terça-feira, 30 de setembro de 2008

Escolha inquinada do Juiz que vai apitar o SCP xFC Porto

*
Aqui está uma prova, um bom exemplo, da falta de isenção de quem tem por missão seleccionar os árbitros, Vítor Pereira. Lucílio Batista conhecido (sportinguista) pela sua tendencia em prejudicar deliberadamente o FC Porto em todos os jogos em que apitou o FC Porto. É preciso um grande descaramento do "patrão" dos árbitros para escolher um juiz deste calibre, que se sabe, quanto mais não seja, na dúvida decidirá sempre contra o FC Porto. Foi este árbitro que permitiu que o Katsouranis partisse a perna ao Anderson, sem aplicar qualquer sanção no lance. Foi tambem ele que no tempo do JMourinho expulsou o Costinha num célebre jogo de Alvalade...etc...etc...! Em face da escolha deste árbitro para o jogo SCP x FC Porto, imagino já os adeptos do sporting a esfregar as mãos de contentamento. A escolha deste árbitro, pela sua tendencia a favor do clube de Alvalade,pelo seu descaramento em favorecer deliberadamente o sporting, pela sua incapacidade de despir a camisola do seu clube, representa à partida 50% de vantagem para a equipa da casa, ou seja, 50% da derrota do FC Porto.

1 comentário:

  1. Proezas do Lucílio B.

    Nessa final da Taça foi Lucílio que a ganhou e não o Benfica.
    J.Costa expulso depois de ter levado o 1º amarelo de forma injusta e uma dualidade de critérios sempre em favor do Benfica que só por cegueira o anónimo não viu.

    Katsouranis partiu uma perna ao melhor jogador do F.C.Porto no Dragão, e nem amarelo!

    F.C.Porto-Boavista, derrota dos Dragões no último minuto, com um golo em fora-de-jogo.

    Expulsão injusta do Costinha - obrigou o F.C.Porto a jogar 60 minutos com menos um - num Sporting 1- Porto 0.

    No tempo do Mourinho em Alvalade, prejudicou-nos, 2 anos seguidos: um os referidos 4 penaltis. E no ano seguinte marcou um penalti fantasma contra o F.C.Porto sobre o Liedson, depois de ter mandado recomeçar a partida com os jogadores portistas fora do lugar.

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.