quinta-feira, 12 de junho de 2008

FPF emendou a nota inicialmente enviada à UEFA sobre FCPorto

O Conselho de Justiça da FPF tem a mesma opinião dos serviços jurídicos da Liga: no que diz respeito ao FC Porto, as condenações do processo Apito Final não são definitivas. A informação já está na posse da UEFA, a cujas mãos chegou de forma inesperada: através de uma correcção feita pelo departamento jurídico da FPF à famosa nota do respectivo director, João Leal, em que o Comité Disciplinar da UEFA se baseou para abrir o processo que terminaria com a exclusão, em primeira instância, do FC Porto da próxima Liga dos Campeões.
É o mesmo João Leal quem assina a rectificação, datada de 2 de Junho, dois dias antes da decisão, ou seja, teoricamente a tempo de ser levada em conta. Nela, o chefe de serviços do Comité Disciplinar é informado de que, afinal, "caso seja concedido", o recurso de Pinto da Costa ao castigo de que foi alvo pela Liga, "pode beneficiar o FC Porto". A garantia é dada directamente pelo próprio Conselho de Justiça, indica ainda o director jurídico da FPF.
Sabendo-se que a defesa do FC Porto, no Comité de Apelo da UEFA, depende quase totalmente da necessidade de deixar claro que ainda não há uma condenação definitiva, ou seja, que ainda não está provado o ilícito necessário para o excluir da Champions, o esclarecimento do CJ pode ser uma arma importante na reunião de sexta-feira, em Nyon, mas não só.
Nos últimos dias abriu-se em Portugal uma nova frente de batalha, desta vez opondo Luís Filipe Vieira e o Benfica à directora-executiva da Liga, Andreia Couto, por esta ter dirigido aos serviços jurídicos do organismo que gere um pedido de esclarecimento, sobre o mesmo tema, feito pelo FC Porto. Na resposta, o consultor Rui Sá assina um parecer igual ao que consta na mensagem enviada por João Leal à UEFA há mais de uma semana, com a diferença de que, nesse documento, é o próprio Conselho de Justiça quem o afirma.

O deprimente LF Vieira na sua imagem de marca (vigarice)
Fica também explicado porque é que Vieira lhe viu negada, pela FPF, uma certidão dando como transitada em julgado, isto é, definitiva, a condenação do FC Porto. Aliás, sabe O JOGO, quando o presidente do Benfica se dirigiu, anteontem, à sede da FPF para pedir satisfações pela recusa, foi-lhe passada uma certidão alternativa, atestando que, sim senhor, estivera no edifício solicitando que o documento lhe fosse passado em 24 horas, mas que o Conselho de Justiça considerava haver naquele pedido matéria para ponderação, pelo que só lhe poderia dar resposta passados os 11 dias úteis regulamentares.

Amanhã, em Nyon, com a presença de Guimarães e Benfica, na qualidade de assistentes, será julgado pelo Comité de Apelo da UEFA o recurso que o FC Porto ontem entregou.

1 comentário:

  1. Será que vai a tempo?
    Como é possível este senhor João Leal, ser quem vai representar a F.P.F.Seria o cúmulo se ele agora não defendesse o F.C.Porto e fosse um representante dos vermelhos.
    Um abraço

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.