domingo, 29 de dezembro de 2013

Taça da Liga- Um Olegário Benquerença caseiríssimo!

29/12/2013 - Resultado final Sporting 0 FC Porto 0

É público que esta Taça da Liga não é o objectivo principal dos Dragões, no entanto, a equipa portista bateu-se dignamente em Alvalade com o Sporting e nem a tentativa de Benquerença fazer inclinar o campo para o lado dos verdes fez com que a equipa da casa saísse vitoriosa.
Então a expulsão do Carlos Eduardo foi escandalosa, forçadíssima, e o critério disciplinar adoptado pelo juiz do apito para ajuizar as faltas foi sempre permissivo para os leões e excessivamente rigoroso para os azuis e brancos!
Valeu que a equipa portista se comportou com galhardia não deixando andar os seus créditos por mãos alheias.
Lutou-se muito a meio campo e se é verdade que o Sporting pressionou mais e teve nos últimos minutos algumas oportunidades, tal facto deve-se à escandalosa expulsão: extemporânea, forçadíssima, do Carlos Eduardo, deixando os Dragões desfalcados dum dos seus melhores atacantes.

Pelo que Benquerença talvez deliberadamente, para tentar agradar aos "calimeros" (habituais chorinhas), estragou definitivamente o jogo retirando-lhe espectacularidade.
Destaques : na equipa portista quase todos se bateram muito bem demonstrando atitude e brio profissional, com realce porém para Fabiano que na minha opinião (vale o que vale) provou ser neste momento o melhor Keeper dos dragões.
Só Varela destoou do conjunto, sendo quase sempre um jogador a menos na equipa, porque muito bem marcado pelo Cedric, ao tentar agarrar-se à bola ele que neste momento tem défice de velocidade, era quase sempre desfeiteado pelos adversários.
Na equipa só faltou um pouco mais de rasgo ao sector atacante e maior precisão no último passe para então se poder assegurar com convicção que estamos no bom caminho.
Atendendo ao que Jackson afirmou numa entrevista recente, referindo que antes de jogar no FC Porto estava habituado a jogar atrás do ponta de lança, porque não colocar a jogar na equipa o Ghilas à frente e o Jackson atrás?



SPORTING
FC PORTO

3.ª FASE, 1.ª JORNADA DO GRUPO B
0
0










Competição : Taça da Liga - Estádio:José Alvalade, Lisboa - Assistência:21.505

Árbitro:Olegário Benquerença (Leiria)

Assistentes:Ricardo Santos e Pedro Neves

4º Árbitro:Rui Rodrigues

Sporting: 22 Marcelo Boeck (c), 41 Cédric (90+3'), 15 Eric Dier, 5 Rojo, 4 Jefferson
 14 William Carvalho (63'), 8 André Martins, 23 Adrien Silva (53'), 28 Wilson Eduardo
 9 Slimani, 11 Capel

Suplentes: 1 Rui Patrício, 3 Maurício, 6 Vítor, (77' André Martins), 10 Gerson Magrão
17 Montero, (63' Slimani), 18 Carrillo (80'), (67' Capel), 25 Diogo Salomão

Treinador: Leonardo Jardim

FC Porto: 24 Fabiano, 2 Danilo, 4 Maicon, 22 Mangala, 26 Alex Sandro, 25 Fernando (c), 16 Herrera, 20 Carlos Eduardo (28'), 17 Varela (81'), 11 Ghilas, 19 Licá

Suplentes: 31 Bolat, 3 Lucho, (59' Herrera), 8 Josué, 9 Jackson Martínez, (77' Ghilas), 28 Kelvin, 30 Otamendi, 35 Defour, (63' Fernando)

Treinador: Paulo Fonseca


FC Porto, futebol-site:
Após a paragem natalícia, o futebol voltou com um clássico que deu em nulo. Sporting e FC Porto empataram a zero num jogo pouco interessante, especialmente na primeira parte, e em que os Dragões – que terminaram com dez jogadores – trouxeram de Lisboa um resultado que lhes dá boas perspectivas de avançar para as meias-finais. Os portistas recebem em casa Penafiel e Marítimo nos encontros que restam deste grupo B, em que todas as equipas têm um ponto no final da primeira jornada.
Face ao “onze” tipo dos últimos encontros, o treinador Paulo Fonseca fez entrar o guarda-redes Fabiano – que teve intervenções decisivas, especialmente no segundo tempo, negando o golo ao Sporting – e ainda Herrera, no lugar de Lucho. A história da primeira parte pode contar-se em poucas palavras: ambas as equipas colocaram as suas linhas defensivas muito adiantadas, o que roubou espaço para trocar a bola e concentrou muito o jogo a meio-campo.
Houve momentos alternados de domínio e poucas situações claras de golo: na primeira delas, aos sete minutos, Ghilas foi lançado por Alex Sandro e rematou por cima; do outro lado, foi Wilson Eduardo a obrigar Fabiano a uma defesa atenta, aos 26 minutos. Ao intervalo a posse de bola era repartida, com ligeira vantagem azul e branca.
No segundo tempo, voltou a ser Ghilas a dar o primeiro aviso, com um remate a partir de posição de fora de jogo, mas que deu conta de uma vontade por parte do FC Porto de pressionar mais próximo da área do adversário. Fernando, aos 62 minutos, também cabeceou em boa posição, após canto, mas a bola saiu por cima.
Os dois bancos mexeram a partir dos 60 minutos e no FC Porto saíram Herrera e Fernando (tocado), entrando em campo Lucho e Defour. O Sporting, em sua casa, não arriscou na procura da
vitória
, trocando um ponta-de-lança por outro (Slimani por Montero) e extremo por extremo (Capel por Carrillo). Para além disso, destaque para William Carvalho, que entrou “a matar” sobre Varela e viu o cartão amarelo, quando bem podia ter visto o vermelho.As grandes oportunidades do Sporting na segunda parte apenas surgiram nos últimos 16 minutos, mas foi a vez de Fabiano, habitual suplente de Helton na baliza portista, mostrar toda a sua qualidade: aos 74 minutos evitou o remate de Carrillo e a recarga de Montero e aos 81 negou o golo a Vítor.
O FC Porto terminou o encontro com apenas dez homens, visto que Olegário Benquerença decidiu mostrar o segundo cartão amarelo a Carlos Eduardo por uma falta banal a meio campo. Este critério compara bastante mal com o cartão amarelo mostrado a William Carvalho poucos minutos antes, mas o FC Porto foi capaz de garantir o empate e a equipa visitada continua sem vencer os Dragões esta época.

1 comentário:

  1. Boa, o "post" está muito bom!

    O Bruno o que queria era protagonismo à custa do Presidente do FC Porto, mas enganou-se pois o grande timoneiro deixou-o a falar sozinho.
    Mas é curioso ver como os adeptos verdes andam empolgados...! Como se o Bruno tivesse descoberto a banha da cobra, e desse garantias de sucesso!
    Já há quem diga que o fulano pretende ser uma espécie de Pinto da Costa quando este chegou ao futebol(A.O.). Claro que pensar assim é asneira, principalmente porque o tal aprendiz não tem nem uma décima parte da qualidade intelectual do Jorge Nuno e muito menos o seu espírito mordaz, a sua capacidade de ironizar. Na minha opinião:nem a uma imitação "rasca" consegue chegar...

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.