segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

FC Porto consistente vence Paços Ferreira

Mais um bom jogo da equipa portista que não deu hipóteses aos pacenses de discutirem o resultado

FC Porto                         19.ª jornada                                   FC Paços de Ferreira 
 
                                                                                 
 
 
 
Domingo, 1 Fevereiro 2015 - 20:15 - Competição: Primeira Liga

Estádio: Dragão, Porto (TV: SportTV) - Assistência:24.309

Árbitro: Marco Ferreira (Madeira)

Assistentes: Nélson Moniz e Sérgio Serrão

4º Árbitro: José Rodrigues
 

FC Porto: 12 Fabiano, 2 Danilo, 4 Maicon, 5 Marcano, 26 Alex Sandro

6 Casemiro (61'), 16 Herrera, 30 Óliver Torres

7 Quaresma, 9 Jackson Martínez (c)(28'), 11 Tello

Suplentes: 1 Helton, 10 Quintero, (69' Quaresma), 13 Reyes, 15 Evandro

(82' Herrera), 21 Ricardo, 36 Rúben Neves, (65' Casemiro), 99 Aboubakar

Treinador: Julen Lopetegui


Paços Ferreira: 1 Rafael Defendi, 22 Rodrigo Galo, 19 Ricardo (c), 4 Romeu (79') (81')

5 Hélder Lopes (39'), 7 Minhoca , 88 Seri, 10 Sérgio Oliveira, 17 Vasco Rocha

12 Edson Farias, 9 Cícero

Suplentes: 45 António Filipe, 11 Bruno Moreira, 13 Jaílson, 15 Nélson Pedroso

16 Hurtado, (67' Cícero), 65 Fábio Cardoso, (83' Edson Farias)

77 Rúben Pinto, (63' Minhoca)

Treinador: Paulo Fonseca

Jackson, Quaresma (2), Herrera e Tello marcaram os golos
 
Com mais um golo de Jackson Martínez (o 15.º na Liga portuguesa, em que é o melhor marcador), uma obra de arte de Quaresma e um míssil de Tello, o FC Porto venceu o Paços de Ferreira, por 5-0, e manteve-se assim a seis pontos do líder Benfica, na luta sem tréguas pelo título. A entrada feroz acabou por dar frutos nos minutos finais da primeira parte, em que os portistas chegaram ao 3-0 . Ao "bis" de Quaresma e ao "picar do ponto" de Jackson, Herrera e Tello juntaram mais dois golos no segundo tempo e assim o FC Porto (melhor ataque da prova, com 47 tentos) materializou o quinto triunfo consecutivo em casa. Tratou-se ainda do terceiro 5-0 da época oficial e da quinta vez em que os Dragões marcaram cinco ou mais golos.

A equipa dirigida por Lopetegui iniciou o encontro com​ Marcano e Tello como novidades face ao último onze em jogos da Liga portuguesa e muita intensidade e rapidez na circulação, efectuando um verdadeiro cerco à bem organizada defesa forasteira. A ocasião mais evidente desses primeiros minutos surgiu na sequência de um remate de fora da área de Danilo, aos oito minutos, que deu origem a um ressalto que Jackson, primeiro, e Maicon, depois, não conseguiram finalizar. Após os primeiros 15 minutos, o Paços de Ferreira conseguiu suster um pouco a pressão portista, mas o primeiro golo acabou mesmo por surgir em cima da meia hora: Alex Sandro cruzou da esquerda, Rafael Defendi não conseguiu interceptar a bola e Jackson não teve dificuldades em inaugurar o marcador e marcar pelo quinto desafio consecutivo aos pacenses.

O ritmo azul e branco voltou a subir e a flecha Tello ia causando calafrios ao Paços de Ferreira. Num verdadeiro slalom, aos 36 minutos, ultrapassou vários adversários mas não conseguiu oferecer o golo a Jackson. Porém, as desmarcações dos portistas nas costas da defesa forasteira continuavam a criar perigo e, numa delas, o avançado colombiano foi carregado nas costas por Hélder Lopes, aos 39 minutos. O vermelho ficou por mostrar, mas Quaresma converteu com frieza o penálti. O dique dos castores ruiu por completo em cima do intervalo, graças a uma obra prima de Quaresma, que tirou um adversário da frente e rematou de trivela para mais um golo destinado a correr mundo por via digital. Os números ao intervalo eram claros: 28 ataques dos Dragões para dois dos pacenses, que não fizeram qualquer remate, face a dez dos portistas.

