domingo, 11 de novembro de 2012

Liga Portuguesa- FC Porto 2 Académica 1

Ao intervalo 0-0
Perante uma Académica muito agressiva e compacta no seu meio-campo, a equipa portista não teve (para já) argumentos, nem velocidade, para contrariar a estratégia da equipa estudantil.
Resultado final 2-1.
Os Dragões entraram na segunda parte decididos a alterar a marcha do marcador pelo que aumentaram de velocidade, e no espaço de 15 minutos marcaram dois golos que poderiam ter sido mais não fora as decididas intervenções dos seus médios e defesas.
A equipa portista sem realizar um jogo brilhante conseguiu no entanto levar de vencida esta Académica, uma equipa difícil, que luta muito e que joga sempre atrás da linha da bola.
E talvez devido ao desgaste provocado na deslocação à Ucrânia não foi possível ao FC Porto realizar uma exibição mais convincente.
Destaques na equipa do FC Porto: na defesa; gostei muito do trabalho do Otamendi,  seguido de perto pelo Mangala sempre muito activo.
No meio-campo: Lucho continua a ser preponderante como organizador de jogo e a dar o exemplo, seguido de perto pelo Defour este sempre muito activo e esforçado.
No ataque: Varela não conseguiu ser tão influente no jogo da equipa como de costume, James muito marcado marcou um golo e mais não pôde fazer, e finalmente Jackson muito lutador mas muito marcado, desta vez não conseguiu concretizar qualquer golo.
Relato do jogo - Oito meses depois, o bicampeão voltou a consentir um golo no Dragão em jogos da Liga. Precisamente pelo Wilson Eduardo, o qual já marcara pela última vez no Porto. Antes de Wilson Eduardo porem, marcaram James e João Moutinho. Ainda antes de atingidos os dez minutos de jogo, já Jackson Martinez tinha ameaçado por duas vezes sem contudo lograr ter êxito. Errou na direcção do “chapéu” que tentou fazer a Ricardo quando este lhe saiu ao caminho e, pouco depois de ultrapassada a meia-hora, quando assistido por João Moutinho, preferiu o remate à meia-volta, com James mesmo ao lado e em condições de correr isolado para a baliza.
James mais tarde porem, pouco depois do recomeço, solicitado por uma perfeita assistência de Lucho, dominou, correu com a bola e à saída de Ricardo, James escolheu o lado mais difícil e marcou, entre o guarda-redes e o poste mais próximo.
Não passariam muito mais de dez minutos e a bola voltou a entrar na baliza da Académica e, pelo mesmo sítio. Desta vez o protagonista foi João Moutinho: com um remate preciso, desferido a mais de 20 metros, para o qual Ricardo voou sem conseguir deter a marcha da bola. O domínio portista ainda voltaria a ser questionado, contra a corrente do jogo, num excelente remate de Wilson Eduardo, a tempo de relançar o jogo com pouco mais de dez minutos para jogar.
FICHA DE JOGO - Liga, nona jornada
11 de Novembro de 2012 - Estádio do Dragão, no Porto- Assistência: 31.910 espectadores
Árbitro: Hugo Pacheco (Porto)
Assistentes: João Silva e Pedro Ribeiro
Quarto árbitro: Pedro Maia
FC PORTO: Helton; Danilo, Abdoulaye, Otamendi e Mangala; Defour, João Moutinho e Lucho (cap.); James, Jackson Martínez e Varela
Substituições: Varela por Atsu (63m), João Moutinho por Castro (85m) e James por Kelvin (90m+2)
Não utilizados: Fabiano, Iturbe, Miguel Lopes e Rolando
Treinador: Vítor Pereira
ACADÉMICA: Ricardo; João Dias, João Real, Flávio (cap.) e Nivaldo; Marinho, Makelele e Keita; Cleyton, Cissé e Wilson Eduardo
Substituições: Cleyton por Ogu (63m), Marinho por Ferreira (74m) e Nivaldo por Afonso (74m)
Não utilizados: Peiser, Maguique e Saleiro
Treinador: Pedro Emanuel
Marcadores: James (50m), João Moutinho (62m) e Wilson Eduardo (79m)
Cartões amarelos: Abdoulaye (75m), Ferreira (78m) e Ogu (83m)

2 comentários:

  1. Bom dia,

    Tal como se previa, o FC Porto teve uma difícil prova de superar diante da Briosa.
    Após o apuramento para os oitavos-de-final da champions e a fantástica exibição diante do Marítimo, os adeptos esperavam mais brilhantismo na vitória de hoje, o que não foi possível muito por mérito de uma Académica muito bem escalonada, concentrada, disciplinada e rigorosa na marcação aos nossos homens do tridente ofensivo, e sempre sem descurar as transições rápidas por intermédio de Cissé, Marinho e Wilson Eduardo.
    Os homens de Pedro Emanuel estavam motivados após a vitória diante do Atlético de Madrid, e com o passar dos minutos, não conseguindo o FC Porto abrir o activo, ainda mais confiança angariavam.
    Foi necessária portanto muita cabeça e paciência para encontrar o caminho certo para o golo.
    Os adeptos foram excelentes no apoio à equipa, pois noutros tempos os assobios soariam bem cedo.
    Tivemos na primeira parte muita posse de bola, mas o nosso jogo não era objectivo, criativo, e quase sempre terminava sem tiro à baliza à guarda de Ricardo.
    Com James escondido do jogo, Varela apagado e Jackson sem bolas na área, VP tinha de encontrar soluções para desmanchar a estratégia da Briosa na segunda parte.
    E assim foi. No segundo tempo a equipa entrou com mais velocidade de circulação de bola, e surgiram no jogo Lucho e Moutinho, que souberam pautar o nosso jogo, e foram o cérebro para delinear as jogadas que abriram a muralha defensiva adversária.
    Moutinho e Lucho com passes rasgados para as costas dos defesas adversários, foram tentando servir ora Jackson, Varela ou James.
    El Comandante fez duas assistências para golo. Moutinho apontou o golo da noite.
    Excelente dupla esta que pauta o nosso jogo.
    Valeram os três pontos conquistados, que nos permitem manter a liderança.
    Última nota para o mau estado do relvado, que aqui e ali complicou o nosso jogo.
    Excelente o número de adeptos presentes no Dragão, que ultrapassou os trinta mil.
    Agora segue-se o jogo para a Taça de Portugal diante do Nacional, uma partida complicada, que tentaremos vencer para seguir em frente na prova.

    Abraço e boa semana.

    Paulo

    pronunciadodragao.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Paulo!
    Totalmente de acordo com a sua análise!

    Abraço e boa semana também para si

    AMonteiro

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.