sexta-feira, 29 de agosto de 2008

SLB vs FC Porto

Sábado às 20H45 o grande acontecimento

Em relação à última convocatória do F.C. Porto, o destaque vai para as entradas de Lino, Fernando e Candeias, chamados para substituir os ausentes Bolatti e Mariano.

Os 19 jogadores convocados por Jesualdo Ferreira são: Benítez, Bruno Alves, Candeias, Farías, Fernando, Fucile, Guarin, Helton, Hulk, Lino, Lisandro, Lucho, Nuno, Pedro Emanuel, Raul Meireles, Rodríguez, Rolando, Sapunaru e Tomás Costa.


Good luck Dragões!

PS - COMUNICADO
A Futebol Clube do Porto – Futebol, SAD, de acordo com o artigo 248º nº1 do Código dos Valores Mobiliários, vem informar o mercado que prolongou até 30 de Junho de 2012 o vínculo contratual que liga a sociedade ao seu jogador Lucho González.
O Conselho de AdministraçãoPorto, 29 de Agosto de 2008


PS 1 - 22:14 - Futebol - FPF Conselho de Justiça sem quórum após renúncia de quatro elementos
O Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) ficou hoje sem quórum, após a renúncia ao mandato de quatro dos seus sete elementos, no final de uma reunião de quase seis horas. João Abreu, Francisco Mendes da Silva, Eduardo Pereira e José Diogo dos Reis subscreveram uma carta de renúncia dirigida a Mesquita Machado, presidente da Mesa Assembleia Geral da FPF, mas as razões para a demissão não foram tornadas públicas. As eleições intercalares para o CJ da FPF estão marcadas para 4 de Outubro e os quatro conselheiros de sete que compõem o órgão decidiram apresentar a demissão em bloco poucos dias antes de Gonçalves Pereira retomar a presidência após uma suspensão de dois meses imposta na reunião de 4 de Julho. Os conselheiros que se demitiram sublinharam que a decisão de renúncia não afecta o normal desenrolar das competições, uma vez que não está pendente qualquer processo que pudesse colocar em risco os campeonatos nacionais de futebol. Elísio Costa Amorim, presidente em exercício, e Álvaro Baptista são os elementos que não renunciaram ao mandato. Gonçalves Pereira está suspenso desde a reunião de 4 de Julho, na qual, apenas cinco elementos decidiram não dar provimento aos recurso de Pinto da Costa e Boavista, confirmando as penas de suspensão de dois anos ao presidente do FC Porto, por tentativa de corrupção de árbitros, e de descida de divisão ao clube axadrezado, por coacção sobre árbitros. O presidente do órgão, que pediu o afastamento de João Abreu dessa reunião, deu o encontro por terminado, por considerar que não estavam reunidas condições e abandonou-o, sendo acompanhado pelo “vice” Costa Amorim, mas os cinco vogais permaneceram reunidos e pronunciaram-se sobre os casos do denominado processo Apito Final.

