segunda-feira, 16 de junho de 2008

Interpretação inquinada motiva "disco arranhado"


Continua a dança das interpretações opostas ao caso do castigo (antecipado/precipitado/fora de tempo) aplicado ao FC Porto .
O FC Porto entende que o clube é uma entidade inimputável, porque por si só (clube) não toma decisões. Assim sendo, qualquer procedimento, acção negativa ou positiva, terá sempre de ser imputada aos seus dirigentes e responsabilizados estes pelas suas atitudes, acções. E por pensar assim Jorge Nuno recorreu do castigo que lhe foi aplicado e encetou um combate, que tem de ser intuído como sem tréguas, a todas as posições que pretendem contrariar esta lógica.
Os próprios orgãos jurídicos da FPF (e não só, veja-se opinão de diversos catedráticos em direito desportivo) concordaram com esta tese, e, aceitaram como boa (lógica) esta interpretação, tendo acabado inclusivamente por convidar o FC Porto a juntar-se ao processo. O que foi feito.

Ora é precisamente esta interpretação dos factos que alguns dirigentes, e, departamento jurídico do SLB incluído, não aceita e contesta.
Referem que dado o FC Porto não ter recorrido da punição, consideram por esse motivo, o processo já ter transitado em julgado, e facto consumado, impossível de inverter.
Esta opinião (obsessão) deu lugar a um processo (encarniçado) contra o FC Porto , mais, contra tudo e todos aqueles que não (professem esta religião) comunguem destas ideias.
É por isso que o jornal "A Bola" d'hoje divulga, faz referência, a uma intenção do SLB em queixar-se à UEFA do Dr. João Leal, e, até ponderar uma queixa crime contra este dirigente da FPF, por ele (João Leal) ter aceitado e considerado que o recurso de Pinto da Costa produz efeitos (suspensivos) sobre o processo movido ao FC Porto clube.
Concluo portanto que adjectivar de "obsessão encarniçada ou de disco arranhado" esta atitude dos orgãos dirigentes do SLB, é capaz de não ser suficiente para ilustrar os sentimentos expressos pelos citados dirigentes do SLB nesta contenda...
Tudo levando a querer que vão continuar a dar muita luta e a insistir na deles... resta-me desejar-lhes que continuem a malhar (mas) em ferro frio...

2 comentários:

  1. Meu caro fez-se justiça e a Uefa já informou que o F.C.POrto está na L.dos CAmpeões.
    Estamos de parabéns.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Meu caro amigo tal como prometi, cá estou para ler o seu post e comentar.
    A maioria dos comentadores -Portistas e não Portistas- tem sido favorável à ideia de que a decisão tomada pela SAD em não recorrer do castigo aplicado pelo CD da Liga, foi uma opção errada e de consequências imprevisíveis...Na verdade, na altura, face à posição do Clube, muita gente ilustre ligada ao FCP decidiu castigar a SAD pela decisão tomada e esperou em pulgas, para ver os resultados que surgiriam...Até agora as coisas não lhe têm corrido de feição. Ainda bem, digo eu...
    Na verdade ainda é cedo para fazer uma avaliação definitiva, no entanto já deu para perceber alguma coisa:
    1º- Uma entidade abstracta -despida de consciência e capacidade de acção- como é o caso da Instituição FCPorto, não pode por si só cometer erros e por essa razão não pode ser inculpada, objectivamente, de um crime que não pode por si mesma cometer...
    2º- A Direcção eleita pode, devido a incorrecto comportamento, fazer reverter esse comportamento em prejuízo do Clube que dirige...
    3º- Este prejuízo só pode ser aceite em definitivo, se for comprovado em absoluto o referido comportamento incorrecto...

    Postos estes três pontos em cima da mesa temos a seguinte questão para resolver:
    Poderia ser aplicada qualquer pena à entidade abstracta, sem ter sido provado sem qualquer margem para dúvida, o ilícito que faz justa a aplicação da pena?...

    Para mim parece-me evidente que não!
    Para os senhores Ricardo Costa, Hermínio Loureiro e toda a comandita que clama por vingança há um bom par de anos, as coisas são, claro, muito diferentes...Urge, para esses senhores, castigar severamente, mesmo que esse castigo peque pelo ilícito de carecer de prova contundente!...
    Ainda hoje o "bruto" do Dias Ferreira afirmou algo que é evidente para toda a gente de bom senso, que a única coisa que ficou provada em toda esta história, provavelmente a única coisa que ficará definitivamente provada, foi o facto do árbitro Gomes Duarte ter estado em casa do senhor Pinto da Costa no dia anterior a um jogo em que ia arbitrar o FC do Porto!...
    O que se passou nesse encontro, não está, nem provavelmente estará alguma vez comprovado, que assumiu foros de tentativa de corrupção...
    Tudo é admissível, mas também por essa mesma razão, nesse lote deve entrar, a presunção de comportamentos perfeitamente justificáveis, ainda que eticamente menos cuidados...
    E aqui entra o problema, se não se conseguir comprovar -o que muitos pretendem conseguir a todo o custo- a "ilegalidade" do encontro, como poderá ser considerado "consumado" o ilícito e naturalmente por arrasto aplicado o castigo?...
    Daí que na minha mente, nunca tivesse tido dúvidas que a inocência de Pinto da Costa trará por arrasto -como o contrário também- a anulação do castigo lançado sobre o FC do Porto!...Se assim é, a sentença do CD da Liga não pode ter transitado em definitivo...Vontade de castigar existia, mas apenas isso...
    Um outra coisa me parece certa, ao não recorrer do castigo sobre o Clube, ficou eliminada a possibilidade de haver uma punição maior que a que foi já considerada adequada pelo Conselho de Disciplina...Por isso, seis pontos na pior das hipóteses ou absolutamente nada!...
    Daí, se compreender perfeitamente este desespero do Benfica, dos seus dirigentes!...Eles queriam um castigo certeiro e rápido, para não se poderem discutir as coisas com profundidade...Eles sabem que, se se discutirem as coisas com mais atenção, formalismo e transparência, sem atropelos e no cumprimento de todas as regras existentes, se se cumprirem todas as salvaguardas do Direito, as coisas ficam mais negras...Para eles!...

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.