sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Jean Michael Seri é jogador do FC Porto

Segundo o Jornal OJogo, Jean Michael Seri, médio da Costa do Marfim, de 21 anos, já é jogador do FC Porto. O FC Porto garantiu o empréstimo de Jean Michael Seri, internacional sub-21 da Costa do Marfim, até ao final da época, com opção de compra.
Disputado também pelo Benfica, o médio de 21 anos, jogava no ASEC Mimosas, da Costa do Marfim. Estamos a falar de um médio de características defensivas, baixo e robusto (1,65m e 67kgs), e que tem criado uma onda de entusiasmo no seu país, tendo recentemente sido convocado para a seleção principal.
Jean Seri tem vindo a treinar à experiência na equipa B, onde agora deverá ser integrado, oferecendo a Rui Gomes uma alternativa a Mikel, até aqui o único médio-defensivo do conjunto. Mas segundo os técnicos, Jean Seri também pode jogar mais adiantado.

PS - A preparação física é fundamental (SCP)
Boulahrouz: "Este plantel precisa de alguém com mão firme, e isso não havia. 
Schaars: "Não tenho nada contra Sá Pinto, mas com ele os treinos eram pouco intensos. A preparação física não foi suficientemente intensiva, e isso é importante para se jogar um futebol bonito".
PS1 - Jelle Vossen explica que a primeira medida do belga num plantel é a imposição da disciplina.
Foi com Vercauteren que o internacional belga se afirmou : "O Franky é um grande treinador. Muito exigente, sim, é um disciplinador. Vou ficar-lhe sempre agradecido pelo que fez por mim; ele é de grande rigor. Com ele, toda a gente sabe o que tem a fazer dentro de campo, todos andam na linha. Ai de quem não andar - é bom que volte a ela depressa."
E o camisola nove do adversário dos verdes e brancos na Liga Europa resume: o que faz dum conjunto um coletivo à imagem do antigo craque belga. E refere: "uma equipa à imagem de Vercaureten é fácil de definir: tem de ser agressiva, mas honesta; tem de ter mentalidade vencedora. Todo o grupo tem de registar tudo, como faz um computador".
"Também sabe escutar"

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.