quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Excelente Gonçalo, filho de peixe sabe nadar!

29/01/2015 - Gonçalo, em nome do pai

​Avançado estreou-se a marcar ao terceiro jogo com a camisola do FC Porto, tal como Domingos, há quase 27 anos


​Quinze anos depois de Ricardo Sousa, o FC Porto volta a ter um filho de um antigo craque da casa a jogar na equipa principal. Gonçalo Paciência, que esta quarta-feira se estreou a marcar pela equipa principal, foi galgando as etapas da formação do FC Porto, sob o olhar atento de tudo e de todos, para chegar ao topo ao fim de 14 anos no clube. O avançado estreou-se pela equipa principal com 20 anos e cinco meses, a 21 de Janeiro deste ano, no jogo contra o Sporting de Braga para a Taça da Liga, enquanto o pai, Domingos, fê-lo com 18 anos e dez meses, a 21 de Novembro de 1987, numa partida contra o Moura, para a Taça de Portugal, que os azuis e brancos venceram por 4-0.

As coincidências entre os dois não se esgotam aqui. Tal como o pai, o filho do meio do clã Paciência estreou-se a marcar num jogo em casa, diante da Académica (4-1). Domingos fê-lo, pela primeira vez, na goleada (4-0) que o FC Porto, sob o comando de Tomislav Ivic, impôs ao Elvas, na 30.ª jornada do campeonato, a 13 de Abril de 1988, no antigo Estádio das Antas. Tal como o pai, Gonçalo precisou de três jogos (108 minutos de jogo) para festejar o primeiro golo com a camisola azul e branca, depois de também ter sido chamado por Julen Lopetegui para o encontro contra o Marítimo, para a Liga portuguesa, na jornada anterior.

Pai e filho estão unidos pelo sangue, pelo nome, pelas coincidências históricas e mesmo pelas características que os definem. “Tanto eu como o meu irmão Vasco [que também joga nas camadas jovens portistas], somos parecidos com ele na forma de jogar. A única diferença é que ele era mais um pouco mais rápido, por ser franzino, e eu sou mais possante”, afirmou Gonçalo, numa entrevista à edição de Abril do ano passado da revista “Dragões”.

No final do jogo desta quarta-feira, Gonçalo não escondeu a felicidade que lhe vai na alma. Motivos não lhe faltam, na verdade. Depois de, no início desta época, ao serviço da selecção Sub-21, ter contraído uma lesão que voltou, tal como em 2013, a afastá-lo dos relvados por um período considerável de tempo, o número 39 dos Dragões regressou melhor do que nunca. Recuperado, depressa assumiu a titularidade no FC Porto B, onde já assinou cinco golos em dez jogos (o penúltimo dos quais superiormente marcado ao Benfica B, no Seixal). Na semana passada, após ter-se estreado na partida contra o Sporting de Braga, Gonçalo confessou, nas redes sociais, que tinha concretizado “um sonho de criança”. Oito dias depois realizou outro, com um golo que celebrou tal e qual fazia o pai, que assistiu in loco a um “dia especial” que nem um nem outro esquecerão.


Gonçalo Paciência e Víctor García, jogadores do FC Porto B, permaneceram esta quinta-feira integrados na equipa principal, que regressou aos treinos após o triunfo por 4-1 frente à Académica, jogo em que o jovem Gonçalo se estreou a marcar na formação principal.

Os Dragões vão prosseguir a preparação para o jogo frente ao Paços de Ferreira (marcado para domingo, às 20h15, no Estádio do Dragão, e a contar para a 19.ª jornada da Liga portuguesa) esta sexta-feira, às 10h30, com os primeiros 15 minutos a serem abertos aos órgãos de comunicação social.


PS - Equipa de arbitragem nomeada

Árbitro: Marco Ferreira


Assistentes: Nélson Moniz e Sérgio Serrão

​Marco Ferreira, da Associação de Futebol da Madeira, foi o árbitro nomeado para o jogo entre FC Porto e Paços de Ferreira, marcado para este domingo, às 20h15, no Estádio do Dragão, e referente à 19.ª jornada da Liga portuguesa. O juiz madeirense, que se estreia em jogos dos Dragões esta temporada, será auxiliado por Nélson Moniz e Sérgio Serrão.

Em 2014/15, Marco Ferreira já dirigiu 16 jogos, sete deles no escalão principal, mostrando uma média de 5,03 cartões por encontro. Em termos de cartões vermelhos, já exibiu seis (quatro na Primeira Liga e dois na Segunda Liga).

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.