17:24 - Futebol - FPF Elementos demissionários do Conselho de Justiça acusam Mesquita Machado de violar os estatutos
Os conselheiros que renunciaram ontem aos cargos no Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) acusam Mesquita Machado, presidente da Mesa da Assembleia Geral, de violar normas estatutárias. Na carta de renúncia dirigida a Mesquita Machado, subscrita por Eduardo Pereira, João Abreu, José Diogo dos Reis e Francisco Mendes da Silva, os conselheiros referem que Mesquita Machado “nada fez” para declarar a perda de mandato de Gonçalves Pereira, presidente suspenso do CJ. Também acusam Mesquita Machado de não impedir “a retoma de funções” de Gonçalves Pereira, a 4 de Setembro, depois de ter cumprido dois meses de suspensão determinada na reunião do CJ da FPF de 4 de Julho, em que acabaram por ser julgados improcedentes por cinco conselheiros os recursos do Boavista e de Pinto da Costa no âmbito do Apito Final. Os quatro de sete elementos do órgão disciplinar da FPF imputam a Gonçalves Pereira factos que “pela sua gravidade” determinavam “a perda de mandato, acto da competência” de Mesquita Machado, “nos termos dos artigos 70º e 71º dos Estatutos da FPF”. Sublinhando que foi “dado pronto conhecimento” a Mesquita Machado do ocorrido na polémica reunião de 4 de Julho, com o envio da acta, os conselheiros apresentaram ontem a renúncia imediata por “não existirem as condições mínimas” para continuarem em funções. Entre as observações dirigidas a Mesquita Machado, Eduardo Pereira, Francisco Mendes da Silva, João Abreu e José Diogo dos Reis criticam ainda Mesquita Machado pelas declarações à Antena 1, a 18 de Agosto, acusando “os membros do CJ - todos eles, pois não identificou quais - agiram com falta de imparcialidade”. “Trata-se, sem dúvida, de insinuação grave e torpe, que, única e exclusivamente, ofende, na sua honra, brio e dignidade, pessoal e profissional, os membros do CJ da FPF”, acentua-se na carta de renúncia dirigida ao presidente da Mesa da sessão magna da estrutura federativa, acrescentando que tal também é “uma flagrante descredibilização” do órgão. A Agência Lusa também teve acesso a carta remetida por João Abreu a Mesquita Machado, a 20 de Agosto, em que o vogal do CJ sublinhava que “é dever do presidente da Assembleia Geral declarar a perda de mandato” de Gonçalves Pereira e dos restantes elementos, requerida, a 6 de Julho, presidente suspenso do órgão disciplinar. “Ao invés, [Mesquita Machado] tem actuado no sentido de, exactamente, evitar pronunciar-se sobre elas”, um “silêncio” que causa “notório desconforto”, porque colocava em causa a “dignidade pessoal e profissional” de João Abreu e que é “uma grave violação de dever estatutário” por parte do presidente da Mesa da Assembleia Geral da FPF. João Abreu sustentava ainda que “constitui fundamento de perda de mandato” de Gonçalves Pereira, “nos termos do artigo 14º, nº2 dos Estatutos da FPF”, o facto do presidente suspenso do CJ ter intentado “há mais de um mês” uma providência cautelar contra a FPF e a Liga. Na carta dirigida a Mesquita Machado, o vogal do CJ solicitava que Mesquita Machado se pronunciasse sobre a perda de mandato requerida por Gonçalves Pereira, a 6 de Julho, “decidindo se devem os vogais do CJ e o presidente do órgão perderem ou não o mandato, face aos comportamentos que aos mesmos são imputados”. Mesquita Machado, que não se quis pronunciar hoje sobre a renúncia dos elementos do CJ, acabou por proferir num despacho de 22 de Agosto, enviado a João de Abreu três dias depois, que “o processo eleitoral já em curso”, pelo que o dirigente máximo da FPF considerava “a inutilidade da apreciação dos requerimentos de perda de mandato apresentados”. As eleições intercalares para o CJ da FPF estão marcadas para 4 de Outubro e a renúncia dos quatro de sete elementos deixou sem quórum o órgão, que, a 12 de Agosto, por unanimidade, tinha decidido pedir eleições com carácter de urgência. O vice-presidente Elísio da Costa Amorim, que também abandonou a reunião de 4 de Julho momentos depois de Gonçalves Pereira o ter feito, e Álvaro Baptista foram os únicos elementos do órgão que não apresentaram a renúncia de mandato.


2 comentários:

  1. Monteiro a notícia da saída do Quaresma, neste momento, parece-me manifestamente exagerada.
    A renovação do Lucho é uma óptima realidade.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. É para ganhar! Mais nada! Com coragem, devido ao ambiente de enorme hostilidade dos trolls. Seria uma enorme felicidade, vencê-los na própria casa, depois do Verão quente que existiu...

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.