segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Aprovação. FC Porto 2 Lazio de Roma 1


O FC Porto realizou esta noite no Estádio do Dragão o seu último jogo de preparação, com a Lazio de Roma, antes de defrontar o Sporting, no próximo sábado, no estádio do Algarve, para a disputa da Supertaça Cândido de Oliveira.


Resultado final 2 - 1.
O FC Porto entrou de rompante no jogo, de tal modo que aos 17 minutos da primeira parte já vencia por 2 - 0.
Os golos azuis e brancos foram obtidos no melhor período da equipa.
Golo por Bruno Alves, aos 14 minutos, na marcação dum livre indirecto. 2 - 0 quase logo a seguir com um remate forte e colocado do Lucho, que vindo de trás acedeu a um centro atrasado rasteiro de Rodriguez para o centro da grande área, depois duma jogada de contra ataque conduzida pelo uruguayo , o qual com um drible e uma arrancada fantástica em velocidade deixou irremediàvelmente batido o lateral esquerdo dos italianos, Tuia.
O golo da Lazio viria a surgir já no segundo tempo, depois de enúmeras substituições para ambos os lados, pelo que então, o futebol jogado pelas duas equipas se ressentiu imenso, não voltando ao fulgor exibicional da primeira parte.
Foi autor do golo italiano Ledesma, na transformação de um livre directo em que a bola bateu na barreira portista desviando a trajectória e enganando o guarda-redes Nuno.

1’ Posse de bola para o FC Porto; Guarin tabela com R.Meireles e desfere o primeiro remate.Bola fora.
3’ Mariano surge em boa posição e remata para a defesa de Carrizo. 6’ Boa entrada do FC Porto com pressão alta. 13’ Livre favorável ao FC Porto em posição frontal, após falta do francês Dabo sobre Lucho.
14’ Golo do FC Porto, Bruno Alves, com um remate fantástico de força e precisão após toque de Lucho, sem defesa possível. 17’ Segundo golo do FC Porto. Grande jogada de contra-ataque do FC Porto, com Rodriguez a fazer gala da sua velocidade, deixando Tuia batido do lado esquerdo e centro rasteiro atrazado para Lucho que vinha de trás fuzilar sem apelo nem agravo.

Realces

Uma entrada fulgurante no jogo, permitiu ao F.C. Porto arrumar em poucos minutos (17) o jogo com a Lazio. Bruno Alves fez o 1-0, com uma autentica bomba, na marcação dum livre, aos 14 minutos, a castigar falta de Dabo sobre Lucho.
Lucho marcou o 2 - 0, três minutos depois, com um remate forte e colocado, após uma jogada fantástica de contra ataque, protagonizada por Rodriguez.
O F.C. Porto embalou então para momentos de futebol brilhante durante a primeira parte. Porem o que acima de tudo impressionou foi a maturidade já demonstrada pela equipa, se atendermos a que para todos os efeitos ainda só tem cerca dum mês de preparação (existência).
Os traços do campeão estão já bem definidos nesta formação. Perante um adversário do valor da Lazio uma equipa do futebol italiano, um dos mais conceituados do mundo, e que alem disso, ainda o ano passado disputou a Champion League, o F.C. Porto voltou a ser consistente, seguro, autoritário defensivamente e fulgurante na saída para o ataque. Estas as principais características que fizeram o código genético da equipa.
A maturidade que a equipa evidenciou, notou-se logo na forma como esta já consegue controlar os tempos do jogo. Pelo modo como a equipa entrou a jogar de início, viu-se a predisposição de tentar fazer cedo o resultado para depois tranquilamente controlar e marcar o ritmo que mais lhe conviesse. Marcou dois belos golos a justificar o caudal ofensivo criado e dominou depois o jogo até ao intervalo. Pelo que com isso levou para os balneários uma vantagem confortável de dois golos, que lhe permitiu fazer as experiências necessárias e convenientes, nas calmas.

