sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Teoria golpista!


Por acumulação de funções na FPF com interesses nos casos a serem julgados, facto este que o impedia de participar na reunião, Carrajola Abreu se fosse honesto, ele próprio teria manifestado o seu impedimento por não poder julgar em causa própria.

Segundo a teoria golpista do "Carrajola" , bastam apenas 4 membros (pois então! Os golpistas),para o C.J. da FPF funcionar! Ainda segundo ele, as pessoas deverão sentar-se e conversar! Claro! Desde que este facto não vá contra os seus (dele) interesses! E, como pelos vistos, os tais 4 vogais até estão todos de acordo e são a maioria, fica tudo resolvido! Dentro da tal ética muito peculiar dos seus autores, muito transparente (mas, para determinada corrente de opinião,claro)...!
" O CJ só ficará ferido de morte quando tiver menos de quatro membros", salientou o Carrajola"! Visão esta, muito conveniente (claro!).

Pois, para quem se dá ao lucho de suspender o seu superior hierárquico do C.J. da FPF Gonçalves Pereira! A partir daqui, passa a valer tudo! Sem presidente é o regabofe!

E depois acusam os outros de abuso do poder (se calhar até afirmam que não estão agarrados ao poder), quando é precisamente o contrário. Foram precisamente os 4 vogais que exorbitaram das suas competências, afirmar o contrário é distorcer os factos! E, cujos artistas principais do elenco (contenda), é preciso que se diga, são: Carrajola Abreu e Álvaro Batista.

Já agora se a moda pega, porque não os ministros, caso queiram, suspender de funções o 1º Ministro no caso de não concordarem com as ideias do seu superior hierárquico...!


13:23 - Apito Final Conselho de Justiça não pensa demitir-se na terça-feira
João Abreu, vogal do Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), negou hoje que haja um acordo para a demissão de todos os membros do órgão logo após a reunião extraordinária da próxima terça-feira. Segundo a edição de hoje de um diário desportivo, os seis membros que se reúnem terça-feira - o vice-presidente Elísio Amorim e os vogais Francisco Silva, Álvaro Batista, Eduardo Pereira, José Reis e João Abreu - deverão apresentar a demissão logo que forem decididos os processos urgentes ainda pendentes. João Abreu revelou à agência “Lusa” que Elísio Amorim enviou aos cinco vogais do CJ um email a propor essa possibilidade, mas garante que já recebeu duas respostas (deixem-me adivinhar: dele Carrajola e de Álvaro Batista), ambas a recusar a proposta. "Uma das respostas a recusar a demissão é minha. Não admito ser metido no mesmo saco"(muito conveniente!), afirmou João Abreu, que defende a continuidade do actual Conselho de Justiça, apesar de o recente parecer de Freitas do Amaral, especialista em Direito Administrativo, ter referido que o actual órgão está "ferido de morte". A 4 de Julho, o CJ analisou os recursos do presidente do FC Porto, Pinto da Costa, e do Boavista no âmbito do processo ‘Apito Final’, mas a reunião decorreu de forma atribulada e terminou com a suspensão preventiva do seu presidente, Gonçalves Pereira (!!!).

Na ausência deste e do vice-presidente, Elísio Amorim, e já na madrugada de 5 de Julho, o CJ (bando dos 5) decidiu não dar provimento aos recursos e confirmou a descida de divisão do Boavista, por coacção sobre árbitros, e a suspensão de dois anos de Pinto da Costa, por tentativa de corrupção, decididas em primeira instância pela Comissão Disciplinar da Liga de clubes (Ricardo Costa) .
... " O CJ só ficará ferido de morte quando tiver menos de quatro membros", salientou João Abreu...
... Neste sentido, e em referência à Assembleia Geral Extraordinária da FPF do próximo dia 23 de Agosto, que analisará o parecer solicitado a Freitas do Amaral, João Abreu considera que os actuais membros do CJ não estão formalmente visados nessa reunião magna.
... Estamos em funções e a próxima Assembleia Geral permitirá, isso sim, que as pessoas (os amigalhaços) conversem" , defendeu o vogal do CJ .

1 comentário:

  1. Que corja!
    Parecem lapas agarrados ao poder e como a C.Social vermelha, até os elogia!...
    Um abraço

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.