terça-feira, 9 de março de 2010

Champions League - Arsenal de Londres 5 FC Porto 0

FC Porto mais uma vez humilhado, esmagado em Londres!
Resultado ao intervalo: Arsenal 2 FC Porto 0


Infelizmente eu é que tenho razão quando digo que algo vai mal no reino dos Dragões. E para estar apreensivo e desconfortável com o rendimento actual da equipa Azul e Branca.
Vamos ver no fim do jogo se as coisas melhoram, mas continuar assim, não vejo como!
3-0 aos 63 minutos por Asri. 4-0 aos 65 minutos.5-0 aos 90 minutos de grande penalidade por Bendtner.
Comentário: Fomos mais uma vez esmagados pela equipa do Arsenal que mostrou à equipa do FC Porto como se joga futebol! Os ingleses foram uma equipa compacta sempre em cima da bola, jogando em velocidade ( em antecipação) ,e que nunca concedeu espaços à equipa dos Dragões para explanar o seu futebol, cujos jogadores sempre muito lentos, chegando invariavelmente atrasados à bola, deram origem a que a equipa contrária ganhasse quase sempre as disputas de bola e marcasse os golos que quis e como quis.
Eu antecipadamente chamei à atenção de quem de direito para os pontos fracos desta equipa. Que hoje pareceu uma equipa vulgar, direi mesmo de segunda categoria. Embora esta equipa por vezes funcione menos mal, e, já tenha feito algumas exibições razoáveis, a verdade é que na maior parte das vezes esta época, ou pelo menos, quando é pressionada, quando o adversário joga em velocidade,  vêm ao de cima todas as suas deficiências. Não é por acaso que na classificação da Liga estamos no lugar em que estamos.
À actual equipa do FC Porto falta consistência defensiva, joga lento, denuncia os passes, e por conseguinte erra passes atrás de passes, chuta quase sempre torto à baliza contrária...etc...etc.
Em face dos últimos acontecimentos, previ o que veio a acontecer. Infelizmente há para aí muito boa gente que tem a mania que sabe muito, e que não me dá a devida atenção, porém eu provo com os factos, com a realidade, que tenho dois dedos de testa, e que tenho muito mais visão do que eles.


Do FC Porto - site 09/03/2010 (esconder a cabeça na areia)
ARSENAL-FC PORTO, 5-0: A NOITE GELADA DE LONDRES
O FC Porto saiu de cena da UEFA Champions League 2009/10 entre as 16 melhores equipas do continente e num jogo em que não foi propriamente bafejado pela sorte. Na noite gelada de Londres, a chama do Dragão ainda foi capaz de reforçar os arrepios dos adeptos da casa, mas não resistiu ao cinismo de um marcador que abriu com um erro clamoroso de arbitragem. Um fora-de-jogo do tamanho do Big Ben deixou o Arsenal na posição mais confortável. E assim é mais fácil.O Arsenal, como se esperava, entrou forte. Estava a perder a eliminatória e era puxado pelo braço pelo fervor dos seus apoiantes. O quadro mais vantajoso, todavia, chegaria numa jogada ilegal, principiada por um pontapé longo de Almunia, disputado por Arshavin depois de vários segundos «acampado» nas proximidades de Helton. Evidente para todos, estranhamente invisível para quem vestia de negro.
Na frente, com o apuramento na mão, o Arsenal pôde esperar a remontada do Dragão e apostar ainda mais na velocidade, chegando ao segundo golo numa dessas acelerações e ainda antes da resposta azul e branca. Especialmente depois do descanso, o FC Porto logrou assentar o seu futebol, empurrar o adversário para zonas recuadas e criar lances de perigo. O melhor surgiria num pontapé de canto cobrado por Rúben Micael e que Rodríguez, que entrara ao intervalo, cabeceou para golo. Salvou Nasri, de forma atabalhoada.
E como a noite gelada de Londres não e
stava de feição, os ingleses engordaram a diferença pouco depois, afastando as dúvidas e definindo a eliminatória. O FC Porto conservou-se firme até ao final, sempre apoiado pelos três mil seguidores que vieram ao Emirates, e insistiu em discutir, sem baixar os braços, quando o resultado já deixara de entrar nas contas.FICHA DO JOGO
UEFA Champions League (oitavos-de-final, 2ª mão)
Emirates Stadium, em Londres
Assistência: 59.661 espectadores
Árbitro: Franck De Bleeckere (Bélgica)
Assistentes: Peter Hermans e Walter Wromans 4º árbitro: Serge GumiennyARSENAL: Almunia «cap.»; Sagna, Campbell, Vermaelen e Clichy; Song e Diaby; Rosicky, Nasri e Arshavin; Bendtner
Substituições: Rosicky por Eboué (57m), Nasri por Denilson (73m) e Arshavin por Walcott (76m) Não utilizados: Fabianksi, Eduardo, Silvestre e Traoré Treinador: Arsène WengerFC PORTO: Helton; Fucile, Rolando, Bruno Alves «cap.» e Alvaro Pereira; Nuno André Coelho, Rúben Micael e Raul Meireles; Varela, Falcao e Hulk
Substituições: Nuno André Coelho por Rodríguez (46m), Rúben Micael por Guarín (75m) e Varela por Mariano González (75m)
Não utilizados: Nuno, Belluschi, Maicon e Miguel Lopes
(Des)
Treinador: Jesualdo Ferreira Ao intervalo: 2-0
Marcadores: Bendtner (10, 25 e 90m, g.p.), Nasri (63m) e Eboué (65m)
Disciplina: Cartão amarelo a Falcao (24m), Vermaelen (38m), Bendtner (44m), Alvaro Pereira (58m) e Fucile (89m)