Este F.C. Porto traz uma novidade: o aproveitamento quase a 100% das bolas paradas !
No meio de tudo isto, perceberam-se entretanto duas coisas. O F.C. Porto da primeira parte está já preparado para a competição, em contra partida o da segunda parte nem tanto. Até porque entraram muitos jogadores novos, ao mesmo tempo. E por via disso, foi evidente que a estes, ainda lhes falta ritmo, confiança, entrosamento, até conseguir alardear a consistência da equipa da primeira parte.
A segunda evidência é que este F.C. Porto tem uma nova característica: o proveito que tira na cobrança das faltas, os chamados lances de bola parada. O que na minha opinião leva os adversários, a pelo menos, terem mais cuidado em não fazer faltas com receio das consequências que estas possam trazer, facto este, que não acontecia a época passada.

O primeiro momento sublime da noite nasceu do livre fantástico de Bruno Alves que abriu o marcador. Um remate cheio de força e colocação. Na linha dos grandes centrais do F.C. Porto do passado (Geraldão), Bruno Alves acrescenta a esta equipa uma mais valia... e potente.
Tratou-se do sétimo golo de bola parada em oito jogos. Para a equipa que na última época tinha o menor aproveitamento de bolas paradas da Liga, com apenas um em cada seis golos a nascer desta forma, eis aqui a novidade. Então o golo de Lucho, a seguir, tambem ele um momento de grande brilhantismo, num lance de combinação de génios. Igual a tantos outros
nesta equipa. Descrição da jogada: Rodriguez iniciou a jogada com um drible, batendo a seguir o adversário que o marcava em corrida, provocando o desequilibrio que permitiu encontrar El Comandante que se vinha a desmarcar, em boa posição para factorar. Muito fácil.
Guarín a trinco a gerar ainda muitas dúvidas devido a um certo desacerto (insegurança na sua actuação) na execução dos passes para os colegas.
Benitez na esquerda, na minha opinião, muito melhor que Lino, principalmente a defender.
Jesualdo Ferreira já terá a sua ideia sobre o melhor onze. Depois de experimentados Raul Meireles, Tomás Costa e Fernando, Guarín talvez seja o escolhido, embora com algumas reservas, tendo em conta que ainda não está totalmente adaptado à maneira de jogar da equipa. Tem sem sombra de dúvida características excelentes, permitindo que Raul Meireles se coloque ao lado de Lucho. Facto este que beneficia a equipa, devido ao grande entendimento existente entre eles .
Guarín tem porem ainda de melhorar a qualidade do passe e o entendimento com os colegas. É um talento que necessita de ser aperfeiçoado. Por vezes parece atrapalhar-se, e, talvez devido a isso os passes errados, transviados para os adversários.

Quanto aos outros novos do meio campo, T.Costa, Bolatti e Fernando, as mesmas pechas. Falta de entrosamento e pouca segurança ao nivel do control de bola e do passe.

Farias, pareceu-me algo preso, sem ritmo e, pouco consistente.

Candeias, aquilo que já tinha afirmado. Trata-se dum jóvem com boas qualidades, muito promissor, mas ainda muito incipiente. Precisa de ganhar ritmo, confiança, maturidade, em suma, experiência, a fim de conseguir impôr o seu futebol.

Uma palavra sobre a actuação do Hulk, o qual me pareceu dar já muito boas indicações do que poderá vir a render/valer no futuro, depois de completamente adaptado e identificado com o jogo da equipa.

Árbitro: Paulo Costa. Pareceu-me, aqui e ali, mais papista que o Papa (Porto) Assistentes: João Santos e Nuno Manso
F.C. PORTO (4x3x3): Helton (Nuno, 45m); Sapunaru (Fucile, 64m), Pedro Emanuel (Stepanov, 64m), Bruno Alves (Rolando, 46m) e Benítez (Lino, 46m); Guarín (Tomás Costa, 46m), Raul Meireles (Fernando, 64m) e Lucho (Bolatti, 80m); Mariano (Candeias, 80m), Lisandro (Hulk, 46m) e Rodriguez (Farias, 64m).

