segunda-feira, 24 de maio de 2010

Bronca com a equipa do Benfica no Canadá

"Túneis" chegaram mesmo ao Canadá
FILIPE PEDRAS, ENVIADO ESPECIAL A TORONTO (CANADÁ)
Uma época quase inteira com tantos litros de tinta a correr face a incidentes nos túneis ao longo do campeonato não fazia prever cenário tão lamentável na digressão benfiquista. O jogo para nada contava - nem houve direito a troféu nesta Ontário Cup -, e previa-se apenas mais um amigável entre o emblema da Luz e, neste caso, o Panathinaikos. Pena, lá está, que a coisa tenha descambado para cenas de pancadaria entre os jogadores e pena também que a história deste jogo tenha de começar... por aqui, apesar de a confusão nem ter sido nos túneis de acesso aos balneários.
Tudo arrancou verdadeiramente ao minuto 26, depois de uma entrada de Airton (viu amarelo três minutos mais tarde) sobre um adversário. Os gregos iam respondendo quando podiam e, em mais uma cena lamentável, David Luiz até acabou por ser (justamente) expulso, ou não tivesse pisado o joelho de Marinos. Estava "incendiado" o ambiente num jogo que nem deveria ter rastilho. Já perto do final da primeira metade, César Peixoto cometeu falta sobre Leto - o argentino foi uma dor de cabeça para a defesa benfiquista - e o árbitro deu a primeira parte por terminada, sendo que Airton ficou com a bola nas mãos. Talvez por não terem percebido que a ordem era de regresso às cabinas, os gregos foram tentar tirar o esférico ao brasileiro, no sentido de cobrar a falta. Daí, resultam logo agressões ao camisola 2 - pelo menos uma chapada na cara - e, quando veio em defesa do compatriota, Sidnei também deu um soco e um pontapé num adversário. A confusão instalou-se, multiplicaram-se os braços e pés pelo ar, sem dar para perceber quais as investidas que, de facto, se efectivaram.
No meio, Rui Costa não teve mãos a medir para separar jogadores e acabou largos minutos a trocar impressões com jogadores do Pan" antes de estes rumarem aos balneários. Para se ter noção do quão rasgadinho esteve o "amigável" até ao intervalo, basta ver que fechou com quatro cartões amarelos (três para o Benfica e um para os gregos) e um vermelho, a David Luiz. É obra.
Ah, é verdade, houve um jogo. Esse, propriamente dito, teve mais posse de bola para o Panathinaikos e foi isso que também irritou os jogadores encarnados desde o apito inicial. Para quem marcou mais de 100 golos em jogos oficiais custou correr atrás da bola. E as águias já não sabiam o que era ficar em branco há meio ano: a última vez foi a 28 de Novembro do ano passado, na deslocação a Alvalade para a Liga.
Não se esperava grande espectáculo quando a ambas as equipas faltavam 11 jogadores. Se na primeira metade o destaque vai para os tristes incidentes, na segunda houve um jogo com poucos motivos de interesse. Valeu que, no final, os jogadores se tenham cumprimentado, como se espera, afinal, de um amigável. A equipa de arbitragem, essa, saiu sob escolta policial 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.