sábado, 20 de outubro de 2012

Taça de Portugal- Santa Eulália 0 FC Porto 1

20 de Outubro de 2012 - Que triste imagem deu a maioria dos profissionais reservas portistas! Que falta de respeito pelos seus adversários e de seriedade deu esta equipa azul e branca! O que se verificou em campo foi: duma displicência irritante por parte dos dragões que pareciam não estar ali para jogar futebol mas, como putos, brincar com a bola!
FICHA DE JOGO - Taça de Portugal, terceira eliminatória
Estádio do FC Vizela, em Vizela - Assistência: cerca de 6.000 espectadores
Árbitro: Rui Costa (Porto)
Assistentes: Nuno Manso e Bruno Rodrigues
Quarto árbitro: Ivan Vigário
SANTA EULÁLIA: São Bento; Inácio, Basílio, Filipe Alves e Armando; Hélio, Rui Costa, André Cunha e Nélson (cap.); Carlitos e Zézé
Substituições: Filipe Alves por Benício (65m), Carlitos por Tiago Monteiro (74m) e Zézé por Filipe Magalhães (80m)
Não utilizados: Espinha, Chico, André Monteiro e Tiago
Treinador: João Fernando
FC PORTO: Fabiano; Danilo, Abdoulaye, Mangala e Quiño; Rolando, Castro (cap.) e Kelvin; Atsu, Kleber e Iturbe
Substituições: Kelvin por Miguel Lopes (61m), Quiño por Varela (61m) e Iturbe por Sebá (72m)
Não utilizados: Kadú, Lucho, James e Fernando
Treinador: Vítor Pereira
Ao intervalo: 0-1
Marcador: Danilo (31m)
Cartões amarelos: nada a registar
Cartões vermelhos: nada a registar

Vítor Pereira: “Assumo completamente as minhas decisões e reconheço que, com tantas mexidas e adaptações na equipa, descaracterizámos o nosso jogo”, disse o treinador dos bicampeões nacionais, admitindo que o FC Porto não apresentou em Vizela a qualidade habitual.
Já Danilo, o autor do único golo da partida, não estranhou a escassez do resultado. “É natural que tenha sido assim, porque temos um jogo grande na quarta-feira [n.d.r.: FC Porto-Dínamo de Kiev]”, argumentou o lateral direito, que marcou, aos 31 minutos, com o pé esquerdo. “Mas o Santa Eulália também fez um grande trabalho”...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.