LAZIO: (4x3x3) Carrizo(Muslera, 51m); Lichtsteiner, Tuia (Siviglia, 46m), Rozehnal e Radu (Diakite, 46m); Dabo (Matuzalem, 46m), Ledesma e Meguni (Pandev, 46m); Foggia (Manfredini, 68m), Makinwa (Mendiano, 51m) e Zarate (Mauri, 46m).
Golos: Bruno Alves (14m), Lucho (17m), Ledesma (72m) Disciplina: cartão amarelo a Bruno Alves (37m), Benítez (45m).
Destaques
As arrancadas de Rodríguez parecem feitas à medida da bancada. Com um «detalhe» que faz toda a diferença: acontecem quando a equipa necessita, quando o adversário está fragilizado, quando a possibilidade de êxito existe. O segundo golo do F.C. Porto é um exemplo disso. Notável sobre a esquerda, só acabou com a bola no fundo da baliza, rematada por Lucho. Com Rodríguez, o F.C. Porto ganhou mais velocidade e manteve a mesma capacidade de desequilibrar que Quaresma lhe dava.

Lucho! O médio é sempre destaque. Esta noite merece estar aqui simplesmente por ser Lucho e como desculpa para assinalar um facto novo: está a formar com Rodríguez uma dupla que promete destruir muitas equipas ao longo da temporada. Na primeira parte, além do golo, o uruguaio ofereceu ao argentino uma oportunidade que Lucho desperdiçou.
Bruno Alves! Muito bom o golo. Toque de Lucho e, remate sempre a fugir do guarda-redes até descobrir a rede. Na linha de outros defesas centrais de pontapé forte que passaram pelo F.C. Porto (Geraldão).

Laterais! O F.C. Porto comprou dois laterais. Ou seja, cinquenta por cento da defesa é nova. Como a Lazio tinha dois extremos interessantes, foi um bom teste para Sapunaru e Benítez. Um e outro ofereceram pouco à equipa em termos ofensivos e denotaram algumas dificuldades quando recebiam os adversários de frente, com a bola dominada. Mas tudo somado passaram no teste. O argentino parece seguro e consistente. O romeno acrescenta valor nas bolas paradas e fecha bem no centro.

Declarações de Rui Barros

O Rui mostrou-se satisfeito com a prestação da equipa portista frente à Lazio de Roma (2-1), no último teste antes do arranque oficial da temporada, frente ao Sporting:
«Acho que aquela primeira equipa já tem algum conhecimento, alguns já vêm da época passada, portanto é natural que o mister tenha escolhido aquele onze. Contudo, isso não quer dizer que o mister não conte com os outros.»
«A equipa entrou bem, marcou dois golos. Na segunda parte, a Lazio quis chegar ao golo, fê-lo de forma feliz. Depois, é natural alguma quebra com as substituições. De qualquer forma, no computo geral, penso que o F.C. Porto foi melhor.»
Sobre a Supertaça: «É uma final, perdemos a última Supertaça, e queremos mudar o rumo dessa história. As duas equipas vão estar concentradas, o F.C. Porto sabe da valia do Sporting e o contrário também é verdade. Estou convicto que o F.C. Porto vai chegar bem ao jogo e irá conseguir a vitória.

PS -

Crédito

Moratti

A propósito da credibilidade de Massimo Moratti no que diz respeito a transferências, aqui fica um resumo interessante por um moderador de um fórum de adeptos do Inter. "Não estamos a tentar contratar Zlatan." Foi apresentado no dia seguinte. "Ronaldo fica." Foi vendido. "Cúper fica." Foi despedido. "Mancini fica." No mesmo dia, negociou com José Mourinho.

1 comentário:

  1. Meu caro Monteiro fui lá e gostei, principalmente da 1ª parte.Na segunda, com a entrada de muitos jogadores, as coisas alteraram-se e foi bem pior a exibição.Como digo no meu blog:falta um bocadinho assim...para estarmos no ponto.O lugar de trinco: Guarín não me parece capaz, pelo menos para já e depois BEnítez continua a não me convencer totalmente. Tão depressa faz uma coisa bem, com faz uma asneira.Seria irónico, que mais uma vez, o Fucile viesse a ser a opção.
    Um abraço

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.