quarta-feira, 5 de novembro de 2014

FC Porto B 1 Tondela 1

05/11/2014 - O golo de Ivo Rodrigues foi insuficiente para evitar o empate frente ao Tondela

O FC Porto B empatou, esta quarta-feira, com o Tondela por 1-1, em partida da 14.ª jornada da competição em que Ivo Rodrigues apontou o seu sétimo golo na Segunda Liga, abrindo o marcador. O Tondela chegou ao empate na segunda parte, por intermédio de Deyvison, e os Dragões (em que o central Diego Carlos se estreou e em que Reyes, Otávio, Kelvin e Ricardo Pereira, todos da equipa A, fizeram parte do "onze" inicial) foram incapazes de voltar depois a marcar.

Com cinco alterações no "onze" face ao empate em Chaves (0-0), os “bês” sentiram de início a pressão alta da equipa visitante (5.º classificada), respondendo com três remates perigosos (Otávio, Ivo e Kelvin) nos primeiros dez minutos. A formação de Viseu fechou, no entanto, todos os caminhos para a sua baliza e, só aos 45 minutos, com a melhor jogada colectiva da primeira parte, houve finalmente um golo: Otávio recuperou a bola no meio-campo e deu-a a Kelvin, que avançou pelo lado esquerdo e descobriu Ivo no meio da área, para colocar os Dragões em vantagem.

O 1-0 ao intervalo era um prémio justo para uma equipa que demonstrava ascendente sobre o adversário e o predomínio da posse de bola (64 por cento). O Tondela entrou na segunda metade com vontade de virar um resultado que lhe era desfavorável e chegou ao empate aos 58 minutos, com um golo de Deyvison, no seguimento de um canto. Aos 73 minutos, Frédéric, recém-entrado na partida, poderia ter reposto a vantagem dos Dragões (rematou ao lado após livre de Leandro) e Kadú, aos 80 minutos, fez uma excelente defesa a remate de cabeça de Tozé Marreco.

Apesar de várias boas jogadas dos “bês” nos dez minutos finais, o resultado não se alterou, o que mantém os comandados de Luís Castro no sétimo lugar (21 pontos), aguardando-se agora pelos restantes resultados da jornada. O próximo jogo do FC Porto B é no Estádio do Trofense, no domingo, pelas 15h00.


FICHA DE JOGO

FC Porto B-Tondela, 1-1 - Segunda Liga, 14.ª jornada

Estádio de Pedroso, em Vila Nova de Gaia

Árbitro: Manuel Oliveira (Porto)
Assistentes: Alexandre Freitas e Bruno Rodrigues
Quarto árbitro: Hélder Lamas

FC PORTO B: Kadú; David Bruno, Diego Reyes, Diego Carlos e Kayembe; Tomás Podstawski (cap.), Francisco Ramos e Otávio; Ricardo, Ivo e Kelvin
Substituições: Francisco Ramos por André Silva (61m), Ivo Rodrigues por Frédéric (71m) e Kayembe por Leandro (71m)
Não utilizados: Caio, Rafa, Leander Siemann e Pité
Treinador: Luís Castro

TONDELA: Cláudio Ramos; Edu Machado, João Pica, Deyvison e Pedro Araújo; Luís Machado (cap.), Bruno Monteiro, Tiago Barros e Nuno Santos; Tozé Marreco e Piojo
Substituições: Tiago Barros por Rúben Saldanha (46m), Luís Machado por Marco Aurélio (56m) e Piojo por Carraça (86m)
Não utilizados: Rui Nereu, Ricardo Rocha, Joel Silva e Rafael Batatinha
Treinador: Quim Machado

Ao intervalo: 1-0
Marcadores: Ivo Rodrigues (45m) e Deyvison (58m)
Disciplina: cartão amarelo a Otávio (43m), Bruno Monteiro (64m), Ricardo (69m), Edu Machado (73m) e Diego Carlos (90m+1)

Destaques
Por afazeres pessoais só pude ver a segunda parte do FC Porto B 1 Tondela 1, mas valeu porque pude ver alguns minutos em acção o André Silva: é possante, tem personalidade, não se intimida com a presença dos defesas contrários nas suas costas e tem técnica. Acho que é um jovem muito promissor.
Relativamente aos outros elementos da equipa, quase todos eles precisam de ganhar capacidade de choque, agressividade sobre a bola, em suma: maturidade (experiência), inclusive o Reyes e o Kelvin. Na defesa sentiu-se a falta do experiente central José António.
Nota para a arbitragem
Porque é que a equipa portista tem sempre de servir de exemplo para as outras equipas...!
É que o árbitro Manuel Oliveira distribuiu diversos cartões amarelos pelos portistas e em situações análogas da equipa do Tondela limitou-se a marcar as faltas deixando ficar o respectivo cartão no bolso!!!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.