quarta-feira, 10 de março de 2010

Saída do Carlos Azenha ou O princípio do fim

Já há bastante tempo que tenho vindo a chamar a atenção dos responsáveis do FC Porto-Futebol,SAD para o facto da equipa não ter a preparação necessária de modo a poder cumprir com os seus compromissos. Quando saiu o adjunto Azenha eu na altura sugeri que a partir desse momento e segundo os resultados que se obtivessem se iria ver, ou seja, tirar conclusões sobre a influência que o Azenha teria, ou não, sobre o Plantel. Segundo o que pude na altura constatar, através do que transpirava cá para fora através dos jornais, era que a acção do Azenha era preponderante na forma física e técnica dos jogadores. Relativamente ao trabalho e à metodologia utilizada nos treinos, era o Azenha que: incitava, incentivava, dirigia, e exigia que os jogadores executassem cada vez melhor os exercícios, sempre com grande empenho no trabalho de preparação física e aperfeiçoamento técnico dos jogadores. Lembro-me que foi com grande apreensão que tomei conhecimento da saída do Carlos Azenha, o qual na minha opinião era um suporte bastante eficaz do Jesualdo Ferreira na exigente tarefa de treinar o Plantel.
E o que agora se constata é que  a equipa joga a 50 enquanto os adversários jogam a 100 à hora! É bastante evidente nos jogadores: a falta de velocidade, de resistência e de agressividade sobre a bola. Alguns elementos da equipa parecem resignados, sem energia suficiente para fazer pressão alta no meio campo, e, não são capazes de jogar em antecipação. A quem observa de fora dão a sensação de que a condição física não é famosa e por causa disso repetem-se as más exibições, vêm os problemas psicológicos, enfim os maus resultados. Conclusão: para se jogar futebol é necessário habilidade e algum talento, mas acima de tudo uma condição física excepcional! Senão reparem nos corpos altamente musculados dos craques estrangeiros, ali há muito trabalho de ginásio. Já dizia o Baeta: o futebol é 90% de transpiração e 10% de inspiração.
Pelo acima exposto, tudo leva a crer que o actual adjunto José Gomes não dá garantias de ser um técnico adjunto competente e de ter dado uma contribuição muito forte para o fracasso do seu Leader.

2 comentários:

  1. Monteiro, desculpa lá, mas fazeres essa análise e nem tocares no facto do Azenha ter estado no Setúbal e ter sido um desastre, nem me parece teu, que te tenho como um tipo intelectualmente sério.

    Se o F.C.Porto estava à espera do que ia mostar o Azenha, penso que perdeu as ilusões e vai ser preciso muito tempo para, não o Porto, mas algum clube, voltar a apostar.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Vila Pouca!

    No tempo do Adjunto Azenha aquilo que transpirava cá para fora através de OJOGO era que ele funcionava no FC Porto como um elemento aglutinador, alguém que alem de: incentivar, mobilizar, e, incitar ao trabalho à aplicação dos jogadores aos treinos, também contribuía para manter o grupo unido.
    Eu lembro-me de na altura em que ele saiu, ter ficado bastante desconcertado com o facto, pois já tinha no meu espírito construído uma imagem dele de intenso trabalhador, de profissional empenhado! Sou sim admirador do Azenha, e, sabes porquê? Saiu do FC Porto e continua a dizer bem do nosso Clube nos seus comentários na televisão!O que não é o caso de alguns que trabalharam nos Dragões.
    Relativamente à sua prestação no Setúbal digo-te o seguinte:
    a)Teve algum azar de logo nos primeiros jogos ter encontrado os lampeões. Como sabes no célebre jogo com o eles foram expulsos(salvo erro) 2 jogadores do Setúbal.Tinha começado na altura a protecção dos árbitros aos encornados.
    b)O Setúbal na altura andava à procura de jogadores a preços acessíveis para eles e contratou aqueles que pode e não os que precisava.
    c)Depois do Azenha ter saído, o que é que os outros treinadores então contratados fizeram? Com o Manuel Fernandes que é um bom técnico, o Setúbal está em que lugar na classificação? Em décimo quarto com 17 pontos! Portanto já podes ver que fostes (acredito que sem querer)um pouco injusto com o Azenha.
    Vila Pouca, não obstante por vezes haverem divergências entre nós, uma coisa é certa: admiro o teu portismo,consegues tocar-me na corda sensível sempre que escreves os teus comentários a favor do azul e branco.
    Só noto porém (até posso estar errado,mas é a impressão que tenho) que os aspectos técnicos, metodologia de treinos te passam um pouco ao lado.Talvez porque não tenha interesse em aprofundá-los e não por falta de capacidade.

    Um abraço

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.