domingo, 30 de novembro de 2014

Uma segunda parte quase perfeita dos Dragões

Contra um Rio Ave de bloco baixo, a jogar em contra ataque, impunha-se um futebol rápido/veloz e agressivo dos Dragões. Em vez da velocidade a equipa portista praticou um futebol lento denunciado, parecendo que a equipa jogava em economia de esforços. E assim se chegou ao fim dos primeiros 45 minutos sem golos, mais por culpa dos comandados de Lopetegui do que dos vila-condenses.
A segunda parte já foi muito diferente


O jogo valeu pela segunda parte da equipa portista, principalmente pelos últimos 30 minutos de jogo, em que o Rio Ave possivelmente à procura da divisão de pontos, se abriu um pouco mais e permitiu que os portistas ganhassem espaços dando oportunidade aos craques azuis e brancos de aparecerem e a maior valia técnica desta equipa do FC Porto acabou por se impor justificando o resultado tão desnivelado.

Destaques na equipa azul e branca

Fabiano defendeu tudo que lhe apareceu pela frente.
Os quatro defesas exibiram-se a contento, principalmente os laterais que marcaram um golo cada um, sendo mais de realçar o golo do Danilo, um fantástico pontapé de colocação e força.

No meio campo, Casemiro uma actuação muito próxima do seu melhor, logo seguido de Óliver um portento de técnica que também marcou um belo golo.
Brahimi e Herrera foram os que me pareceram ter acusado mais o jogo de quarta-feira.

Tello marcou um belo golo e enquanto teve forças foi sempre uma seta apontada à baliza adversária.
Jackson, grande capitão! Muito importante a trabalhar para a equipa e a fazer a diferença sempre que bem solicitado. Muito bem Jackson!
 

FC Porto  5                                                                                            Rio Ave 0    

 
                                                                                              
 

47' Tello 78' Jackson Martínez (c) 89' Alex Sandro 90+1' Óliver Torres 90+3' Danilo


Domingo, 30 Novembro 2014 - 20:15 - Competição:Primeira Liga

Estádio:Dragão, Porto - Assistência:30.328

Árbitro: Olegário Benquerença (Leiria)

Assistentes: Bertino Miranda e Luís Marcelino

4º Árbitro: Pedro Vilaça

FC Porto: 12 Fabiano, 2 Danilo, 3 Martins Indi (67'), 5 Marcano, 26 Alex Sandro

6 Casemiro (38'), 16 Herrera, 30 Óliver Torres, 8 Brahimi, 9 Jackson Martínez (c), 11 Tello

Suplentes: 25 Andrés Fernández, 4 Maicon, 7 Quaresma, (83' Tello), 10 Quintero,

(70' Herrera), 18 Adrián López, 36 Rúben Neves, (56' Brahimi), 99 Aboubakar

Treinador: Julen Lopetegui

Rio Ave: 1 Cássio, 12 Lionn (29'), 46 Marcelo, 3 Prince, 15 Tiago Pinto, 30 Wakaso (44'),

20 Pedro Moreira , 10 Diego, 17 Ukra (c), 77 Esmael (28'), 21 Marvin Zeegelaar

Suplentes: 93 Ederson, 6 Luís Gustavo (86'), (78' Pedro Moreira), 9 Hassan,

(62' Marvin Zeegelaar), 13 Boateng, 14 André Vilas Boas, 25 Roderick, 28 Del Valle,

(69' Esmael)

Treinador: Pedro Martins

Narrativa do Jogo

Depois duns bons primeiros minutos, o FC Porto só conseguiu chegar à vantagem no arranque da segunda parte, por intermédio de Tello (o MVP da partida), e atingir a tranquilidade aos 78 minutos, com um golo de Jackson (o oitavo na Liga portuguesa, em que é o melhor marcador a par de Talisca e Maazou). Nos últimos cinco minutos, com um punhado de sorte e dois passes de magia, a goleada materializou-se.

A entrada do FC Porto foi bastante forte e, aos três minutos, os Dragões já tinham tido duas excelentes oportunidades para inaugurar o marcador. Primeiro foi Danilo, num lance individual, a rematar de pé esquerdo e a obrigar Cássio a uma defesa apertada; logo de seguida, foi Tiago Pinto a evitar o golo, ao interceptar um remate de Jackson, após excelente arrancada de Tello na esquerda. O extremo mostrava-se sempre mais rápido do que os defesas que lhe saíam ao caminho e boa parte do futebol vibrante que os Dragões exibiram nos primeiros 25 minutos do encontro passou por ele.

Danilo deu mais dois sinais de perigo - na marcação de um livre, aos 11 minutos, e noutra jogada a solo, aos 20 -, mas com o passar do tempo o fulgor azul e branco foi diminuindo. Parte do mérito era também do Rio Ave, que conseguiu baixar o ritmo de jogo e que, na verdade, procurou sempre chegar à baliza portista. Os vila-condenses nunca tomaram a iniciativa, mas revelaram-se organizados e nem mereciam que o céu lhes caísse sobre a cabeça nos últimos minutos.

Na segunda parte, logo aos dois minutos, o FC Porto chegou à vantagem por intermédio de Tello (segundo golo consecutivo e primeiro na Liga portuguesa), que aproveitou uma bola ganha por Jackson sobre Marcelo para se soltar na esquerda e rematar cruzado. Parecia estar feito o mais difícil, mas o Rio Ave resistiu até deixar de ter forças, vendendo cara a derrota. Lopetegui jogou bem as suas cartas no banco - lançando, sucessivamente, Rúben Neves e Quintero e depois Quaresma - e a maior capacidade física dos Dragões veio ao de cima.

A partir dos 70 minutos foi começando a cheirar a golo e Danilo, Marcano (por duas vezes) e Casemiro ameaçaram até Jackson fazer o 2-0, aos 78 minutos. O colombiano ganhou a bola a meio-campo e foi progredindo até rematar colocado, de pé esquerdo, apontando o sexto golo ao Rio Ave em cinco partidas e tornando-se no segundo melhor marcador de sempre no Estádio do Dragão (41 golos), ultrapassando Falcao e indo agora atrás do recorde de Hulk (44).

Diego Lopes ainda acertou no poste de Fabiano, aos 80 minutos, e o encontro até parecia fechado quando Tello abandonou o relvado debaixo de uma grande salva de palmas, aos 83 minutos, para ser substituído por Quaresma. Porém, o melhor ainda estava para vir. Alex Sandro foi feliz ao ver o corte de Marcelo bater-lhe inadvertidamente e fazer um chapéu a Cássio, permitindo ao brasileiro voltar aos golos quase dois anos depois do dia 19 de Janeiro de 2013; Quintero isolou Óliver para o 4-0, já nos descontos; e, para finalizar, uma "bomba" de Danilo deu origem ao 5-0 e a um final em festa. O líder Benfica está apenas a três pontos e visita o Dragão daqui a duas jornadas, numa Liga em que o Vitória de Guimarães também não desarma.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.