sexta-feira, 23 de maio de 2014

FC Porto - O novo projecto do futebol

23/05/2014 - Declarações do novo técnico dos dragões que revelam inteligência e (acredito) competência e capacidade de liderança...!

Lopetegui falou sobre o projeto do FC Porto

 Numa entrevista à revista Dragões, Julen Lopetegui contou o que sentiu na primeira conversa que teve com Pinto da Costa durante as negociações que o trouxeram até ao FC Porto. "A primeira vez que falei com o presidente, ele transmitiu-me muita segurança e acreditava muito no que eu lhe dizia. Foi muito, muito fácil, foi muito rápido. O presidente queria um projeto, eu queria um projeto".

Lopetegui revelou ainda que sabe ser amigo dos jogadores, mas também confessou que sabe ser rigoroso. "Creio que sou amigo quando o devo ser, que sou rigoroso quando o devo ser. Não gosto da palavra severo, gosto mais de rigoroso e exigente, como exige esta profissão. Mas como em todas as relações profissionais, a primeira palavra que deve existir é respeito pela profissão".

 
PS -Iturbe (o incompreendido)

Vítor Pereira, treinador bicampeão pelo FC Porto, justificou o pouco uso que deu a Iturbe com as "muitas lacunas" apresentadas pelo jogador. Ninguém de boa-fé as desconhecia: para ele, defender era uma noção abstrata; jogar ao primeiro toque nunca lhe passara antes pela cabeça e só com alguns bons talhões de relva disponíveis conseguia ser decisivo, ora disparando, supersónico, por entre defesas apanhados em contrapé, ora chutando de longe com toneladas de potência.
Talvez alguns portistas tenham entendido este ponto de vista, mas não está na natureza dos adeptos deslembrar o resto; os poucos golos e jogadas que ia deixando cair (ou que lhe iam permitindo), entre toda a grande confusão que foi (de facto) o futebol dele em Portugal. Golos que só jogadores de elite alcançam, como sabem todos os que consomem jogos atrás de jogos à espera de momentos daqueles.
Não é fácil, para quem compra bilhete, abrir mão de um exemplar como Iturbe, mesmo pressentindo, eventualmente, que seria preciso dar-lhe uma volta completa para o moldar ao jogo do FC Porto.
Provavelmente, agora nunca será um jogador de espaços curtos e disponibilidade defensiva, como queria Vítor Pereira, até porque fez nome no Verona com o futebol oposto (em contra-ataque, também teria jogado no Dragão) e os clubes interessados já o querem por ter essas exatas características. Mas também nunca saberemos o que Iturbe poderia ser agora se Vítor Pereira, e depois Paulo Fonseca - ou melhor, para não cometer injustiças -
se o FC Porto tivesse olhado menos às "muitas lacunas" e mais ao "potencial inato". 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.