O segundo tempo arrancou logo com o 4-0, que Herrera tem de agradecer quase na totalidade a Jackson, que furou na área contrária como faca quente em manteiga e assistiu o mexicano para o seu terceiro golo na Liga portuguesa. O Paços, que ainda não tinha sofrido mais de três golos na prova, deu o primeiro sinal de que o seu ataque existia aos 48 minutos, quando Seri acertou na barra da baliza de Fabiano. As oportunidades para os Dragões aumentarem ainda mais a vantagem continuavam porém a surgir e, aos 56 minutos, Óliver isolou-se mas permitiu a defesa de Rafael Defendi. Aos 77, Jackson tentou o chapéu mas a bola saiu por cima e, três minutos depois, Romeu foi expulso após travar mais uma arrancada de Jackson para a baliza.

O resultado final seria fixado aos 83 minutos, num verdadeiro míssil de Tello, na conversão do livre directo ganho por Jackson.

 
 Lopetegui: “Jogadores estão de parabéns”

Julen Lopetegui tinha avisado, na
antevisão do encontro, que só o melhor FC Porto poderia vencer o Paços de Ferreira, no jogo da 19.ª jornada da Liga portuguesa
.

“A equipa foi eficaz, esteve muito bem, fez uma grande primeira parte e deu a resposta adequada às necessidades do adversário e do próprio jogo. Os jogadores cumpriram bem a sua missão, estão de parabéns pela concentração, agressividade, intensidade e pelo futebol que praticaram. Jogámos frente a um adversário bem orientado, que vinha moralizado e que enriquece o futebol. Se houvesse mais equipas com a identidade do Paços de Ferreira, o campeonato português seria melhor e haveria mais gente nos estádios”, afirmou Lopetegui, em declarações no final da partida.

Na segunda parte, prosseguiu, a equipa continuou “a pressionar alto e a jogar bem”, ainda que nos minutos finais lhe tenha faltado “alguma tranquilidade para manter a bola”. “Mas no futebol não há perfeição e a verdade é que hoje tivemos acerto na finalização, os jogadores fizeram um grande jogo, com personalidade e contundência, mesmo jogando depois dos nossos adversários jogarem, o que não é um contexto fácil”, acrescentou.

Com o triunfo gordo sobre os pacenses, o FC Porto mantém a distância pontual para o primeiro e terceiro classificados, Benfica e Sporting, respectivamente, que na próxima jornada se defrontam, em Alvalade. O treinador espanhol garante que só está concentrado na sua equipa. “O importante é ganharmos os nossos jogos, porque não temos controlo sobre os nossos rivais e não podemos perder muitas energias com os outros. Temos que nos focar no nosso trabalho para continuar a crescer individual e colectivamente”.

Lopetegui admite que a missão na Liga portuguesa não é fácil, mas garante que os Dragões vão lutar com todas as forças para alcançar o sucesso. “Nós vamos à guerra e vamos lutar por todos os nossos objectivos, no campeonato, nos oitavos-de-final da UEFA Champions League e na meia-final da Taça da Liga. Os outros, por muito que queiram abrir os olhos, não conseguem ver a Europa”, disse.

Apesar de não ter sido convocado para a partida desta noite, Gonçalo Paciência foi também tema na conferência de imprensa. Lopetegui deixou um outro recado. “Estamos encantados com ele e, para que todos fiquem tranquilos, quero dizer que fui eu que o coloquei a jogar e fui eu que não o deixei de sair, quer no início da temporada quer na reabertura do mercado. Só quero dizer isso para aqueles que falam de ouvido e com má intenção”, finalizou Lopetegui.
 

1 comentário:

  1. O FCP fez um jogo de luxo na noite de ontem. É este Porto que todos queremos :) Carrega equipa!

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.