domingo, 11 de janeiro de 2015

Primeira Liga FC Porto vence Belenenses

Os portistas não facilitaram, respeitaram o adversário e com uma exibição agradável conquistaram os três pontos da ordem. E assim paulatinamente lá vão continuando a porfiar tendo em vista não deixar o rival descansar à sombra das ajudas dos árbitros. 
  
    FC Porto    3                                         16.ª jornada                           Belenenses    0
    
                                                                                  



10' Jackson Martínez (c) 47' Óliver Torres 90+3' Evandro

Sábado, 10 Janeiro 2015 - 20:15 - Competição:Primeira Liga

Estádio: Dragão, Porto (TV: SportTV) - Assistência: 26.509

Árbitro: Manuel Mota (Braga)

Assistentes: Paulo Vieira e José Gomes

4º Árbitro: Artur Soares Dias
 

FC Porto: 12 Fabiano, 2 Danilo, 4 Maicon, 3 Martins Indi, 14 José Ángel

6 Casemiro (64'), 16 Herrera (6'), 30 Óliver Torres (55'), 7 Quaresma

9 Jackson Martínez (c), 11 Tello

Suplentes: 25 Andrés Fernández, 5 Marcano, 10 Quintero, (76' Quaresma)

15 Evandro, (69' Óliver Torres), 18 Adrián López, (83' Casemiro)

21 Ricardo, 22 Campaña

Treinador: Julen Lopetegui


Belenenses: 24 Ventura, 47 Palmeira, 23 Tikito, 28 Gonçalo Brandão (50'), 22 Nelson

16 Bruno China (c), 5 Pelé, 35 Rodrigo Dantas, 30 Camará (90+2'), 9 Tiago Caeiro

7 Miguel Rosa

Suplentes: 1 Matt Jones, 6 João Meira, 10 Tiago Silva, (88' Pelé), 13 João Afonso

17 Sturgeon, (56' Rodrigo Dantas), 20 Filipe Ferreira, 92 Fábio Nunes, (83' Tiago Caeiro)

Treinador: Lito Vidigal

 
Dragões bateram Belenenses por 3-0 e continuam a ter o melhor ataque da Liga portuguesa, com 39 golos

​Golos de Jackson, a abrir a primeira parte (10 minutos), Óliver Torres, a abrir a segunda (47), e Evandro, a fechar a partida (93), permitiram ao FC Porto bater de forma clara o Belenenses, por 3-0, e manter-se a seis pontos do líder Benfica.

A partida começou com a Superior sul despida, devido a um protesto dos Super Dragões contra as arbitragens na Liga portuguesa. Só ao fim de seis minutos (o número de pontos de desvantagem do FC Porto face ao Benfica, à entrada para a 16.ª jornada) é que a claque ocupou os seus lugares e recolheu as faixas em que se lia "Se roubo de igreja era habitual / agora são roubos de catedral" e o lençol em que se via um andor a carregar figuras do clube lisboeta. Porém, se os Super Dragões chegaram simbolicamente atrasados ao encontro, a equipa azul e branca não o fez.

Pressionando o adversário e circulando bem a bola, os Dragões cercaram um Belenenses que pareceu traumatizado pela goleada sofrida na quarta-feira (7-1 no terreno do Sporting de Braga, em encontro da Taça de Portugal) e que se recolhia em 25 metros quando defendia. O primeiro remate foi de Jackson Martínez, aos oito minutos, e, apenas dois minutos depois, o colombiano abriu o marcador: Herrera desmarcou-se e cruzou da direita para o avançado, que apenas teve de encostar a cabeça. Jackson está agora a apenas um golo de igualar Hulk (44 golos) como melhor marcador de sempre do Estádio do Dragão.

Aos 39 minutos, Quaresma aplicou uma trivela na esquerda e Jackson, ao segundo poste, bem se esticou mas não conseguiu rematar para a baliza. Antes, aos 35, Maicon cabeceou por cima, na sequência de um canto, e os Super Dragões voltaram a evidenciar-se, aos 30, com um minuto de aplausos em honra de José Maria Pedroto, três dias depois de se terem assinalado os 30 anos do seu desaparecimento.

A segunda parte arrancou praticamente com o 2-0: Óliver Torres aproveitou a cerimónia da defesa do Belenenses para aliviar a bola e rematou de forma imparável à entrada da área, apontando o quinto golo com a camisola dos Dragões. O 2-0 esfriou qualquer tentativa de reacção por parte dos visitantes e os Dragões foram gerindo o resultado, mesmo que o Belenenses se procurasse estender no terreno. O 3-0 pareceu sempre mais próximo do que o 2-1 e Tello (Ventura desviou o remate para a barra) e Indi (em boa posição, cabeceou por cima) ameaçaram fazer mexer de novo o marcador.

A melhor ocasião do Belenenses foi já nos descontos, mas Maicon travou em cima da linha o remate de Camara. Curiosamente, na resposta, o FC Porto chegou ao 3-0, através de um remate de fora da área de Evandro (substituiu Óliver aos 69 minutos), que assim se estreou a marcar pelos azuis e brancos. A luta pelo título continua no próximo sábado (20h15), quando os azuis e brancos se deslocarem a Penafiel para fechar a primeira volta da Liga.


Lopetegui
No início do jogo, os Super Dragões exibiram uma faixa em protesto contra as arbitragens. O treinador espanhol assinou por baixo: “Os adeptos mostraram a sua opinião, que para mim é acertada, uma vez que houve decisões que nos prejudicaram claramente em vários jogos e houve outras decisões que beneficiaram os nossos adversários”.

Lopetegui lembrou igualmente que ficou uma grande penalidade por assinalar: “Podemos ser uma equipa agressiva, mas não somos uma equipa violenta, mas o árbitro decidiu assim, são erros humanos. Naquele lance do Óliver, entendo que não era fácil para o árbitro analisar, mas ele disse-me, no fim, que foi pisado e levou um amarelo. Os três médios ficaram com um amarelo, não é normal. Espero que os erros da arbitragem sejam equilibrados para o bem da Liga e do futebol português”.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.