segunda-feira, 9 de junho de 2008

ECA : castigo aos Dragões na agenda de quinta-feira

Marino Faccioli, director-geral do Lyon e representante do clube francês na direcção da Associação Europeia de Clubes (ECA), confirmou a O JOGO que aquele organismo enviou há dias um comunicado à UEFA a pedir que a suspensão do FC Porto da Liga dos Campeões não fosse levada em frente. "De facto, enviámos uma carta à UEFA manifestando o nosso apoio ao FC Porto e pedindo que a suspensão não fosse levada a efeito, uma vez que o caso ainda se encontra a ser apreciado ao nível interno, em Portugal, e não deveria, por isso, ter passado ainda para as instâncias europeias", explicou Faccioli a O JOGO. Mas, este apoio da ECA aos tricampeões nacionais ameaça transportar a "guerra interna" entre FC Porto e Benfica para o exterior, uma vez que o clube da Luz, também membro da associação, poderá beneficiar com a confirmação da suspensão dos dragões das competições europeias. "Vamos ver de que forma poderemos apoiar o FC Porto. Na quinta-feira, vamo-nos reunir para tratar de vários assuntos, entre eles este caso, e com certeza que iremos ter mais dados para analisar e ver de que forma poderemos actuar em função disso", argumentou. A reunião da próxima quinta-feira adquire, portanto, uma importância suplementar para o caso.
A ECA só recentemente foi criada, na sequência da dissolução do Grupo do G14, pelo que a fase transitória deste processo de transmissão de competências também não beneficia o FC Porto. Pinto da Costa revelou recentemente que o clube estava a trabalhar em consonância com especialistas estrangeiros para apresentar a sua defesa na UEFA, mas Faccioli apontou algumas limitações à ECA. "Devo recordar que os nossos poderes não são muitos e que, em consequência disso, também não temos grande margem de manobra para actuar. Lamentamos a situação do FC Porto, mas, pelo relacionamento que temos com o clube e pelos factos que nos foram transmitidos, garantimos que tudo faremos para os ajudar nestas circunstâncias, dentro daquelas que forem as nossas possibilidades", acrescentou por fim Marino Faccioli.
Além da sensibilidade que o assunto levanta em relação aos interesses do Benfica, recorde-se que o FC Porto também se socorre do exemplo da Juventus - um dos fundadores do G14 e da ECA - para argumentar contra a decisão da UEFA.
Um G14 mais alargado e menos elitista
A Associação Europeia de Clubes (ECA) herdou no início deste ano parte do espírito que levou à fundação do G14, que contou com o FC Porto, entre outros elementos, à nascença. A pressão exercida junto da UEFA pelo G14, com a instauração de vários processos em tribunal contra aquele organismo, acabou por se dissolver e dar origem à constituição da ECA. Com este novo formato, a associação manteve-se como um órgão independente e autónomo representante dos clubes europeus e conta já com 103 clubes de todas as 53 federações filiadas na UEFA. Os emblemas representados têm como base o ranking da UEFA e as suas federações mais bem colocadas de acordo com os seguintes critérios: as três federações com melhor ranking contam com cinco clubes; as três seguintes, quatro clubes; as federações colocadas entre o sétimo e o 15º lugar, três clubes; as federações classificadas entre o 16º e o 26º lugares, dois clubes; e as restantes federações, um clube. Nesta fase de transição, a ECA é governada por um conselho executivo provisório que representa os 16 membros fundadores - entre os quais o FC Porto - até às próximas eleições.

1 comentário:

  1. Depois da intervenção do Platini, acredito pouco na possibilidade do recurso do F.C.Porto ter sucesso.
    Vai ser o Tas a fazer Justiça.
    Um abraço

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.