sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Futebol - Algo que merece ser realçado

28/11/2014 - Excerto da crónica de Pedro Marques Lopes

Partes do texto que quero realçar

…Este cidadão será sempre FC Porto, nas horas boas e más, a ganhar a Liga dos Campeões ou a jogar na regional. Quem se quiser juntar a mim, a nós, quem achar que é capaz de partilhar e apreciar os nossos sentimentos, valores, paixões é bem vindo. Quem não quiser, não faz falta. Só faz falta quem cá está.
Sendo os adeptos do FC Porto muitos ou poucos, foram os suficientes para tornar o clube no mais vitorioso em Portugal e a equipa nacional que mais provas europeias e mundiais conquistou. Outras vitórias se seguirão com os adeptos que tivermos.


 É sempre para ganhar

 À quinta jornada, o FC Porto assegurou o primeiro lugar no seu grupo na Liga dos Campeões. Está onde costuma estar: entre a elite das elites dos clubes europeus. Não é só um dos quatro clubes com mais presenças na Liga dos Campeões, como é, de longe, a equipa portuguesa com mais presenças na segunda fase desta prova.
Fazendo parte do grupo restrito dos clubes que já ganhou esta prova no modelo atual, é legítimo que tenha ambições a ir longe. Sei que não vou ouvir dos responsáveis do clube comentários hierarquizando a importância das diversas provas em que o FC Porto está a competir. Quando o FC Porto entra em campo é sempre para ganhar, não faz sentido e é até insultuoso para um adepto do clube subentender que se pouparão esforços neste ou naquele jogo. Isso será bom para outros clubes – e quer-me cá parecer que ouvirei muita coisa do género de responsáveis dum clube que nem na Liga Europa vai jogar –, para o PC Porto não é, de certeza absoluta.
O Óliver revelou que Lopetegui pediu, antes do jogo contra o BATE Borisov, o que pede sempre: concentração, esforço, garra e orgulho. O treinador terá muitos defeitos, mas sabe o que é FC Porto. Já o disse e repito: temos homem.

Herrera

O FC Porto não fez um jogo contra o BATE Borisov propriamente brilhante. Seria difícil fazer uma exibição de gala num campo que mais parecia um batatal e a uma temperatura daquelas. Mas a segunda parte foi muito aceitável e pudemos assistir a um belo desempenho de Casemiro – que melhora a olhos vistos de jogo para jogo – e a uma partida verdadeiramente impressionante do Herrera.
O mexicano está finalmente a mostrar toda a sua qualidade, e que ainda não tinha mostrado não por sua culpa mas por lhe darem missões que não se adequam bem às suas características.
O Herrera é um fantástico box to box, mas é no último terço do terreno que faz a diferença. Tem um bom remate – que grande golo marcou –, rompe bem, faz excelentes assistências para golo. Não é, por muito que se insista, um trinco ou um médio defensivo. Os passes arriscados que fazem todo o sentido junto à área adversária não são apropriados a zonas defensivas, as cavalgadas são para ser feitas já no outro meio campo e com o trinco atrás, não são para um jogador que esteja na posição mais atrasada do meio-campo.
O jogo atacante da equipa tem outra dimensão quando o Herrera entra ou está na área. Temos passado demasiado tempo com o Jackson sozinho no meio da defesa adversária.


Lapidar

 Se mantivermos esta qualidade, estou certo que os triunfos chegarão com naturalidade; a equipa está forte e motivada e as coisas boas chegarão no fim.

Óliver jogador do FC Porto

 Jorge Nuno Pinto da Costa presidente do FC Porto

O presidente do Sporting? Nunca o vi. Mesmo na reunião entre todos (clubes) ele não apareceu
Nem estiveram de acordo, nem em desacordo, estiveram, calados.

 PS - Jorge Ferreira um juiz do apito controverso

Jorge Ferreira que apitou o Porto x Boavista de má memória, foi agora nomeado para apitar o Académica x Benfica. Por conseguinte, vamos estar atentos aos critérios adoptados por ele no jogo em que os estudantes vão defrontar os encarnados.
Recorde-se que foi este juiz do apito quem expulsou Maicon (vermelho directo) no FC Porto x Boavista.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.