corta e recupera bolas. A atacar, faz girar a bola, e desenha linhas de passe com grande lucidez.
Velocidade
Não é um jogador muito rápido. Prefere jogar em antecipação, mas sabe aproveitar os espaços vazios e quando aumenta a sua passada larga é muito difícil de ser travado.
Pé direito
O seu melhor pé. Aquele com que tem segurança e precisão no passe.
Pé esquerdo
Serve essencialmente de apoio ou na recepção. Raramente o arrisca no passe, preferindo quase sempre, nesses casos, puxar a bola para o pé direito
Jogo Aéreo
É um dos seus pontos fortes. Sobe sempre nas bolas paradas e, mesmo marcado, chega sempre mais alto. É raro, porém, rematar. Nas alturas, procura antes assistir os companheiros, o que faz muito bem. Até os lançamentos de linha lateral são sempre longos para aproveitar o seu jogo aéreo.
Personalidade
Embora não seja o tradicional nº5 caudillo sul-americano, respira tranquilidade em campo. Um controlo emocional mais próximo do norte da Europa do que da América do Sul.
Capacidade atlética
Imponente (1,89m. e 81kg). Em campo, essa força vê-se na facilidade com que ganha bolas divididas, só de esticar a perna. Como entra muitas vezes à queima, esta força física leva-o a ver várias vezes o cartão amarelo (13 em 34 jogos esta época).
Primeiro ponto. O médio argentino é mesmo uma torre, que impressiona pela presença em campo, sendo juntamente com Helton dos jogadores mais altos do plantel. De passada larga, ocupa os espaços com muita rapidez e, em estratégia defensiva, é um muro para os adversários. Os companheiros que ontem o tiveram como adversário num mini-jogo sentiram isso na pele. Mas Bolatti não é só força e centímetros, longe disso. Tem técnica em abundância para sair do meio-campo defensivo com a bola controlada, conseguindo ultrapassar adversários. No entanto, talvez esteja na qualidade do passe o melhor atributo do argentino, jogando simples e fazendo uma rápida transição do jogo. Tudo o que Jesualdo Ferreira quer para o FC Porto, prometendo com estas características ser um sério concorrente de Paulo Assunção, conhecido exactamente por ser um jogador simples e eficaz. Por ausência desse tipo de exercícios, faltou ver como o médio se exibe no jogo aéreo.

5 comentários:

  1. Meu caro Monteiro se fores atrás e leres o que eu escrevi sobre M.Bolatti, verás que eu penso e escrevi-o, que achava que era jogador e ia singrar. O facto é que ele teve várias hipóteses e nunca aproveitou, ao ponto de definitivamente, Jesualdo não contar com ele. Fazia-lhe bem ir rodar para outro clube - português - para, jogando sempre, poder colocar cá fora todo esse potencial, que tu e eu lhe reconhecemos. Não quis e no F.C.Porto é uma carta fora do baralho. Pode ser que no futuro com outro técnico que lhe consiga transmitir aquilo que o actual, está visto, não consegue.
    Para terminar: eu acho que ele joga melhor num sistema com 2 médios - como joga o Benfica - que é como jogava na Argentina.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Dragão Atento,

    Até acredito k Bollati seja um bom trinco. Mas a realidade portuguesa é, até hoje, elucidativa. Não foi capaz de se impor, em nenhuma das situações a que foi chamado à equipa...

    Por isso, por muitos elogios que descubras sobre ele, na Argentina, não será por isso que Jesualdo o colocará a titular. Aliás, parece-me claramente que o loiro argentino é uma carta fora do baralho, longe das opções técnicas e provavelmente com a carta de alforria já assinada...

    ResponderEliminar
  3. Só um "dragão atento" seria capaz de nos apresentar uma reflexão tão bem fundamentada .

    Parabéns !

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. Caros Amigos!
    Para aqueles que não acreditam no Bolatti,continuo a afirmar que o Jesualdo não lhe deu assim tantas oportunidades como vocês afirmam.
    Por exemplo:quando entrou ele logo de início num jogo da primeira equipa?
    Em contra partida o Fernando, embora esforçado,reconhecemos, demonstrou muita falta de serenidade no jogo com o Rio Ave,chegando por vezes a descontrolar-se com a bola nos pés em benefício dos adversários,e,no entanto o Profe continua a dar-lhe oportunidades.

    Abraço

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.