terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Jornalismo rasca e sem ética

surripiado do http://www.dragaodoente.blogspot.pt/
Depois, sobre o lance de Lima no mesmo jogo, em que a bola entrou, recupera o célebre lance de Petit no Benfica 0 - F.C.Porto1 de 2004/2005 e atira-se a Benquerença, mas com uma teoria que mostra bem de que massa é feito este aborto jornalístico: não há imagens que provem que a bola entrou, diz ele, mas foi golo, porque... A Bola em título, expressou bem a realidade da situação, «Foi golo!»
Acho que este artigo é sintomático e não deixa dúvidas, de como se faz jornalismo em Portugal, no que respeita ao futebol: não há imagens? Há, há imagens, o que não há é nenhuma a mostrar a bola dentro, antes pelo contrário, todas as imagens indiciam que a bola não entrou, mas como o panfleto vermelho encardido grita golo, passa a fazer lei e passa a ser golo.
Não Guerra, reco-reco anormal, não é assim, agora as vossas mentiras muitas vezes repetidas, não são verdades absolutas, há meios e muitos, felizmente, para combater as vossas verdades à moda de Goebbels. Mas mais, atacar Benquerença que estava a 40 metros da baliza - a foto é SIGNIFICATIVA! - e nunca podia ver se a bola entrou ou não - a responsabilidade de analisar o lance era do árbitro auxiliar -, demonstra bem a má-fé, deste javardo, deste rato de esgoto que vegeta pela lixeira em que se transformou a quinta da queimada.

1 comentário:

  1. 1 - Ontem li um artigo do blog azul ao Sul! A resposta dos jornalistas do norte desportivo aos jornalistas encardidos, é simplesmente espectacular.
    2 – Anónimo disse...
    Esse cromo do Guerra enojou-me tanto com essa crónica. Não há uma única imagem que diga que esse lance foi golo. Como disse aqui um colega, anos antes o Clayton faz golo de canto direto e vê-se bem a bola a entrar, sendo que este lance foi abafado pela escumalha da C.S.Vermeslhusca
    Era um dia desmascarar esse Guerra quando for novamente convidado para a algum fórum da SIC Notícias.
    Cumprimentos.

    Dragão de Coimbra

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.