quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Taça da Liga- Rio Ave 0 FC Porto 1


     Rio Ave 0                                                                                          FC Porto 1
                                                       61'  Aboubakar 


 
Terça-feira, 30 Dezembro 2014 - 19:15 - Competição:Taça da Liga

Estádio:Estádio do Rio Ave FC (TV: SportTV)

Assistência:

Árbitro:Rui Costa (Porto) - Assistentes:Miguel Aguilar e João Silva

4º Árbitro:Iancu Vasilica

Rio Ave: 93 Ederson, 16 Nuno Lopes, 25 Roderick (c), 3 Prince, 21 Marvin Zeegelaar,

 
6 Luís Gustavo, 30 Wakaso, 11 Bressan (32'), 28 Del Valle, 77 Esmael , 33 Jebor

Suplentes: 1 Cássio, 44 Nélson Monte, 8 Tarantini, 20 Pedro Moreira, (73' Luís Gustavo)

10 Diego Lopes, (66' Bressan), 17 Ukra, (59' Esmael), 9 Hassan

Treinador: Pedro Martins

FC Porto: 25 Andrés Fernández, 21 Ricardo, 13 Reyes, 5 Marcano, 14 José Ángel,

 
6 Casemiro, 15 Evandro, 10 Quintero, 7 Quaresma (c), 18 Adrián López,
 
99 Aboubakar (70')

Suplentes: 1 Helton, 3 Martins Indi, 22 Campaña, (65' Quaresma), 30 Óliver Torres,

 
(84' Aboubakar), 8 Brahimi, (77' Quintero), 11 Tello, 80 Ivo Rodrigues

Treinador: Julen Lopetegui


 Aboubakar resolve

​Com várias mudanças no onze inicial e Ricardo Quaresma a capitanear a equipa no seu 200.º jogo de Dragão ao peito, o FC Porto não fugiu àquilo que têm sido os seus ideais nesta estreia vitoriosa na Taça da Liga, no terreno do Rio Ave, por 1-0. Dominadores, pressionantes e intensos, os azuis e brancos protagonizaram uma primeira parte de excelente nível, que, do outro lado, encontrou um guarda-redes à altura. Ederson foi a figura maior dos primeiros 45 minutos e negou uma mão-cheia de golos aos Dragões, que também acusaram alguma ineficácia do capítulo da finalização. Adrián López (5m e 12m) chamou a si o protagonismo inicial e desperdiçou as primeiras grandes oportunidades da noite, às quais Quaresma deu seguimento com um remate por cima em situação muito privilegiada, após cruzamento do avançado espanhol (16m).

À passagem dos 28 minutos, Ederson travou três remates num espaço de segundos e impediu um festejo que parecia certo. À “bomba” de Casemiro seguiu-se a recarga de Aboubakar e logo a seguir um cabeceamento de Evandro, mas todas as tentativas portistas esbarraram no mesmo obstáculo: Ederson. No minuto seguinte, Jebor testou os reflexos de Andrés Fernández e o guardião espanhol respondeu com segurança ao cabeceamento do avançado vila-condense, naquele que foi o último lance de verdadeiro perigo no primeiro tempo. Ainda que tenha feito consideravelmente mais do que o Rio Ave, o FC Porto não conseguiu desfazer o nulo até ao intervalo. A justiça tardava, mas acabaria por chegar.

Já depois de Adrián López ter deixado novo aviso com um remate ao poste (56m), foi na sequência de um canto cobrado por Quintero que o FC Porto conseguiu finalmente chegar à vantagem. Com persistência e perseverança, Aboubakar colocou o pé direito no caminho da bola aliviada por um defensor vila-condense e esta tomou caprichosamente a direcção da baliza, acariciando o poste antes de beijar as redes, e tudo perante o olhar indefeso de Ederson (61m). Estava finalmente desfeiteado o guardião brasileiro e desfeito o nulo, mas nem por isso os Dragões mostraram querer ficar por aqui. Momentos depois, Evandro ofereceu o 2-0 a Ricardo, mas Ederson voltou a brilhar (67m). Diego Lopes ainda fez
estremecer a baliza de Andrés Fernández com um forte cabeceamento à trave (70m), mas a reacção do Rio Ave não se reflectiu em muito mais.Com este triunfo, o FC Porto divide agora a liderança deste Grupo D da terceira fase da Taça da Liga com o União da Madeira, a outra equipa vitoriosa na primeira ronda. E são precisamente os madeirenses a visitar o Estádio do Dragão na próxima jornada da competição (13 de Janeiro, às 20h15).

 
Lopetegui: “Ganhar é sempre o nosso caminho”

Lopetegui satisfeito com a prestação dos jogadores menos utilizados na vitória sobre o Rio Ave


O FC Porto despediu-se de 2014 com uma
vitória, num jogo em que Julen Lopetegui incluiu vários jogadores menos utilizados no onze inicial que se apresentou no Estádio do Rio Ave. Ainda assim, o técnico espanhol mostrou-se “muito satisfeito” com o desempenho da equipa e não deixou de sublinhar a justiça do resultado, que até poderia ter sido outro ao intervalo, se os azuis e brancos não tivessem pecado na finalização.

“Na primeira parte, praticámos um bom futebol, mas que foi dificultado pelo relvado, que não se encontrava nas melhores condições e que, por isso, impediu que o jogo tivesse mais qualidade. Apesar disso, não conseguimos ser eficazes, tendo em conta que tivemos as oportunidades mais claras para nos adiantarmos no marcador, mesmo que o Rio Ave seja uma equipa que defende muito bem”, afirmou Lopetegui, em declarações no final do jogo.

O FC Porto chegou, finalmente, ao golo no segundo tempo, mas, para Lopetegui, até poderia ter feito mais, apesar de reconhecer que isso seria algo penalizador para os vila-condenses. “Tivemos várias situações para chegar ao 2-0, mas não posso deixar de estar satisfeito com os jogadores que, apesar de terem menos ritmo de jogo, mostraram uma excelente atitude e nunca deixaram de ser ambiciosos e intensos.”

Na opinião de Lopetegui, os dragões fizeram “um bom jogo", frente a uma equipa “muito difícil quando joga no seu estádio” e saíram de Vila do Conde com um “resultado justíssimo”, naquela que foi a sua estreia numa prova cujo objectivo é o mesmo de sempre: “O FC Porto tem sempre a ambição de ganhar todos os jogos e todas as provas em que está inserido. Este clube e esta camisola assim o exigem. Queremos ter um bom desempenho e isso não pode significar outra coisa que não seja ganhar. Ganhar é sempre o nosso caminho”, finalizou Julen Lopetegui.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.