segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Para quando uma regionalização efectiva?

Os últimos 30 anos
por Azzulli @

Estas semanas vários comentadores anti-portistas insistiram em passar a imagem que os últimos 30 anos do futebol português tiveram o domínio do FC Porto, só, só, à custa de manobras de bastidores. Foram declarações do Jorge Baptista, do Rui Oliveira e Costa, do António Pedro Vasconcelos, etc. É para isto que serve o Apito. Para que os benfiquistas e sportinguistas justifiquem o seu insucesso. O FC Porto, aquele lá do Norte, ganha porque corrompe. Sim, aquele clube lá do Norte. Pois. É que esses programas são feitos na capital, com convidados da capital, todos amigos uns dos outros (será que eles tb vão aos anos uns dos outros?). E naturalmente o coração deles só tem “uma cor”: vermelho ou verde. E esses amigos, sejam comentadores ou directores de programas, que se cruzam regularmente nos restaurantes, esplanadas, etc., quem arranjam para “mau da fita”? O clube lá do Norte, esse que está bem longe da capital, e que não vai a esses restaurantes e esplanadas…

Agora garanto eu:

Só ficcionando ou conjecturando, se poderá fundamentar as conclusões dessas pessoas, e, que resultam da inveja, da dor de cotuvelo, da azia que esses ressabiados sentem no estomago.

Caros amigos há 50 anos que suporto as diatribes desses jornalistas anti-portistas afectos aos dois maiores de Lisboa. Imaginem, o que tenho passado com as opiniões de tais energúmenos! A cada passo pergunto-me, porque será que o FC Porto, tem tão poucos jornalistas a seu favor?! Tudo me leva a crer que é devido ao "poder central". É tudo controlado a partir de Lisboa, inclusive a selecção dos jornalistas para a "Comunicação Social" que temos, canais de televisão incluidos. Esta situação já vem do tempo do fascismo e, os actuais "democratas de pacotilha" continuam com a mesma estratégia! Facto este que me leva a questionar, para quando uma regionalização efectiva?! É que cada vez mais se torna indispensável fazer a tal regionalização, a qual pelos vistos, não convem aos políticos eleitoralistas deste País!
Impõe-se cada vez mais, que o Norte se revolte contra todos os políticos que forem eleitoralistas e que por tal motivo se oponham à emancipação do Norte face ao "Poder Central".
A Região Norte que trabalha em prol da evolução, do engrandecimento do país, merece ser recompensada pelo "Poder Central" com critérios mais favoráveis aos seus interesses.

PS -

Quase todas as avaliações/comentários que vi aqui ( blog mundo azul e branco) ácerca do rendimento deste ou daquele jogador são prematuras. Apesar d'alguns (novos) elementos já darem boas indicações, isto não quer dizer que os outros não nos possam vir ainda a surpreender positivamente. N'alguns casos a evolução é mais lenta e, a adaptação mais complicada. Acho que devemos ter calma. Ou já se esqueceram que de início, por exemplo, o B.Alves parecia não dar conta do recado e, hoje é um dos melhores centrais do Mundo. Sim, não tenham dúvidas, do Mundo! Se não for este ano, na próxima época, os tubarões vão tentar aliciá-lo.Diz-me a experiência, 50 anos a viver o futebol, que há jogadores que levam mais tempo do que outros a atingir o TOP. E não quer dizer porem que não cheguem lá...! Depois temos tb o caso do Lisandro que na primeira época que fez no FC Porto, foi pouco consistente.

2 comentários:

  1. Monteiro eles que têm os previlegios não os vão dar de mão beijada.É importante ter alguém na Câmara do Porto, que goste da cidade, dos portuenses, que não tenha medo de falar, de revindicar, enfim, uma voz que defenda os interesses da região.
    Depois é importante o Norte ter um espaço onde possa fazer ouvir a sua voz- rádio, jornal ou Tv -, finalmente é fundamental que os nortenhos em geral e os portuenses em particular, se empenhem, como se empenham quando se trata do F.C.Porto.Se for assim...as coisas tenderão a mudar.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Caro dragaoatento,

    Dada a temática abordada, tomei a liberdade de publicar este seu "post", com o respectivo link, no
    .
    Regionalização
    .

    Cumprimentos

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.