Jesualdo Ferreira: É um resultado pesado (Pois é! E de quem é a culpa?! Assuma homem, que não lhe fica mal!)

O resultado não faz justiça à produção do FC Porto no Emirates Stadium. Jesualdo Ferreira aceita a derrota frente ao Arsenal, mas recorda que os Dragões nunca foram felizes na partida. Já em desvantagem, não deixaram de procurar alterar o rumo dos acontecimentos, acabando por sofrer em golos as consequências de jamais se terem fechado ou entregue o domínio do jogo à equipa inglesa.
FC Porto nunca foi feliz
«Há jogos difíceis de explicar e a verdade é que o FC Porto nunca foi feliz neste encontro. A partir do momento em que sofremos o primeiro golo, não nos fechámos nem entregámos o domínio ao Arsenal, que jogou sempre no nosso erro, fazendo-se valer do talento dos seus jogadores.» 

Tudo começou num golo irregular
«É um resultado pesado e injusto, face à produção do FC Porto. Entrámos num jogo equilibrado e sofremos um golo num lance de erro nosso, mas ferido de irregularidade. Era o pior cenário que queríamos. Sabíamos que tínhamos de discutir o jogo, mas nunca podíamos correr o risco de sofrer um golo cedo. A partir daí, o Arsenal geriu o desafio, jogando ao contrário, ou seja, no nosso erro. Na segunda parte, foi exactamente o mesmo figurino. É um resultado que não traduz o que foi o desempenho das duas equipas. O Arsenal mereceu ganhar, mas nunca por uma vantagem de cinco golos; o FC Porto merecia ficar mais próximo em termos de resultado.»

Marcha do marcador contra a corrente do jogo
«Sempre que equilibrámos o jogo ou ficámos por cima, o Arsenal fez um golo. Aproveitou de forma eficaz todos os nossos erros. Também podíamos ter marcado, mas isso não aconteceu e acabou por nos retirar confiança.»

Sempre apontados à baliza do adversário
«Não vale a pena dizerem que o Nuno André Coelho foi o problema. Fez um bom jogo, mas o que é certo é que o Arsenal é uma equipa muito poderosa, com jogadores de grande qualidade ofensiva. Mesmo a perder, procurámos sempre chegar à baliza do adversário e isso levou-nos a sofrer um resultado que nos magoa um pouco.»

Obrigação de recuperar
«Nas duas últimas semanas, tivemos dois resultados maus, que evidente deixam marcas, mas a nossa obrigação é recuperar. Ainda há muitos jogos para disputar. A forma como saímos da UEFA Champions League é uma marca e uma dor que vamos guardar.» 



Meu comentário: este é o resultado duma preparação deficiente da equipa e dum treinador até certo ponto incompetente.
A equipa está mal preparada e isso nota-se na maneira como aborda os jogos e no desfecho dos mesmos.

1 comentário:

  1. Como é possível não haver alguém que dê uma bordoada no Nasri e no Arshavin e mate a jogada?! Volta Paulinho Santos.

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.