quarta-feira, 11 de junho de 2014

Carlos Deus Pereira prepotente é o novo dono da LPFP

11/06/2014 - Continua o imbróglio nas eleições

Tal como previ no anterior Carlos Deus Pereira não aceitou o requerimento para adiar as eleições e chamou a polícia para impor as decisões dele...!

 
Votação começou com hora e meia de atraso e com a presença da PSP nas instalações, depois de Carlos Deus Pereira ter recusado submeter à votação uma proposta para adiar as eleições e interrompido os trabalhos devido à contestação.

A Assembleia Geral Eleitoral da Liga marcada para as 16 horas desta quarta-feira começou com algum atraso e a votação apenas se iniciou já depois das 17h30 e com a presença da polícia nas instalações da sede do organismo que gere os campeonatos profissionais de futebol.

Tal como se antecipava, a reunião começou sob polémica, depois de terem sido afastados deste ato eleitoral dois dos três candidatos, até restar apenas a possibilidade de reeleger Mário Figueiredo. Fernando Seara e Rui Alves viram as candidaturas rejeitadas por Carlos Deus Pereira, presidente da Assembleia Geral, com base em argumentos que não convencem os clubes: ausência de nomes para todos os órgãos sociais e alegada incompatibilidade por titularidade de cargos em clubes.
Relativamente à primeira, essa é uma falsa questão, pois a apresentação a sufrágio não implica o exercício de funções: à data da tomada de posse é que não pode haver acumulação de cargos - e também na lista de Mário Figueiredo se verifica essa situação, sem que Carlos Deus Pereira a tenha considerado irregular. Quanto à separação de listas, já antes posta em causa, o Tribunal da Relação do Porto entendeu que é válida, ou seja, os candidatos não têm de concorrer a todos os órgãos.
No início dos trabalhos, atrasado pela ausência da apresentação da ata da assembleia anterior, o Vitória de Guimarães apresentou uma proposta para anular o ato eleitoral, subscrita por 17 clubes, mas Carlos Deus Pereira recusou submetê-la a votação. Com esta decisão gerou-se a confusão e o dirigente optou por suspender os trabalhos por 15 minutos.
No intervalo, tranquilo no exterior do auditório, foi chamada a Polícia de Segurança Pública (PSP), que desde o início da reunião estava no exterior das instalações. Cinco agentes foram deslocados para o interior das instalações da sede da Liga, no Porto. Cerca de uma dezena de agentes da PSP estão no edifício, onde também se encontram seguranças privados, no exterior do auditório.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.