sábado, 7 de dezembro de 2013

Liga Portuguesa- FC Porto 2 Braga 0

É verdade que conquistamos os três pontinhos da ordem, mas a exibição dos Dragões esteve longe de me convencer. Há por ali muita falta de futebol: os automatismos raramente saem, acontecem muitas vezes passes transviados que acabam por serem interceptados pelos adversários, e deteto também , não de resistência, mas alta de velocidade nos capítulos de: reação, reflexos, pernas e de execução. A equipa portista para derrotar os adversários tem de ser capaz de jogar em antecipação e conseguir ser mais rápida do que os contrários...!

FC PORTO
SPORTING DE BRAGA
12.ª JORNADA
2
0








7 Dezembro 2013- Competição: Primeira Liga
Estádio: Dragão, Porto- Assistência:31.129
Árbitro: Paulo Baptista (Portalegre)
Assistentes: José Braga e Valter Rufo
4º Árbitro: Carlos Espadinha
FC Porto: 1 Helton, 2 Danilo, 4 Maicon, 22 Mangala (41'), 26 Alex Sandro (22'), 35 Defour, 16 Herrera (82'), 3 Lucho (c), 8 Josué, 9 Jackson Martínez, 17 Varela 
Suplentes: 24 Fabiano, 10 Quintero, 11 Ghilas, 19 Licá, (72' Josué), 0 Carlos Eduardo,
(46' Lucho), 28 Kelvin, (90' Varela), 30 Otamendi
Treinador: Paulo Fonseca
Sporting de Braga: 1 Eduardo, 15 Baiano, 4 Nuno André Coelho, 33 Aderlan Santos, 20 Elderson (50'), 63 Mauro, 8 Luiz Carlos, 18 Rafa, 30 Alan (c), 17 Éder, 90 Felipe Pardo
Suplentes: 23 Cristiano, 2 Sasso, 10 Hugo Vieira, (70' Rafa), 27 Custódio,
(70' Luiz Carlos), 28 Salvador Agra, (81' Alan), 32 Vukcevic, 64 Tomás Dábo
Treinador: Jesualdo Ferreira
 
Aselhices do Baptista
Ainda antes do intervalo, Mangala viu o cartão amarelo, numa jogada em que nem falta comete, e fica assim impedido de disputar a próxima jornada, por competar uma série de cinco cartões amarelos na Liga.

…O Sporting de Braga não respondia, mas, a perder por 1-0, ainda estava dentro do jogo. Faltava o segundo golo, que poderia ter aparecido aos 75 minutos, quando Carlos Eduardo – que se exibiu a grande altura – pareceu ser rasteirado na grande área bracarense.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.